quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Benjamin Fulford - "A revolução continua com o congelamento do tráfego marítimo, crash da bolsa, colapso do dólar, petróleo a US $ 20, ataques contra as minas de ouro e mais" - 19.01.2016



Há um esforço sistemático em andamento para eliminar todas as fraudes no sistema financeiro global. Esta campanha foi chegando ao ponto em que algumas das principais instituições financeiras e países, incluindo a governança corporativa nos Estados Unidos, esta prestes a ir à falência. Tudo isso é parte de uma guerra híbrida que inclui o sistema financeiro, supercomputadores, forças de operações especiais, notícias, propaganda, assassinatos e mais.

Talvez, a noticia mais dramática e pouco relatada deste novo aspecto desta luta contínua, tenha sido o congelamento no trafego marítimo mundial. Para confirmar relatos na Internet de um congelamento no transporte marítimo, este escritor telefonou para a NYK Lines, uma grande empresa de transporte marítimo internacional, onde lhe disseram: "não podemos falar por todo mundo, mas, no que se refere a nossa empresa, com os preços atuais, estamos perdendo dinheiro toda vez que enviamos um navio, esse é o  motivo de nossa paralisação"

Fontes do governo chinês disseram a este boletim que o fato das companhias de navegação estarem agora exigindo serem pagas em yuan chinês e não em dólares, ser uma das principais razões do congelamento do transporte em todo o mundo. Se isso continuar, levará a um esvaziamento nas prateleiras de supermercados e agitação social, especialmente nos os EUA. O anúncio na semana passada por parte da Walmart, de que está fechando 269 lojas, é apenas o começo.

Outra grande dimensão desta guerra híbrida, tem sido o ataque contra o cartel do petróleo e controle do petrodólar. É este ataque e não o excesso de oferta, a verdadeira razão para os preços de petróleo mergulharem para US $ 20 por barril e, no caso de petróleo betuminoso, o petróleo canadense de grau mais baixo, estar a US $ 8 por barril. O que está acontecendo é que a China insiste em pagar por seu petróleo com yuan.

Além disso, agora que as sanções contra o Irã terminaram, o Irã, que tem alguns dos mais baixos custos de produção do mundo, irá inundar o mercado com um extra de milhões de barris de petróleo por dia. A China, está ajudando o Irã e a Rússia a lidarem com baixos preços do petróleo, enviando-lhes produtos chineses a preços módicos, em troca de seu petróleo. A Índia também está evitando o petrodólar, quando compra petróleo iraniano e russo.

De acordo com os Chapéus Brancos do Pentágono, esta campanha vai continuar até que a Arábia Saudita, Países do Conselho de Cooperação do Golfo e os grandes bancos khazarianos venham abaixo. A primeira peça do dominó, o megabanco khazariano que é esperado cair, é o Citibank, um banco de propriedade saudita, que está sentado em cerca de US $ 58 bilhões de perdas, ligadas aos baixos preços do petróleo. No entanto, isso é apenas a ponta do iceberg.

O setor de Dallas do Conselho da Reserva Federal, disse para as empresas deixarem de marcar o valor de suas carteiras de petróleo e energia no mercado. Isto significa que estão sendo orientados a mentir sobre o quanto elas valem. O Banco do Japão, tentou a mesma coisa com os preços dos imóveis, após estouro da bolha do Japão, todavia, aprendeu que fingir que realidade não existe, não fará com que desapareça.

Por outro, o Pentágono e os Chapéus Brancos das agências estão pensando seriamente em confiscar os fundos soberanos da Arábia Saudita e das nações CCG, como Qatar, dizem fontes do Pentágono. A rede de propriedade do Qatar, Al Jazeera, foi forçada a encerrar suas operações na América do Norte como parte desta campanha, dizem as fontes.

Esta semana, o presidente chinês, Xi Jinping, irá visitar a Arábia Saudita, Irã e Egito, com o apoio da Rússia, Paquistão, Pentágono e outros em busca de uma maneira de encontrar paz e estabilidade na região. A China e a aliança BRICS, estarão oferecendo massivo desenvolvimento de infraestrutura, em conjunto com o controle russo de preços do petróleo e a segurança do Oriente Médio. Isto é o que o Pentágono e fontes chinesas dizem. Eis o que a agência chinesa oficial de notícias Xinhua tem a dizer sobre essa visita:


Na frente militar, a Jordânia se juntou ao movimento russo no Médio Oriente, permitindo à Rússia, a criação de uma instalação de centro de comando em seu país. Além disso, as bases de ultramar turcas no Qatar e na Somália, estão agora sendo atacadas por uma força multinacional.

Também há uma grande quantidade de atividade na frente do ouro. Enquanto a Rússia assume os preços do petróleo, a China irá gerir o ouro, concordam múltiplas fontes. Os recentes ataques contra hotéis ocupados por estrangeiros em Mali e, agora na semana passada, em Burkina Fasso, foram destinados à tomada de controle das minas de ouro lá existentes.

Também há um grande conflito em gestação na Indonésia, enquanto o novo governo desse pais não se movimenta para assumir a mina de Freeport McMoRan, em Papua, controlada pela cabala. A Indonésia quer controlar a mina de ouro para fornecer China como garantia para US $ 35 bilhões em desenvolvimento de infraestrutura, segundo dizem fontes indonésias. No entanto, os proprietários das minas, ao mesmo tempo estão dizendo que a mina só vale US $ 16 bilhões e planejam investir ainda mais US $ 18 bilhões em desenvolvimento. Veja isso por si mesmo, no artigo da Reuters no link a seguir;


O recente bombardeio na Indonésia esteve vinculado ao esforço da companhia sem manter sua mina fora do controle indonésio. Na realidade, a mina possui 16.000 toneladas de ouro, dizem as fontes indonésias. Além disso, fontes do Pentágono, há muito tempo disseram, que o local também é uma base secreta de submarinos nazi/khazarianos, que estiveram envolvidos no ataque de 11/03 contra o Japão.

A Sociedade do Dragão Branco está oferecendo ajuda na proteção das forças militares chinesas, do Pentágono e das forças militares japonesas que ajudarem os indonésios na libertação da mina do controle da cabala. Fontes da CIA, por sua vez, dizem acreditar que a mina tem sido usada para lavar o ouro roubado das contas colaterais globais, que, se verdadeiro, também é um bom motivo para tirá-la do controle khazariano.

Além do ouro e petróleo, outro aspecto da guerra em curso contra a máfia khazariana é o ataque a seu dinheiro das drogas. Nessa frente, principal general dos EUA, Joseph Dunford, promoveu seu assistente, na semana passada, o almirante Kurt W. Tidd, como o chefe do comando Sul, para assumir a luta contra os cartéis de drogas vinculados a Bush, na América Latina. O Papa está ajudando nessa luta, assegurando-se de que o dinheiro da droga sul-americana não vá para a máfia khazariana.

A perda do dinheiro do petróleo, do ouro roubado e das drogas, significa que a máfia khazariana está ficando rapidamente sem munição.

A desvalorização do Yuan chinês e as instruções a seus bancos para ficarem longe dos dólares norte-americanos, estão ajudando na liquidação dos khazarianos, que estão sendo forçados a liquidar seus contratos de derivativos com enormes perdas.

O aparelhamento do mercado com supercomputadores bancários khazarianos, também não está mais funcionando. Um sinal disso, foi o que, recentemente, o banco Ais, quando aumentou a quantidade de uma fraude conhecida como quote stuffing/orçamento inflado, em cerca de cinco vezes, embora não tenha conseguido deter os mercados de ações em seu mergulho. O orçamento inflado, é como ter um monte de informantes apostando alto num leilão sem verdadeira intenção de compra, a fim de enganar um comprador de bens numa comprar a um preço elevado. Esta é apenas uma das muitas fraudes que os bancos khazarianos estão realizando com seus supercomputadores.


Agora, o AIIB (Banco Asiático de Investimento e Infraestrutura), dirigido pelos chineses, abriu oficialmente para negócios com a maioria dos países europeus a bordo. Os europeus têm correspondido, convidando a China para se juntar ao Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento. Isto significa que um boom massivo de infraestrutura ligando a Ásia, Europa, Oriente Médio e África está prestes a começar. Quando a filial americana da máfia hazariana, finalmente se render, é uma boa aposta que não irá demorar muito para que as pessoas e mercadorias possam embarcar num trem super-rápido, de Nova York a Londres via Alasca e China.

A alternativa chinesa e o sistema de pagamento CIPS do BRICS em substituição ao sistema de pagamentos internacionais SWIFT, controlado pelos khazarianos, também já está instalado e em funcionamento.

Os europeus, também demonstraram que já não estão seguindo ordens dos khazarianos dos EUA, na frente política. Victoria Nuland, chefe da política euroasiática do Departamento de Estado, controlado pelos khazarianos dos EUA, foi forçada a voar para a Rússia na semana passada, onde lhe foi dito, em termos inequívocos, que ela teria que se juntar aos franceses, russos e alemães, na intermediação dos acordos de Minsk.

Se isso falhar, o novo governo polonês de direita, chegou a um acordo secreto com a Rússia, para dividir a Ucrânia numa parte polonesa que voltará para a Polônia e, a antiga parte russa que voltará para a Rússia. Os khazarianos nazistas seriam deixados num pequeno estado pária no meio.


Num outro desenvolvimento significativo europeu, a Grécia, na semana passada, assinou um acordo militar com a nação amiga Cristã-Ortodoxa-Russa. A Áustria, por seu lado, voltou a impor controles fronteiriços, desafiando a União Europeia. Os ingleses, por sua vez, abandonaram a máfia khazariana dos EUA, ao concordarem em se juntar ao AIIB, estando agora pensando seriamente em sair do projeto falido khazariano da UE.

Foi nessa situação que Barack Obama, o porta-voz presidencial da Corporação UNITED STATES OF AMERICA, fez seu discurso de Estado da União, na semana passada. O discurso começou exatamente às 09:11. Durante o discurso, toda vez que Obama estava mentindo, por exemplo, quando ele estava falando sobre a Síria ou economia, seus olhos brilharam a um ritmo vertiginoso. Não é tão bom mentiroso, afinal. Outro ponto, para quem perdeu, foi quando Obama falou dos Estados Unidos como a nação mais poderosa do planeta, o chefe do Estado-Maior Conjunto recusou-se a ficar de pé.

Eles sabem quem destruiu a República dos Estados Unidos e estão prontos para se levantar e saudarem, quando os Estados Unidos tiverem um presidente real.


Autor: Benjamin Fulford 
Fonte primária: http://benjam20infulford.net
Fonte secundária: 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...