sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

O Amanhecer da Consciência - "A Consciência Divina"



Aos poucos, tudo se torna claro. Novas situações inusitadas se apresentam. Novas percepções despontam. As preferencias se transformam, velhas mazelas cedem lugar a novas compreensões.

As passagens se repetiram por muito tempo. Recorrestes demasiadamente ao externo de tuas coerências. Esperastes muito por ancorar novas esperanças nos romances. Na aquisição de matéria ilusória sem alma. Na esperança de salvação por sacerdotes sem exemplos. Por falsas sabedorias sem humildade. Curadores oportunistas. Barbitúricos inebriantes.

Tantas as buscas e crenças, estas certezas reincidentes. Tantos recomeços intermináveis aquém do êxito.

Até que no aparente derradeiro cansaço das experiências mundanas, olhastes para os céus novamente, como se fosse última vez que voltaste os olhos às alturas, como se fosse o último clamor, aquela tentativa final de renovar esperanças. Eis que então, ouvistes aquela voz que vem de dentro. Aquela que povoa o pensamento com um sussurro tão intenso, que encobre o bradar birrento do ego outrora iludido.

Não será a última voz a ser ouvida, mas a voz que te fará adormecer num acalanto amoroso, para que repouses como há muito não repousavas. É a mesma voz que em teu esquecimento, esperastes do alto. É a voz compassiva, sábia e alentadora de teu aspecto elevado, que agora manifesta-se a entregar-te, o prêmio grato da revelação de quem és. Reconhecendo o que realizaste por mestria, em tua existência desbravadora de densas passagens e paragens.

O que se interporá entre a desesperança que se dissipa, e o teu sorrir novamente em liberdade plena, não serão muros, mas pontes.

Verás nas novas faces que se apresentarão diante de ti. Como missionárias de causas como as tuas. Abraçarás junto a ti, como causas unas ao bem maior. E saberás que tudo é, assim como és.

Venceste afinal, ao caminhares por um longo trajeto de estradas tortuosas. Até redescobrires que tens asas no coração, coragem na missão, criatividade na inovação, abundância de vida e sobretudo, essência de Amor. E relembrarás, que aquela voz providencial de tua fé renovada e agora invulnerável, é de ti a voz imaculada. O verbo declarado entre tua honrada existência. A origem das existências por ti honrada, ao declarares de ti mesma; Eu Sou Consciência Divina Elevada.


Autor: Fred Cury 
Veja mais O Amanhecer da Consciência Aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...