terça-feira, 12 de julho de 2016

Jennifer Hoffman - "Relatório da Energia para Julho / 2016" - 05.07.2016



É o Dia da Independência nos Estados Unidos, o dia em que comemoramos um evento que marcou uma mudança profunda na dinâmica do poder do mundo, no século 18, na liberdade individual e na autodeterminação. Embora o conceito de estar sujeito a caprichos não seja relevante hoje, naqueles dias a soberania tinha absoluto controle sobre cada aspecto da sociedade e respondia somente à Deus e à Igreja. Temos este poder sobre as nossas vidas hoje e, entretanto, não usamos para nossa vantagem plena. Julho irá mudar tudo isto, porque o seu tema se refere ao nosso mais poderoso recurso, nossa energia emocional, que é como manifestamos a nossa realidade.

Como você sabe, eu me mudei para a Carolina do Norte e estou ainda abrindo as caixas e me instalando. Sei que é preciso tempo para me instalar em uma casa nova e estou muito feliz aqui, assim o trabalho é feito com muito apreço pela minha mudança e entusiasmo por estar em meu novo espaço. Alguns de vocês comentaram, em uma recente foto que eu compartilhei, que eu parecia mais brilhante, mais feliz e jovem. Para mim, a energia de Kansas City era extremamente densa e muito difícil de navegar. A energia aqui é muito diferente e estou muito feliz por estar neste novo lugar em que me sinto em casa – é o final de uma jornada muito longa, solitária, frustrante, difícil e infeliz para mim. A mensagem desta semana é o Relatório da Energia de Julho – que será um mês pleno e emocionante.

Quando eu penso na energia de Julho, sou lembrada do que acontece quando um incorporador tenta construir uma área de estacionamento e descobre acidentalmente uma cidade antiga. Todo o trabalho na área do estacionamento é interrompido quando os arqueólogos chegam e removem cuidadosamente os artefatos de uma cultura há muito esquecida. O processo de escavação que encontraremos neste mês descobrirá muitas facetas diferentes de nossa história emocional, enquanto entramos em um mês cujo tema de limpeza emocional pode nos levar aos abismos que nunca experienciamos antes, para que possamos subir às alturas que nunca imaginamos que fosse possível. Será um mês muito agitado energeticamente, e veremos isto na quantidade de energia emocional que processamos. Está tudo bem, contudo, porque estamos agora no segundo semestre de 2016 e nos preparando para novos inícios em 2017. Não podemos entrar nas dimensões mais elevadas com a bagagem de nosso passado e a nossa maior bagagem está ancorada em nossas emoções. Permita que a limpeza se inicie!

No primeiro dia de Julho, a lua (o nosso barômetro emocional) estava vazia no curso, o que significa que ela não criou aspectos com quaisquer planetas. Este era o espaço do nada, é o espaço do potencial ilimitado, da pura energia criativa à espera de assumir forma. É um comentário significativo na energia total de Julho, como usamos o poder criativo de nossas emoções para processarmos a energia. Então, no dia 4, temos uma lua nova que inclui um grande trígono nos signos da água, indicando que este será um mês que se refere às emoções e à energia emocional. E este é definitivamente o caso, quando o foco será sobre a consciência emocional, limpeza e avanço para novos paradigmas, dimensões, frequências e vibrações.

Teremos muitas oportunidades neste mês para descobrirmos como usamos a emoção para criarmos a nossa realidade, começando por examinar o veículo através do qual expressamos geralmente as nossas emoções, as nossas feridas. Há três feridas principais que serão enfatizadas neste mês, nossa história cármica, “a ferida da mãe”, e a dor que experienciamos em nossa vida atual, que é geralmente uma manifestação das outras duas feridas. A energia de Julho é um convite para irmos além da cura e para a totalidade e a congruência, onde usamos a nossa história emocional para alcançarmos a conclusão, para que possamos agir em direções novas, mais gratificantes, positivas e expandidas.

Nossas feridas nos mantêm em ciclos de cura, enquanto buscamos respostas a nossa questão mais desesperada – por que alguém seria tão ruim, cruel, crítico ou desatencioso? Não há resposta a esta questão, a menos que compreendamos os ciclos de cura e o dar e o receber de nossa história cármica. O encerramento é o nosso maior presente, mas é um presente que damos a nós mesmos quando acreditamos que merecemos ter alegria, amor, paz e abundância, e criamos estas coisas a partir das cinzas de nossas feridas, uma vez que não usamos mais a sua energia para criarmos a nossa realidade. Este é o presente de Julho, se formos capazes de limpar o nosso passado e criarmos um futuro brilhante e sem feridas.

Numerologicamente, Julho é um mês de duplo 7 – é o 7º mês do ano e 7 + 2016 = 7. Além de ser um número místico, 7 é a ponte entre o mundo material do 6 e do infinito, representado pelo 8. Quando estamos na vibração 7, estamos entre mundos, capazes de acessar tanto os reinos material, quanto o espiritual. Mas, embora tenhamos a consciência de ambos, aquele em que realmente ficamos, depende de nossas emoções, porque elas são o portal através do qual recebemos e processamos a energia universal. No baralho do Tarot, 7 é o Carro, que é bastante descritivo da energia deste mês, quando ele nos convida a nos interiorizarmos e a vermos se somos o condutor do carro, avançando com foco intencional, ou o carro, sendo impulsionado por forças emocionais das quais não estamos no controle.

A Lua Nova de 4 de Julho, inclui um trígono (um aspecto útil), entre o Sol, a Lua, Vênus, Mercúrio, Marte e Chiron, o Curador Ferido. Todos os planetas pessoais, aqueles que governam a nossa “personalidade”, estão envolvidos, cada um deles representando uma área onde estamos incompletos, por causa de algum tipo de ferida que nos impede de nos sentirmos completos, seguros, livres do medo e confiantes. É onde nos sentimos indignos de amor e de aceitação, e onde buscamos a plenitude através dos outros. Mas a ênfase em Chiron exige a auto-cura e a interiorização para encontrá-la. Em Julho, temos que decidir se iremos faremos outra curva no carrossel da cura, ou pularemos fora.

Esta assinatura energética abre um novo portal para nós em julho, o que pode também trazer muitas feridas antigas, o retorno a vidas de carma e de ciclos da alma. Desta vez, contudo, eles estão chegando de uma forma que está alinhada com a base do encerramento e da conclusão que estivemos criando desde Janeiro e retornarmos ao ciclo de Saturno de 1985, que estamos encerrando agora, com o fim deste ciclo retrógrado de Marte. A qualquer momento que temos um aspecto forte com Chiron, muitas feridas antigas podem se manifestar. E associadas com o forte Marte, em Escorpião retrógrado, em vigor desde 19 de Abril, estas feridas podem ser lembretes dolorosos de situações que nunca fomos capazes de resolver. O encerramento é a nossa solução, mas isto é algo que temos que dar a nós mesmos – temos que chegar ao espaço da serenidade e da paz, temos que concluir e não esperarmos que outros nos dêem o que precisamos, para nos sentirmos melhor em relação a nossa dor.

Esta lua nova também se conecta com a energia do ciclo da quadratura de Urano/Plutão, que começou em 2012 e terminou em 2015, trazendo a revolução e a transformação que este ciclo iniciou. Mas isto não se trata de criar a mudança, porque estamos cansados da tendência atual, com Plutão que envolve escavar a nossa dor em seu núcleo, e remover toda a energia que a apóia. Isto irá revelar as nossas emoções mais dolorosas, mas isto é só porque precisamos de um novo começo agora, uma lousa emocional limpa, para que possamos começar a dirigir o carro, em vez de sermos conduzidos por aí por forças que não podemos identificar.

E temos que considerar a quadratura Saturno/Netuno, agora exata, o que nos pede para olharmos para a realidade que estamos criando para nós mesmos. Todo o mundo é uma ilusão, mas isto é tanto uma manifestação intencional de nosso poder criativo ou criações ilusórias usando o engano e a auto-manipulação. Netuno mantém o poder de nossos sonhos, enquanto Saturno exige a disciplina, o foco e o alinhamento para ancorarmos estes sonhos em nossa realidade. Este é um período em que também muita espiritualidade irá nos fazer perder tempo, enquanto muito materialismo irá criar a frustração e o medo. Precisamos encontrar o ponto de equilíbrio para nós mesmos, para que possamos usar o nosso poder criativo como canais e portais da energia universal, para criarmos os sonhos e termos certeza de que eles estão ancorados, são reais e relevantes.

Marte, finalmente, segue direto, depois de meses de retrógrado e em Escorpião, o tradicional signo da regência de Marte, é especialmente forte. O planeta da ação esteve dando um mergulho no abismo da cura e isto não foi divertido. Saturno esteve aqui durante os últimos meses de 2015 em seu longo retrógrado em Escorpião. Ele esteve também aqui em 1985, quando estacionou no mesmo ponto. Há algo a partir de 1985 que está chegando agora para a última revisão para você? Os eventos de 2015 estão surgindo agora também, lembrando-o de coisas que não estão bem completas e onde você precisa escolher o seu caminho? Você está preparado para transformar o seu pensamento de 1985 em ação, em 2016? Julho é o mês para isto.

Eu tenho que mencionar também a conjunção Urano/Eris, que está ainda muito ativa, e o seu efeito no mundo em geral. A Grã Bretanha decidiu deixar os Estados Unidos em Junho, enquanto este aspecto estava exato, e outros podem se seguir nos próximos meses. Embora alguns possam argumentar que isto é uma mudança ruim, é um sinal do colapso dos paradigmas da 3D, do domínio e do controle. A adesão à União Européia exige o sacrifício da soberania nacional, um exemplo excelente das estruturas de poder da 3D, que exigem a adesão ao status quo, enquanto renuncia ao poder individual e ao controle. Estas estruturas de poder não têm espaço para a autoconsciência, a autodeterminação ou a própria soberania.

Podemos ser soberanos e conectados e vivermos em um mundo que não seja gerido pela ganância corporativa, pela ambição política e interesses próprios. Este é o mundo da 5D que estamos criando agora e o nosso primeiro passo não é exigirmos a mudança no mundo: é começarmos a viver as nossas vidas a partir do ponto da soberania energética e emocional. Não podemos exigir um nível de transformação no mundo que não podemos criar em nossas próprias vidas.

A diversão continua durante todo o mês, com uma lua cheia no dia 19, aos 27 graus de Capricórnio, o que impulsiona a conjunção Urano/Eris novamente. Esta energia permanecerá em vigor até 2020 e estará muito ativa durante todo este ano. Isto trará lembretes desconfortáveis da mudança que desejamos ver em nós mesmos, não para nos irritarmos e nos frustrarmos, mas para nos mostrar onde estivemos indo com o fluxo desconfortável, e encontrarmos a força interior e o desejo de permitirmos a transformação. Fazemos a mudança quando a dor de ficarmos onde estamos se torna maior do que o nosso medo da mudança. Às vezes, estamos dispostos a suportar muita dor para evitarmos a mudança. Julho irá nos trazer ao ponto do “basta”, onde decidimos que não queremos mais estar na dor e que estamos preparados para irmos além de nossos medos para permitirmos que a mudança ocorra.

Temos muita atividade no signo de Câncer neste mês, que é o regente da Lua e, também, a energia da “mãe”. Isto traz a “ferida da mãe”, aquele espaço onde não fomos suficientemente cuidados, ou ao nível que pensamos que deveríamos ter sido. Esta é uma de nossas feridas principais e é, com frequência, a fonte de nossas dúvidas, insegurança, medo, solidão e falta de amor próprio. A conexão entre a nossa história cármica e a ferida de nossa mãe é forte e é uma de nossas âncoras energéticas que devemos levantar, se formos explorar os vastos mares de nosso potencial.

Haverá muitas oportunidades para uma maior autoconsciência neste mês, e, às vezes, esta jornada pode ser assustadora e muito dolorosa. Mas é ao escavarmos o nosso passado e vermos o que não está alinhado com a nossa intenção para o presente e o futuro que nos permitirá ver onde os novos inícios são possíveis. Algumas memórias, crenças e situações muito desafiadoras podem surgir neste mês e temos que navegá-las com cuidado, para que não fiquemos presos na emoção e nos esqueçamos que o seu propósito é o encerramento emocional e não um lembrete de algo que preferíamos esquecer. Como desejamos “sentir” as nossas novas realidades irá nos guiar para a energia emocional que precisamos criar agora. E como canais e portais para a energia, nós somos recipientes para a energia. Quando estamos seguros sobre o tipo de energia para a qual queremos ser um recipiente, temos mais controle sobre a energia que recebemos, e, portanto, a realidade que criamos.

Estamos no segundo semestre de 2016 agora e todo o nosso foco para o resto do ano será na criação da base energética para novos inícios em 2017. O núcleo desta base são as nossas emoções, assim, permita que a limpeza se inicie e chegaremos ao final do mês com frequências e vibrações energéticas mais elevadas, para que possamos nos tornar recipientes e portais de energia para as frequências mais elevadas possíveis.
Tenha um mês maravilhoso.


Autor: Jennifer Hoffman 
Fonte: http://enlighteninglife.com/
Facebook: Jennifer Hoffman
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...