terça-feira, 12 de janeiro de 2016

P'taah - "O papel dos outros nos relacionamentos" - 21.12.2015


Questionador: P’taah, poderia me esclarecer o papel que a outra pessoa desempenha em um relacionamento? Se há várias possibilidades acontecendo ao mesmo tempo e há uma probabilidade de que já é perfeito em outro momento, podemos apenas nos concentrar no fato de que é perfeito, ou importa o que a outra pessoa pensa?

P’taah: De certa forma, não. É claro, há sempre outras possibilidades do que aquela em que você se encontra neste momento. Entretanto, seja em que for que você se encontre neste momento, é perfeito para este momento.

Isto não quer dizer que você não possa mudá-lo. Certamente, você pode. Quando você realmente chega a esta idéia de que tudo fora de si mesmo é uma criação subjetiva, então, você pode ver que quando encontra alguém, muitas vezes, este alguém inicialmente, parece tão maravilhoso, tão perfeito, sem defeitos, de certa forma, e você se apaixona.

E à medida que evolui o relacionamento ao longo do tempo, ele é semelhante ao das escamas que caem longe dos olhos e de repente, este modelo de virtude se torna bem repreensível e aquilo que são as trivialidades do dia-a-dia se tornam como montanhas, onde você não pode suportar este ou aquele hábito: “Como esta pessoa mudou tanto?”

Bem, é claro que ela não mudou. O que mudou foi a sua idéia de quem ela é e, talvez, veja esta sem a marca de sua idéia de “perfeita”. E assim você é deixado com a pessoa que sempre esteve lá, e cabe a você, ou olhar para esta nova idéia desta pessoa e dizer que isto funciona, ou isto não funciona para mim.

Questionador: Mas, de certa maneira, nunca há uma pessoa objetiva, porque tudo é uma realidade subjetiva.

P’taah: Isto é verdade, não nunca, e isto está somente de acordo com a forma com que você reage ao que percebe. Entende?

Questionador: Sim.

P’taah: E onde o relacionamento continua, e continua a ser satisfatório, onde há carinho e gentileza, com respeito, com honra – em outras palavras, mostrando-lhe esta maravilhosa parte de si mesmo, também – então, esta grande cena será, muitas vezes, mais do que esta pequena cena que se revelou ao conhecer alguém. Você compreende? Mas é sempre subjetivo.

Questionador: Será que eu posso mudar o relacionamento, concentrando-me no que realmente quero?

P’taah: Bem, pode mudar a dinâmica do relacionamento ao encarar a interação no relacionamento com novos olhos. Isto é, em vez de se concentrar naquilo que está faltando no parceiro, concentre-se naquilo que é maravilhoso no relacionamento, ou nas maravilhosas facetas do parceiro, entende?

Pois, enquanto você se concentrar no negativo, isto é tudo o que haverá no relacionamento. Quando você pode se concentrar naquilo que é o positivo, e estar no sentimento do positivo e ser reativo ao positivo, então, é claro, o relacionamento tem uma chance muito melhor de ser gratificante e feliz.

Questionador: Então, quando você está dizendo “estar no positivo, você não está falando necessariamente de como quer que a pessoa mude. É como a Canção da Manhã, olhar para o que é bom.

P’taah: Amado, você não pode esperar que alguém mude. Este não é o seu negócio. Quem eles são e como eles são, é negócio deles. Seu negócio é somente como você é com esta pessoa. Como você é, e não como ela é.

É da mesma forma que muitas pessoas que estão nesta jornada espiritual queriam destruir um excelente relacionamento de muitos anos, porque o parceiro não está na busca espiritual, e nós dizemos, não é o seu negócio. Seu negócio é ser quem você é, e ser, nós diríamos, pró-ativo no relacionamento, mas estar ciente em todos os momentos de que todos têm o direito soberano de ser quem eles são.

Questionador: No entanto, você pode sentir como se alguém estivesse limitando a sua capacidade de ser plenamente quem você é, ainda que seja você mesmo.

P’taah: Sim, você pode. Onde você não pode discutir isto e dizer: “Parece-me que as suas expectativas em relação a mim são muito limitadas e isto não me faz feliz.” E assim você pode falar sobre como isto é para você, como você pode fazer com qualquer outro aspecto de um relacionamento. Ser honesto e ter uma comunicação aberta, é o segredo aqui, sempre.

Questionador: Mas você acha que seria melhor, na verdade, permanecer nele e olhar o que está dentro de si mesmo, que está fazendo com que se sinta limitado, ao contrário de tentar mudar ou afastar a outra pessoa e encontrar alguém que seja mais expansivo?

P’taah: Amado, sempre, sempre, este é o mais valioso. E onde não for, então, na verdade, você vai de relacionamento a relacionamento.

Questionador: Sim.

P’taah: É claro, há algumas situações onde é mais benéfico partir. Onde você não pode chegar a uma resolução harmoniosa. Se todos vocês fossem mestres na vida, então, não importaria com quem você estivesse – você encontraria a alegria, a felicidade e a harmonia. Entende? Mas vocês não são mestres ainda.

As idéias que você tem limitam a sua capacidade de ser quem você é. É o medo que o impede de ter um relacionamento sexualmente satisfatório. É o medo que o impede de ter qualquer tipo de relacionamento satisfatório.

Questionador: Eu já ia dizer que me parece que isto é o que provavelmente interfere na maior parte das áreas de nossa vida.

P’taah: Absolutamente. Como dissemos, aquilo que é a sua faceta chamada “sexual”, não está separada de qualquer outra faceta ou expressão sua. E onde você tiver problemas em relação a quem você acredita que é, então, isto se apresentará em todas as atividades, em todas as expressões.


Canal: Jani King
Quem é P'taah? Veja Aqui
Fonte: www.ptaah.com - ptaah@ptaah.com
Tradução: Regina Drumond reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais mensagens de P'taah Aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...