domingo, 3 de abril de 2016

Jeshua - "O Grande Mistério"



Há um grande mistério no Universo, e esse mistério é que no Universo existe algo em vez de nada… No universo existe vida, luz e consciência; a vida dança e se movimenta. Como surgiu tudo isto?

É importante que primeiro você se maravilhe com o mistério da vida, luz e consciência. Estes elementos não podem viver de forma isolada; onde existe vida há luz e consciência também. A luz faz com que a vida se torne manifesta. Existe uma força motriz que faz com que a consciência se eleve até um ponto em que consiga refletir a si própria, tornando-se autoconsciente. Quando a consciência chega a esse ponto, a vida é capaz de tornar-se consciente e dar forma a si mesma. A vida pode, então, escolher e progredir, e ocorre algo como a formação de um Eu ou Self. Este é o nascimento da alma. 

Mas darei um passo para trás a fim de descrever os princípios da vida, luz e consciência. De onde elas vêm? Qual é a origem da vida? No interior do Cosmos existe um vácuo, um vazio que respira… uma plenitude no silêncio. Esta é a origem da vida e você pode se conectar com ela ao respirar silenciosamente. Ao respirar em silêncio e tranquilidade, levando sua atenção à inspiração e expiração, você se conecta com a fonte primordial do Ser.

Este princípio silencioso, a base de toda a vida, continua presente em você. Ele vive e respira no seu interior, independentemente do que você esteja ou não fazendo. A origem, o princípio – o vazio que está lá, do qual tudo surgiu – ainda existe em você. Compreender isto o liberta, assim como libera os limites do ser que você é, revelando a natureza relativa, dual da sua individualidade.

Nesse vazio inicial, nesse espaço, ainda não existe individualidade, não existe uma alma única; há um puro Estado de Ser ou de Existir. Sinta o mistério desse Estado de Ser. Ele envolve tudo. Sem esta Base do Ser, você não existe; ela o permeia e nutre.

O que é isso? Nesse silêncio, vive o sopro de Deus. Deus é indeterminado, indefinido, e ilimitado. Ele não tem forma; é aquilo que não é individualizado. Deus está ciente de tudo, mas nesse campo de percepção ilimitada que é Deus, existem bolsões, ou cavidades, nas quais predomina a falta de consciência. Esta falta de consciência possibilita o crescimento e desenvolvimento da vida.

Deus, o Ser, criou lugares onde a vida é inconsciente, a partir dos quais um desejo de consciência pode se desenvolver e crescer em direção à luz. Vocês estão localizados num desses vazios no campo de consciência que é Deus. Deus teve que criar uma consciência menor para que a individualidade pudesse surgir.

A fim de criar a vida individual, Deus teve que fazer uma coisa paradoxal, porque, em essência, Deus é tudo. Tudo que existe está em Deus, tanto o que é possível quanto o que não é; então Deus teve que criar locais de menor conscientização, para possibilitar o nascimento da alma. A alma é uma consciência definida e limitada, que encontra seu caminho através do tempo e do espaço, buscando sempre essa união com Deus, da qual ela foi gerada. O nascimento da alma foi um salto na escuridão do esquecimento.

Ao criar a consciência no nível do indivíduo, algo novo, algo grandioso é gerado em Deus: uma consciência viva que cresce, que é dinâmica e evolutiva – e a vida é mudança, está num estado constante de vir a ser. Quando a consciência inclui tudo, inclusive todas as possibilidades, é impossível o crescimento dinâmico da inconsciência para a consciência. É somente através deste processo dinâmico que a luz pode ser criada na espiral de crescimento da alma – do seu nascimento, à sua juventude e maturidade. E é este crescimento no campo do tempo e espaço que se soma à consciência de Deus.

A alma vive num relacionamento amoroso com Deus. Deus é a Fonte da Alma, sua Base ou matriz, e a meta pela qual a alma se empenha. E Deus cria a alma para que Ele possa encontrar satisfação no anseio da alma de vir a ser, e na profundidade dos sentimentos que disto resultam. O mistério é que, desta forma, o próprio Deus se torna visível, tangível e experiencial, através da consciência individual que a alma traz dentro de si. Este é o propósito do nascimento da alma.

A alma é levada a perder seu caminho nos vazios da consciência, pelo menos em parte. Isto é necessário na jornada da alma porque é importante que ela atinja sua meta e, em total liberdade, retorne à consciência divina, à onisciência, ao conhecimento pleno. É por isto que o mal – aquilo que é considerado “ruim” – deve fazer parte da sua jornada.

Quando a alma tenta chegar ao Princípio, à essência do que ela é, a Deus nela mesma, é exatamente naquele vazio – a natureza ilimitada e todo-abrangente do Ser Divino – que ela vivencia sua libertação. É então que ela retorna ao Lar.

Luz e escuridão são elementos que pertencem à jornada da alma. O jogo de luz e sombra é criado porque Deus retira Sua consciência, ou a esconde, em certas partes do Cosmos, e lá oferece liberdade de ação à alma. A criação da alma é, na verdade, uma contração, uma diminuição da consciência. Mas este processo tem um propósito, porque é justamente nessa contração que existe um movimento, um processo de realização importante e valioso, e é este processo que cria luz.

A luz surge onde a consciência individualizada se abre para a Fonte Divina. À medida que a luz vai se tornando mais forte, que a consciência vai aumentando, e a conexão com o Um vai sendo mais percebida, a contração vai gradualmente se abrindo à plena consciência. Esta interação entre contração e omnisciência é a essência da Criação. Nesta dança entre os dois polos, Deus atinge Sua maior expressão.

Jeshua


Canal: Pamela Kribbe           
Fonte: http://www.jeshua.net/por/
Tradução: Vera Corrêa
Veja mais mensagens de Jeshua Aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...