quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Geoffrey Hoppe - "Loucos pela consciência" - Novembro / 2015


Geoffrey Hoppe, canalizador de Adamus (Saint Germain) e Tobias

Segundo quase todas as medidas, você e eu somos loucos. Eu, em particular, por causa do trabalho que faço, mas vocês estão em segundo lugar. O diagnóstico clínico para ambos ficou na mesma categoria geral: Delirante.

(Ai, meu Deus! Acabei de entrar no Wikipedia para ver se a minha escolha da palavra "delirante" era precisa para este artigo. Segundo o Wikipedia, eu realmente sou delirante! Eu estava apenas meio brincando quando eu escrevi essa palavra O artigo afirmava: Delírio bizarro: Delírios são considerados bizarros se eles forem claramente não compreendidos pelos pares da mesma cultura e não provêem de experiências comuns da vida. Com delírios de grandeza, o doente não tem conhecimento de sua perda de contato com a realidade. Um indivíduo é convencido que tem poderes, talentos ou habilidades especiais. Às vezes, o indivíduo pode realmente acreditar que é uma pessoa ou personagem famoso) (Nota do autor: Eu me pergunto se a crença que se tem que está canalizando uma pessoa famosa e morte entra também nesta descrição de delirante?)

Bem, agora que eu tive essa pequena revelação sobre a natureza da minha - e sua - personalidade, por favor, deixe-me continuar com meu artigo. Eu estou escrevendo isso em um avião. Eu acho que a senhora idosa sentada atrás de mim está lendo por cima do meu ombro. "Henry", ela sussurra para seu marido que está dormindo: "Esse homem diz que ele é delirante. Devo chamar a aeromoça?" Não senhora, pare de ler sobre o meu ombro porque você vai desmaiar com o que vem a seguir.


Temos uma missão especial, você e eu. É chamada de trazer consciência para a vida. Trata-se de compreender a natureza da consciência - que é a própria vida - e permiti-la em nossas experiências diárias. Não é sobre como salvar a senhora atrás de mim. (Ela acabou de chutar o Henry.) Trata-se de revelar o maior mistério do nosso tempo: A consciência é a base de tudo. Não é ciência, mas vai afetar a ciência nos próximos anos. Não é religião ou espiritualidade, mas vai alterar a própria natureza destas artes em nossas vidas. Não é nem mesmo "pensamento" ou cognição e é aí que reside o problema. O que é então, essa coisa que chamamos de consciência? E o que isso tem a ver com a iluminação? Não estamos aqui para iluminação? Não é por isso que todos nós encarnamos neste momento muito especial?

Todos nós aprendemos como pensar e agir no mundo linear. Alguns de vocês ficaram muito bons nisso. Alguns de vocês têm diplomas universitários impressionantes e tornaram-se médicos ou empresários, ou terapeutas e professores, ou artistas e escritores. Aprendemos o jogo e o jogamos bem. Mas o tempo todo - o maldito tempo todo - nós sabíamos que havia algo mais. Nós não sabíamos o que era, não sabíamos como descrevê-lo e não confiamos no que sabíamos. Mas sabíamos.

Oh, Senhor, como isso levou a anos de frustração, depressão, angústia, raiva e dúvida! Como isso levou a energia para fora de nós! Quantas lágrimas foram derramadas por causa disso? Quantos dias nós não fomos capazes de estar entre as pessoas comuns, porque não nos encaixamos em seu mundo e ainda não percebemos o nosso novo mundo? Como nós gostaríamos que houvesse um botão para desligar a tagarelice incessante da mente humana, a fim de ouvir os nossos verdadeiros sentimentos e a verdade!

Mas é tudo sobre a consciência. Enquanto muitas pessoas, com orientação espiritualista, lutam pela paz de espírito e comunhão com o cosmos, todos nós somos consciência. Consciência. Realização. Despertar. De acordo com Adamus, a consciência deu origem aos céus e à terra, ela dá forma ao nosso mundo físico e está presente em todas as dimensões em toda a criação. Ela não contém energia, poder ou força, portanto é impossível detectar com os nossos sistemas de medição atuais. Mas, ainda assim, é a fonte.

Meu desafio tem sido de ir além do pensamento mental para a consciência pura. Eu sou culpado de tentar usar minha mente para encontrar o meu caminho para a consciência, mas depois de anos de tentativas já mencionadas eu percebi que não funciona. A única coisa que eu consegui é mais pensamentos mentais, algo que eu já tenho um excesso de abundância. Eu tentei "sentir" o meu caminho para a consciência apenas "sentindo" a minha realidade, mas que foi semelhante a ficar de pé numa pilha de caixas de papelão frágeis, apenas para desmoronar após a segunda ou terceira fileira. Eu simplesmente não consigo ficar além dos pensamentos mentais.

Mas mesmo assim, eu tenho um saber sobre a minha consciência. Quando eu não estou tentando pensar sobre isso, eu sei que ela está aí. Mas quando eu penso sobre isso, ela vai embora. É uma espécie de como ver aquelas explosões de luz branca ou azulada com o canto do meu olho. Tobias me disse uma vez que isso era consciência, quer seja a minha própria ou de uma entidade nas proximidades. Mas no momento que eu olho diretamente para as luzes elas vão embora. Como é frustrante! Eu quero vê-las claramente com meus olhos, mas o que acontece é que a minha mente fica no caminho e, em seguida, elas desaparecem. Dane-se a mente!

A consciência pura, sem a interferência da minha mente, parece vir quando eu menos espero. Minha experiência mais recente ocorreu uma manhã no curso Threshold, em Vernon, no Canadá. Fui para fora, no início da manhã, para ver o nascer do sol sobre as montanhas. A manhã estava clara e gloriosa. Normalmente eu estaria "pensando" sobre como esta manhã estava linda, mas desta vez eu apenas me sentei no banco do parque, respirei fundo e percebi que estava na consciência pura. Eu não estava definindo ou pensando sobre o momento. Eu não estava pensando sobre como o céu estava claro ou como a temperatura estava perfeita ou que não tinha ninguém mais por perto. Eu só "estava". Nada mais importava a não ser o momento e naquele momento eu estava totalmente livre e claro. Não era uma experiência de "paz de espírito" - não havia nenhuma atividade mental - mas sim uma consciência de tudo e de nada ao mesmo tempo.

Mais tarde, percebi que a consciência pura está sempre aqui, mas eu não percebo isso porque eu estou muito ocupado tentando definir tudo dentro de mim ou à minha volta. Eu até mesmo tentei definir a consciência, mas se ela é a fonte de tudo, não há necessidade ou razão para defini-la. Definição é mental e irá interromper imediatamente a percepção da consciência. Ela apenas está aí, sempre, e não pode ser colocada em construções cognitivas. No momento em que eu vou para o mental com a consciência, não é mais consciência. É apenas "pensamento" sobre a consciência.

Agora sobre aquela coisa “louca”: É loucura "permitir" algo não-quantificável, como a consciência, pelo menos de acordo com as regras humanas convencionais. Apesar de ter uma crença mental em Deus e nos anjos é considerado bom, porque muitas outras pessoas também acreditam nisso, permitindo a nossa sabedoria de algo "mais" (consciência) seja considerada delirante, porque não vem da mente. Na verdade, a mente é uma expressão da consciência e não o contrário. No momento em que a mente tenta defini-la, ela vai embora. Ela está sempre aí, mas parece desaparecer quando a mente se envolve. (A senhora idosa atrás de mim acabou de sussurrar para seu marido, que está dormindo: "Henry, ele não acredita em Deus! Ele acredita em algo chamado Consciência".)

É preciso um grande salto de autoconfiança ir além do pensamento convencional, para a consciência. Alguns diriam que é loucura. Outros diriam que é uma fantasia. Mas chegará um dia, provavelmente dentro de nossa vida atual, quando o mundo reconhece a presença de "algo" que está muito além da mente. Os físicos e cientistas vão descobrir um novo fator que faz com que a luz, a energia e as partículas ajam e reajam. Claro que haverá grandes debates sobre o que é este fator e de onde ele vem. Alguns vão chamá-lo de Deus, os outros vão dizer que se trata de alienígenas e outros dirão que é a energia escura. Mas nós saberemos que se trata da consciência. Vamos perceber que todos esses anos imaginando se estávamos loucos ou delirantes ou cheios de fantasia foram na verdade sobre estar na vanguarda de uma das maiores revelações de todas: a Consciência.

Eu sinto os motores da aeronave reverterem à medida que começamos a nossa descida para o aeroporto de Denver. Olho para trás para ver como a senhora e Henry estavam. Ela estava dormindo, com a cabeça apoiada no ombro do Henry, com a boca aberta. A consciência tem um jeito engraçado de nocautear as pessoas, porque a mente não pode compreendê-la. Ela vai acordar em poucos minutos e esquecer totalmente o que ela leu sobre o meu ombro. Ela vai se sentir um pouquinho desorientada, ela não vai se lembrar dos sonhos que ela teve durante sua curta soneca e vai lutar para colocar o seu foco mental de volta no lugar. Ela, como tantos outros, continuará a ficar inconsciente sobre a consciência. Mas algo dentro dela foi desperto e nunca pode ser colocado de volta para dormir novamente até que ele seja percebido.


Autor: Geoffrey Hoppe 
Tradução: Léa Amaral – lea_mga200&@yahoo.com.br
Veja mais Geoffrey Hoppe Aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...