terça-feira, 10 de maio de 2016

Jennifer Hoffman - "Aprendendo a dança retrógrada - Da valsa para o tango" - 19.04.2016



No relatório da Energia de Abril eu chamei a este de “Ação em Abril”, e ele tem sido um mês agitado até agora, pois até mesmo o Sol se envolveu, encharcando-nos com raios cósmicos a partir de uma mancha solar bem grande virada para a Terra, aumentando ainda mais o potencial de expansão e a energia para integração. Isto simplesmente significa que todo o potencial de ação deste mês foi aumentado e as oportunidades de crescimento foram aceleradas, incluindo aquelas que surgem dos retrógrados que começaram nesta semana. E não se esqueça da lua cheia no dia 22, que está também repleta de energia transformadora.

Como os retrógrados podem produzir ação quando eles parecem nos fazer recuar múltiplos passos em nosso caminho? Será que estes retrógrados não estarão focados nas palavras – rever (review), liberar (release), reconsiderar (reconsider), recalibrar (recalibrate), lembrar-se (remember), reiniciar (restart) e refazer (redo)?. Temos que focar a nossa energia e intenção de uma maneira diferente para usarmos esta energia como um novo catalisador para a mudança e a transformação. E podemos ver os retrógrados como parte de uma dança deliberada que, eventualmente, move-nos para frente, mas não em uma linha reta. Gostamos de pensar na vida como uma valsa graciosa quando ela é mais como um tango em movimento rápido. Este é o tema do boletim desta semana.

Embora o movimento retrógrado dos planetas seja parte do seu ritmo natural, isto pode criar uma série de estragos em nossas vidas, quando a nossa pressa normal e habitual através da vida, e com o foco no futuro, passamos por uma pausa, pois temos que parar e avaliarmos a nossa situação. Consideramos a vida como uma valsa graciosa e o universo como o parceiro hábil de dança que nos guia graciosamente ao redor da pista de dança. Em vez disto, a dança da vida é um tango em movimento rápido onde mergulhamos e balançamos, movendo-nos para frente, para os lados e para trás, em uma série de passos graciosos, ainda que complicados, que, eventualmente, levam-nos até o final da dança. E espero que não caiamos desgraciosamente no caminho. Para navegarmos nos retrógrados, especialmente aqueles que ocorrem com as nossas energias e frequências, nós precisamos aprender o tango e a conduzirmos a dança.

Os Planetas Retrógrados agem sobre nós de duas maneiras: eles nos obrigam a observarmos atentamente onde limitamos as nossas vidas e, então, agirmos, para que possamos criar algum espaço para um nível de potencial em expansão. Esta é a parte dos retrógrados: Rever, liberar, reconsiderar, repensar, etc.  É claro que isto acontece com um abrandamento ou mesmo com uma paralisação de toda a atividade por um período de tempo que achamos ser um sinal de que cometemos um erro, ou que estamos fazendo a coisa errada. Não é, embora seja uma confirmação de que o nosso caminho está fora do alinhamento com as nossas intenções. E se estivemos alegremente dançando, graças aos movimentos habilidosos de nosso parceiro universal, podemos nos encontrar sentados desgraciosamente na pista, querendo saber o que aconteceu.

Lembretes de nosso poder chegam de muitas maneiras, geralmente, quando as nossas costas estão contra a parede e temos que fazer escolhas e tomarmos decisões que estivemos ignorando ou adiando. O momento em que observamos as nossas vidas e percebemos que não gostamos do que vemos e queremos outra coisa, é o nosso momento mais poderoso, porque é quando nos esquecemos de nossas outras opções e temos a clareza de foco sobre o verdadeiro prêmio: o que queremos agora. O medo não é mais um luxo, a indecisão não é mais uma opção, e estamos prontos para agir. Este é o presente dos retrógrados.

Em vez de corrigirmos as coisas “antes de cairmos”, enquanto continuamos a avançar, às vezes, devemos fazer um completo esvaziamento e limpeza da casa energética, redefinindo e reiniciando o nosso campo energético, da mesma maneira que o reinício de um computador é necessário, ocasionalmente. Pense em como as várias instalações de software em seu computador precisam de um reinício, para que elas possam ser iniciadas e é isto que a energia dos retrógrados faz. Mas há mais nesta história.

Um retrógrado também proporciona uma oportunidade para ver onde estivemos faltando, comprometendo os nossos limites de energia, deixando que outros usem o nosso poder e permitindo que a nossa energia se disperse com distrações, compromissos e obrigações que, silenciosamente nos deprimem e reduzem a nossa energia. Sem o benefício dos retrógrados, nós continuaríamos neste caminho, até que nos tornemos frustrados com todos ao nosso redor, esquecendo que somos aqueles que têm que estabelecer os nossos limites e conduzir a dança. Isto não significa tornar-se uma diva ou um maníaco por controle. Trata-se de prestar atenção à intenção e ao alinhamento e aprender a dançar o tango.

Os Retrógrados abrem a nossa percepção para novos potenciais, principalmente porque eles nos forçam a parar o que estamos fazendo e permitir que outras opções se manifestem. Se estivermos dançando sem atenção a valsa fácil, aprender a dançar o tango é mais complicado, mas, em última análise, mais divertido, também. Temos que nos desafiar a nos tornarmos “mais” quem somos e podemos ser, explorarmos os nossos próprios limites e expandi-los em vidas que tenham mais espaço para mais alegria, satisfação, prosperidade, amor e paz. Isto não acontece quando estamos correndo pela estrada da vida; acontece quando temos que parar e trocar o pneu, ou percebermos que o nosso tanque de gasolina está vazio, ou que estamos apenas cansados e precisamos descansar. Recebam os retrógrados – e temos muitos deles agora – porque se você esteve pedindo por clareza, sinais e transformação, eles os trarão direto a sua porta. E se alguém lhe oferecer aulas de tango, diga sim.


Autor: Jennifer Hoffman 
Fonte: http://enlighteninglife.com/
Tradução: 
Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...