quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Natalia Alba - "As Energias de Dezembro de 2016" - 28.11.2016



Estamos prestes a encerrar uma etapa muito intensa da nossa jornada evolutiva, à medida que nos aproximamos de dezembro, e enquanto atravessamos o limiar que nos conduzirá a um novo ciclo. Durante este ano, fomos impelidos a desfazer o que não estava mais alinhado com quem nos tornamos e permitir que novos meios nos mostrassem o nosso caminho verdadeiro. Dezembro é um mês para prosperar, para nos acalmar e honrar nossa verdadeira essência, como Seres Divinos compassivos. Uma época para nos interiorizarmos, antes de sermos plenamente imersos no processo consciente de criar nosso novo caminho.

Dezembro, o mês em que comemoramos o Cristo dentro de todos nós, é um mês para celebrar o nosso caminho de integração da alma e a alegria de tudo o que alcançamos até este momento, visto que 2016 foi um ano muito intenso, em que fizemos muito trabalho interno para resgatar a clareza adequada de que necessitamos para perceber o que era real e o que se originava de uma perspectiva humana ilusória.

Estamos em um momento muito importante de nosso caminho ascensional, uma vez que durante esse Novo Ano, de 2017, vamos continuar nos desvencilhando cada vez mais dos remanescentes do velho, porque estamos bifurcando a partir de uma matriz 3D e fazendo o nosso trabalho interno, e ao criar conscientemente a nossa Nova realidade, desde um lugar mais elevado de sabedoria, é crucial neste momento ajudar o Todo. E dezembro nos oferece as energias calmas de que precisamos para nos interiorizar e visualizar nosso novo caminho à frente.

Terminamos novembro e começamos dezembro com a maravilhosa Lua Nova em Sagitário, que também traz luz, clareza, para cada aspecto de nossa experiência. A sabedoria divina não filtrada por qualquer ilusão mundana, nos ajudando a ver, com clareza, o que o nosso eu humano não é capaz de ver, devido a sua perspectiva limitada e aos julgamentos.

Novembro convidou-nos a integrar e cocriar a partir de um lugar de autenticidade e unidade; dezembro, com o seu número de frequência 3 – 12 reduzido – começa a nos mostrar a prova de nossas criações internas. O número 3 é a síntese de 2, dando origem a algo novo, que vai ajudar o Todo a partir de um lugar de amor incondicional. A mensagem do número 3 é a mesma para os nossos relacionamentos – encontrar primeiramente a unificação com todos os nossos aspectos, antes que possamos estar prontos para acessar um relacionamento iluminado e cocriativo. Lembrem-se de que neste Novo Ciclo não fazemos nada para os outros, nem eles fazem nada para nós, pelo contrário, tanto damos como recebemos igualmente, porque não promovemos mais a velha sensação de separação ou da necessidade de que nos utilizávamos para nos manter, quando navegávamos através das dimensões inferiores.

O arquétipo que representa a frequência do número 3 no tarô é a Imperatriz, que resume muito bem a mensagem desse amoroso mês. A Imperatriz está repleta de criatividade, intuição e poder, que vêm apenas do amor próprio e da compaixão que ela sente por si mesma e pelo Todo. Ela representa o princípio feminino, a deusa capacitada que está conectada às estrelas – como a sua coroa representa – mas, ao mesmo tempo, ela manifesta esse influxo abundante do divino em seu domínio físico, nutrindo tudo em que toca por meio do poder do amor.

Em um nível cósmico, começamos dezembro com o dom da cura, à medida que temos Quíron, o curador cósmico, como o chamamos, em movimento direto novamente, em Peixes, desde o dia primeiro de dezembro. Visto que temos também Netuno em movimento direto, outra vez, nesse mesmo signo de água, temos uma oportunidade, e até mais, quando Mercúrio se tornar retrógrado mais tarde, para curar aqueles sentimentos e antigas crenças que o nosso eu humano ainda continua reapresentando para que continuemos a repetir os mesmos velhos padrões e projetando perdão e compaixão, em vez de não assumir a responsabilidade por nossa jornada e culpar os outros, ou as circunstâncias externas, como sendo o motivo de sentirmos dor. A dor deve ser acolhida, é o nosso melhor professor, aquilo que nos transforma, visto que é um indicador de que estamos fazendo algo que não está alinhado com o verdadeiro propósito e vontade da nossa alma, e por isso, deve ser desfeito.

No dia 2 de dezembro, Mercúrio, o mensageiro alado, vai entrar no signo de Capricórnio. Mercúrio rege o elemento ar, nosso plano mental. Por outro lado, Capricórnio rege o elemento terra, nosso mundo tangível. A mensagem é para que nos comuniquemos de modo preciso e utilizemos as nossas palavras de maneira sábia. Vocês estão falando consigo mesmos com autoamor e respeito? Ou estão se sabotando por utilizar conversa negativa em relação a si mesmos? O eu humano sempre vai tentar silenciar a nossa divindade por nos fazer sentir inferiores, culpados, ou por outros antigos programas. É aí quando observamos e simplesmente nos reprogramamos com palavras amorosas. Mercúrio em Capricórnio diz respeito também a colocar todo o conhecimento que adquirimos em nosso mundo físico. O cosmos está nos fazendo recordar da importância que o nosso plano tangível também tem, e durante este mês, vai ser essencial fazer descer não apenas os desejos da nossa alma para o físico, mas também a nossa essência, como seres compassivos, acolhendo o amor.

Vênus, o nosso aspecto macro, que representa a nossa parte que é amorosa e abundante, vai entrar em Aquário, em 7 de dezembro. Quando Vênus está em Aquário, o amor vive sempre em liberdade, uma vez que somente quando o deixamos livre, sem apegos e expectativas, é que conhecemos o verdadeiro amor incondicional. Essa é uma oportunidade para nos observarmos em nossos relacionamentos, estabelecemos fortes limites? Ou nos permitimos dar e amar plenamente os demais, sem temores de abandono, apenas com a alegria de compartilhar esse momento com os preciosos companheiros de alma?

Como sempre, é apenas quando não estamos vivendo no momento, que criamos expectativas, limitações para o amor e produzimos temores. Com o nosso sentido de abundância, ocorre a mesma coisa, quando não nos amamos, quando não pensamos que somos dignos e honramos o que temos para compartilhar, então, a frequência interna da falta se exterioriza em nossa realidade física sob a forma de mais carência. Para recebermos o amor, a abundância, que são outras formas de amor, e de respeito, que realmente merecemos e desejamos, temos que nos dar isso em primeiro lugar.

Em 13 de dezembro, temos uma Luz Cheia no grau 22 de Gêmeos. Os gêmeos representam o yin e o yang, acolhem-se mutuamente em uma dança equilibrada e rítmica de amor e unicidade. Gêmeos, sendo um signo de ar e mutável, é mental, intelectual e prático, mas, ao mesmo tempo, gosta de brincar e se socializar, de modo que é essencial aproveitar essa Lua Cheia alegre e tranquilizadora e acolher a vitalidade geminiana neste mês, em que comemoramos não apenas nossa essência crística, como também o amor que sentimos por tudo o que nos cerca. Esse é o momento para estarmos alegres e vermos os outros como iguais, visto que, em realidade, sempre estamos nos acolhendo mutuamente em uma dança eterna de unicidade.


O guerreiro Marte, entrará em Peixes em 19 de dezembro. Marte representa a nossa força interna, poder e energia. Quando essa poderosa força se encontra com a essência amorosa de Peixes, somos convidados a sermos criativos e direcionar a nossa sensibilidade e dons anímicos para o que nos motiva, trazer nossas visões para o tangível e honrar o criador interno que todos nós temos. Quando direcionamos nossa preciosa energia para criar algo que estará a serviço do Todo, o Universo inteiro comemora, porque nunca estamos isolados e o que criamos, para nós, fazemos para Todos.

Mercúrio, o mensageiro alado, ficará retrógrado em 19 de dezembro. Como sempre digo, o medo humano programado acerca de um planeta estar retrógrado ainda está presente em muitas pessoas. Quando incorporamos um nível de consciência mais elevado, quando nos informamos apropriadamente – visto que lá fora existe muita propaganda falsa – compreendemos que neste sábio e amoroso Universo nunca existe nada retrógrado, isso é apenas uma ilusão a partir da Terra, não há nada em câmara lenta à luz do Universo, há apenas momentos para ser vividos internamente e momentos para se emergir novamente sob uma nova forma, com uma nova direção a seguir.

Quando temos o mensageiro alado retrógrado, somos simplesmente convidados a nos interiorizarmos e obter mais clareza, de modo que possamos nos conscientizar plenamente do que estamos dando forma, a partir do interior. Comungamos com o nosso aspecto superior, percebendo que estamos contraídos em vez de permitirmos a expansão, antes de estarmos prontos para nos elevar novamente – renovados – mantendo uma perspectiva mais ampla de nossa experiência.

Alguns dias após, em 21 de dezembro, o Sol entrará no signo de Capricórnio, comemorando o solstício do inverno/verão, a depender do lugar em que vocês vivem. O Sol representa o nosso Eu Superior, nossa essência, portanto, quando o Sol faz brilhar a sua luz em um signo do zodíaco, e por conseguinte em um aspecto nosso específico, significa que somos convidados a desenvolver e a trabalhar nesse nosso lado concreto. Se fomos convidados, com o Sol em Sagitário, a comemorar o lugar em que estamos e a saborear cada momento em puro regozijo, visto que também continuamos navegando através dos mundos interiores para encontrar a verdade, agora, com o Sol em Capricórnio, somos convocados a nutrir o nosso aspecto que traz as coisas à manifestação, tornando-as tangíveis, e prestando atenção não apenas à parte nossa que é Una com o Todo, mas também ao nosso aspecto que precisa ser nutrido no plano material, visto que ele sustenta os nossos veículos físicos e nossas vidas.

No fim do mês, em 29 de dezembro, temos dois importantes eventos cósmicos. Urano em movimento direto e uma terrena Lua Nova no grau 7 de Capricórnio. A essência de Capricórnio nos faz recordar de fazermos as coisas tangíveis em vez de apelas confiar nos sonhos e deixar que as nossa visões desapareçam no ar. Tudo é primeiramente criado em nossos domínios interiores, e isso é o que esse período retrógrado está também nos lembrando no momento, da importância de recriar conscientemente o nosso caminho, a partir de dentro, sem permanecer à deriva, se desejamos ter um equilíbrio entre nossa realidade interna e externa.

Capricórnio nos dá esse equilíbrio de modo a não cairmos na armadilha das ilusões, procrastinando o nascimento de nossas novas criações, enquanto vivemos muito no mundo etéreo. É essencial agirmos como os magos alquímicos que somos, na verdade, e trazermos nossas visões anímicas para o nosso mundo físico, também, visto que isso é principalmente o que decidimos fazer aqui: dominar a arte de trazer à manifestação o que primeiramente demos origem em nosso plano mental/anímico.

Urano, o planeta da transformação, em movimento direto, será uma energia que não pode parar, que, se utilizada de modo sábio, pode nos conduzir a verdadeiras mudanças e transformações. Quando Urano estava retrógrado, a mudança aconteceu internamente, revisando o que deveria ser transformado e liberado. Não se trata de tentar mudar as condições ou as circunstâncias exteriores, mas se trata de fazer com que os nossos eus comecem com o que vai mudar a nossa realidade física. Urano nos ajuda a fluir com a mudança e os ciclos naturais da Criação, independentemente do modo como o nosso eu humano os percebe, uma vez que para o nosso ser humano é desconfortável, já que que isso implica em uma desvinculação do conhecido.

Urano pode ser uma força abrupta e desafiadora, que literalmente nos faz estremecer até a nossa essência, para nos ajudar a lembrar-nos de que nosso sentido de linearidade e de fixação está tão-somente em nossa mente humana – despertando-nos para a verdade que é a nossa realidade, quer gostemos, quer não, está constantemente se transformando e desse modo nós também, e apenas quando nos adaptamos à mudança, compreendendo que, com ela vem o progresso e o fluxo, em vez de resistir, o que é natural, que possamos realmente transformar o externo e navegar através da linha do tempo que escolhemos, não a partir de um lugar do ego, mas de um puro lugar da alma de sabedoria e clareza.

Nosso reino físico vai sempre estar se transformando, temos um longo caminho ainda a percorrer, mas estamos sempre dando outro passo em direção à unificação e à verdadeira compaixão. Dezembro traz a lembrança de que acima da nossa necessidade humana de representar diferentes papéis e de nosso profundo senso de individualidade, somos Todos Um, na verdade, lembrando-nos por qualquer meio que escolhemos da nossa divindade e do Todo. Nem todo mundo mantém essa mesma a mesma frequência amorosa, uma vez que ainda há muita polarização no coletivo. É por isso que apenas podemos ajudar ao permanecermos centrados em nossos corações de modo que possamos disseminar o nosso amor a toda a humanidade.

Cada ato, cada simples palavra de amor conta e, como Sementes da Nova Terra, estamos aqui para prosseguir em nossa jornada exclusiva nas esferas elevadas do amor, em que desde longo tempo decidimos nos debruçar. Como Almas Ascendentes, que estão plenamente despertas e conscientes de como os velhos jogos funcionam, não nos envolvemos no que os outros podem dizer ou não, não reagimos, observamos, porque não precisamos criar mais esses dramas em nossa realidade. Não precisamos disso, realmente integramos o que essas experiências de limitação estavam tentando nos ensinar. O que os outros fazem em sua realidade, o que enfrentam por meio de sua percepção ilimitada/limitada, não é para julgarmos, nem para desrespeitarmos a sua criação de como eles veem o mundo. Nossa missão e principal objetivo é simplesmente SER, compartilhar e fazer o que as nossas almas estão nos orientando a fazer, independentemente do que os outros optem por dizer ou fazer.

Escolham irradiar o seu amor não apenas neste amoroso mês, mas em cada momento, escolham ser livres e deixem brilhar a sua preciosa Centelha Divina onde quer que a sua Alma os orientar a fazê-lo. Para nos comportarmos de uma maneira amorosa ou não dependermos de estímulos que recebemos do físico, sempre escolhemos nos comportar de um modo compassivo, porque nos lembramos de que nós Todos somos Um, mesmo se a nossa crença humana de separação interferir em nosso senso de unidade. Viajamos em um caminho exclusivo, sabendo que a nossa frequência amorosa vai ressoar em todos os cantos do Universo.

Desejo a todos vocês um dezembro abençoado, com alegria, amor e no caloroso abraço dos seus entes queridos. Agradeço-lhes por serem Vocês e estar contribuindo da sua maneira única para esta transição intensa, porém maravilhosa, em que estamos imersos conscientemente. Eu os honro e ao seu papel exclusivo na Criação e desejo-lhes muitos milagres em tudo o que vocês decidirem criar para si mesmos e para todos neste Novo Ciclo!

Natalia Alba.


Autor: Natalia Alba  
Fonte: http://www.starseedsoul.com/
Facebook: Aqui
Tradução: Ivete Brito – adavai@me.com –
Veja mais Natalia Alba Aqui
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...