sábado, 21 de novembro de 2015

Suzanne Lie PhD - "Bem vindo ao Agora" - 11.11.2015

 

Você está preparado para ser um líder? Estamos aqui para ajudá-lo a reconhecer, recuperar e ativar a missão pela qual você assumiu esta encarnação. O primeiro sinal de que você está preparado para ser um líder é que você começa a “lembrar sua missão”.

Na verdade, você percebe sua missão a partir do interior profundo de seu próprio eu, você começa a se entregar ao conceito, esperança, dedicação e saber que você veio em seu vaso terreno para cumprir a missão que você escreveu antes de assumir essa encarnação.

No que se refere a mais aulas para prepará-lo para essa nova fase, nós precisamos lhe dizer que JÁ COMEÇOU, e você é chamado ao serviço ativo para cumprir a razão de sua encarnação.

É importante que você se lembre de sua missão escolhida a partir do interior de seu próprio EU Multidimensional porque isso indica que você acredita nas dimensões superiores e interage com elas.

Ser um líder não se trata de ser treinado a partir do exterior. Ser um líder é algo que você precisa descobrir do interior. Cada um de nós irá encontrar nosso próprio modo de lembrar e cumprir nossa missão.

Não teremos que procurar longe pela nossa missão porque ela é meta, desejo e necessidade interior sobre a qual somos impulsionados a agir desde que possamos lembrar.

Quando ouvimos as frequências mais altas de nosso EU Multidimensional, a frequência do nosso eu que se recusou a esquecer de nosso EU, nossa VERDADE, nossa necessidade interior de constantemente nos lembrarmos de alguma coisa que precisamos fazer ou saber ou lembrar.

Como honramos esse saber interior? Compartilhamos com os outros! É o AGORA de começar nossa transmutação de volta ao VOCÊ que você sempre foi – mas esqueceu.

Como uma justaposição interessante, vou compartilhar a primeira parte do que escrevi no meu website multidimensions.com em alguma parte da década de 90.

A JORNADA COMEÇA

Estamos entrando numa época muito especial ao começarmos um novo milênio. Muitos textos antigos, livros modernos e web sites declaram que estamos no limiar de uma era em que os véus do esquecimento serão partidos um por um. Então nossa consciência expandirá para abranger os nossos componentes que estão reprimidos, ignorados e esquecidos.

Se pudéssemos lembrar e estar totalmente conscientes de todos os componentes de nosso verdadeiro eu, nós estaríamos cientes das lições e razões para cada um dos desafios da vida. Os desafios ainda existiriam, mas a confusão e até talvez a dúvida poderiam ser apagadas de nossas experiências.

ONDE É O LAR?

Ainda há muitos de nós que não podemos nos lembrar de quem somos. Nós temos usado nossos corpos terrenos por tantos éons que acreditamos que somos apenas físicos e que somos limitados a essas formas de barro até “morrermos”.

De acordo com a lei do livre arbítrio, enquanto nós escolhermos acreditar na ilusão de limitação e separação da terceira dimensão, essa é a nossa única experiência “consciente”.

Quando a realidade de nosso eu dimensionalmente superior tornou-se “inconsciente”, nós esquecemos que a Terra era uma sala de aula. Nós nos esquecemos de que viemos para cá para aprender como sermos criadores conscientes através do processo de experiências tridimensionais.

Entretanto, apesar de perdermos a lembrança de nosso verdadeiro eu e a razão para vir a este planeta, nós mantemos nossos poderes dimensionalmente superiores de manifestação, pelo menos por um tempo.

Todas as manifestações começam como uma trajetória circular que no final retorna ao emissor. Portanto, era perigoso usar nosso poder dimensionalmente superior a partir de apenas uma consciência tridimensional, pois nós não conservávamos a sabedoria superior e o amor para equilibrar nosso poder.

Felizmente, assim que usamos mal nosso poder, nós começamos a perdê-lo. Então nós realmente éramos “apenas físicos”!

Como a consciência coletiva da Terra continuou a cair, nós mergulhamos cada vez mais profundamente no esquecimento. Antes de percebermos, nós estávamos emaranhados nas ilusões do planeta Terra.

Até que a Consciência Coletiva da Terra novamente tivesse se elevado para um nível em que seria possível reconhecer mensagens de dimensões superiores, seria difícil para nós retornarmos ao conhecimento de nosso verdadeiro EU Multidimensional.

A Terra caiu no medo e na superstição que a maioria das comunicações entre seres dimensionalmente superiores e aqueles na Terra foram imensamente mal entendidas ou distorcidas.

Então nós esperamos!

Às vezes nós odiávamos a espera e às vezes nós a amávamos. Nós aprendemos que se nos esquecêssemos de nosso Lar dimensionalmente superior e a parte de nós que reside nele, nós não estaríamos tão sozinhos.

Portanto, a maioria de nós esqueceu. Até... Quando nós menos esperaríamos, como se num sonho, nós lembraríamos algo - um sentimento, uma imagem rápida, uma determinada cor, ou um som.

Então ficaríamos muito, muito solitários. Nós queríamos ir para Casa. Mas não podíamos nos lembrar de onde era o Lar. Apenas sabíamos que não era aqui.

Apenas sabíamos que não nos encaixávamos e nós não queríamos!

E então esquecemos. Esquecemos o nosso EU, então esquecemos a nossa Missão. Mas então tivemos:

O SONHO

Eu olhei para o glorioso ser flutuando bem na minha frente. Sua luz encheu o quarto inteiro com uma radiação cálida.

“Quem é você?” eu perguntei dentro do meu coração.

“Eu sou você, Amada”, foi a resposta inesperada.

Eu não entendi o que o lindo ser tinha dito. Eu não era gloriosa. Eu não podia flutuar no ar como o ser na minha frente fazia, e definitivamente eu não tinha luz suficiente para encher o quarto inteiro.

Eu simplesmente era uma pessoa comum com uma vida comum. Alguns dias eu me sentia bem, até em paz, mas alguns dias, eu me sentia mal, até atormentada. Eu fazia meu trabalho e também eu podia e tentava pagar minhas contas em dia.

Eu era uma boa cidadã. Eu tinha uma família que eu amava e amigos que se importavam comigo. Entretanto, às vezes, eu estava assustada, aborrecida ou triste.

Não, eu não era especial. Eu era apenas comum.

“Ah, mas querida”, o ser interrompeu meus pensamentos, “apenas comum É especial”.

“O quê?” eu respondi com uma voz zangada e desrespeitosa. Rapidamente cobri minha boca e murmurei uma desculpa.

“Não precisa se desculpar comigo, minha querida. Eu sou você!”

“Não, eu sinto muito”, eu respondi, praticamente para mim. “Eu não posso acreditar nisso. Eu não posso aceitar isso. Se eu fosse você, então por que eu ia querer ser eu?”

“Eu me orgulho muito de ser você. Eu me orgulho muito de como você tem mantido sua vida sob circunstâncias difíceis. A vida no plano físico pode ser e normalmente é desafiadora. E você/eu tem mantido um coração que ama.”

“Um coração que ama?”

“Sim, e uma mente que pensa. Nós, isto é, você e eu juntas, temos mantido nosso laço, nossa promessa de continuar nosso EU em face das muitas tentações que poderiam nos tirar de “ser especial” e nos colocar no ser comum.”

“Bem, sim”, eu respondi enquanto coçava meu queixo. “Eu preciso dizer que há um milhão de tentações, desde escolher andar para o cesto de reciclagem até se lembrar de pensar antes de falar. Eu acho que eu tento, na maior parte do tempo, ser a melhor pessoa que eu posso ser.”

“Sim, e o tempo todo, você é especial. Você é especial não somente porque você tenta fazer o seu melhor, mas porque você tem escolhido deixar a forma que você vê perante você/eu/nós e entrar em uma experiência de vida física”.

Agora eu estava confusa. Eu não me lembrava de ter feito essa escolha. Na verdade, se eu pudesse escolher, eu instantaneamente me tornaria o ser glorioso na minha frente.

“Tem certeza?” respondeu o ser lendo os meus pensamentos. “E a sua família, seus amigos, seu trabalho, seu planeta? Você não sentiria falta deles?”

“Bem, sim, sentiria. Sentiria muita falta de todos eles. Mas, se eu também sou um ser como você, então eles também precisam ter uma parte deles que é como você. Eles não têm?”

“Com toda certeza”, respondeu o ser com um sorriso tão brilhante que a irradiação se estendeu para além das paredes do quarto até que não havia mais paredes e nem chão.

Havia somente luz.

No início estava um pouco assustada. Ficar no meio de uma luz chamejante não era uma ocorrência “normal”.

O ser sorriu gentilmente, “não se preocupe, o quarto ao seu redor, na verdade, todo o seu mundo físico, ainda existe. Entretanto, sua atenção agora está no meu mundo, que é de uma vibração mais alta”.

“Siga-me”, disse o ser. “Há uma coisa que eu gostaria que você visse.”

O ser me encaminhou para uma porta que pareceu surgir do nada. Ela se abriu totalmente quando nos aproximamos dela. O ser passou pela porta e acenou para que eu o seguisse.

Levou um momento para minha visão clarear, mas então eu vi!

Na minha frente estava uma visão da minha casa, minha família e meus amigos reunidos numa comunhão amistosa, exceto que tudo e todos estavam emanando luz radiante. Todos eles se voltaram para mim e sorriram. Seus sorrisos iluminaram ainda mais o quarto.

“Você trouxe sua consciência física para compartilhar conosco”, eles disseram em uma só voz.

“Estamos tentando trazer nossa consciência física para cá também. Não seria lindo se todos  nós pudéssemos nos encontrar aqui, físico com espiritual, e então retornar à Terra?”

“Pense nisso! Consegue imaginar o impacto que faria se pudéssemos unir as nossas essências espirituais e físicas para criar um fluxo contínuo do Espírito para a Matéria?”

“Devo estar sonhando”, eu pensei em voz alta. Fui beliscar meu braço, mas ele parecia diferente. Ele não era sólido. Eu era mais como uma nuvem, uma nuvem dourada. Minhas mãos estavam radiantes como as do ser glorioso. Olhei ao redor para perguntar ao ser o que acontecera e descobri que ele tinha ido embora.

“Não”, respondeu a voz do ser de dentro de meu coração e mente. “Eu não fui embora. Eu estou dentro de você. Agora, por favor, leve-me para seu mundo físico e não se esqueça de que eu sou você – dentro.”

Sentei-me na cama com um sobressalto. Meu corpo estava encharcado de suor e meu companheiro estava dormindo ao meu lado.

“Afinal foi apenas um sonho”, eu pensei.

“Ah, mas um sonho glorioso!” veio a voz interior agora familiar.

Felizmente, ela ainda estava respondendo a todos os meus pensamentos.

É o AGORA de nós assistirmos uns aos outros em SERMOS nosso EU e viver nossa Missão.
Como nossa consciência cada vez mais expande para a quinta dimensão, nós sentimos a necessidade de viver em unidade com toda vida.

Com o apoio amoroso daqueles com quem compartilhamos nossas vidas, nós temos a coragem e tenacidade de assumir o risco de “aprender por fazer”.

Queridos leitores deste AGORA, como vocês ESTÃO aprendendo por FAZER?

Obrigada a todos vocês por compartilhar.

Eu, Sue, compartilharei primeiro. Eu acho que teria de dizer que toda coisa que eu aprendo é por fazer. Eu ouço, sinto, vejo e imagino pensamentos, imagens, cenários, mas se eu não os documento de algum modo por escrever, desenhar ou compartilhar com um amigo, esse AGORA criativo escapa do meu conhecimento – e eu esqueço. Eu esqueço esse AGORA porque eu não combinei minha mensagem com sensação, visão ou ideia.

Quando eu combino minha vida diária com aquilo que reconheço que entrou via consciência mais alta, eu permito que entre e então altere minha vida 3D. E também, quando eu aceito o que chega a mim provindo de uma fonte superior, eu mantenho esse rio de luz fluindo. Se eu ignoro esse presente porque estou ocupada demais, aborrecida ou distraída, torna-se uma oportunidade perdida.

Pior ainda, eu posso nem saber que eu a perdi. Mas eu percebo que começo a me sentir triste ou até deprimida.


Autor: Suzanne Lie PhD 
Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com
Veja mais Artigos Aqui






Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...