segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Jeshua - "A Herança da Atlântida"


Simulação de imagem a partir do original "Santo Sudário." 
É assim que eu, Gabriel RL, o vejo.

Queridos amigos,

EU SOU Jeshua. Estou aqui à sua frente enviando-lhes a minha energia e o meu amor.

Eu gostaria de ser um apoio para vocês, nestes tempos desafiadores.

Esta época de transição na Terra traz muitas coisas antigas à superfície. Antigas energias emergem de tempos que há muito já se foram, tempos em que vocês estavam encarnados e tiveram vidas nas quais experienciaram muitas coisas. Todas essas antigas camadas estão vindo agora à superfície.

Hoje eu gostaria de falar sobre esses tempos antigos, para levá-los a uma compreensão mais profunda de si mesmos, de quem vocês são aqui e agora. Vocês são seres muito antigos, que carregam consigo muita experiência. Vocês fizeram muitas viagens através do tempo e do espaço, e não apenas no planeta Terra.

Por favor, permitam que eu os leve de volta ao começo. Nunca houve um começo, mas para facilitar esta história, vou falar de um começo no tempo, pois houve um ponto inicial no longo ciclo de encarnações, no qual vocês agora estão presos.

Estou levando-os para a época do seu nascimento como almas individuais, cada um como um “Eu” separado. A individualidade, que hoje é tão familiar para vocês, era um fenômeno totalmente novo no universo. Ser separado e individual lhes permite reunir uma infinidade de experiências… e ilusões também. Mas isto não torna essa experiência menos valiosa. É justamente sendo um “Eu”, sendo separado do todo, e experienciando as ilusões que fazem parte disso, que vocês podem descobrir o que não é. Vocês podem descobrir uma ilusão e vivenciá-la de dentro para fora. Antes, isto não era possível. Antes, havia o Um e nada fora dele, como um oceano indiferenciado de amor e unidade. Então, como seria possível experienciar o medo e a ignorância ali dentro?

Ao serem vulneráveis e propensos à ilusão, vocês reuniram uma enorme quantidade de experiência, que os capacitou a entender realmente o que a unidade significa, o que o amor significa, no nível da experiência. Vocês vão entender o que é o amor, não como um conceito abstrato, mas como uma força viva, criativa, que os movimenta e preenche os seus corações e  espíritos com uma profunda sensação de alegria e satisfação. O final e a meta da sua jornada, a chegada ao Lar, pela qual vocês tanto anseiam é que cada um seja “Deus-como-você-é”, para experienciar a unidade como um “Eu”. Vocês não querem desistir da sua individualidade, pois é através da conexão do seu “Eu” com o todo, que cada um de vocês experiencia a alegria mais profunda e acrescenta o seu selo energético único a toda a criação. “Deus-como-você-é” acrescenta algo de novo e precioso à criação.

Peço-lhes que voltem para o tempo em que esse “ser um Eu” tomou forma pela primeira vez. Naquele momento, vocês eram ou foram criados como anjos. Podem vocês sentir a ternura e inocência daquela energia original, daquele começo distante em que vocês foram “moldados” pela primeira vez, daquele momento em que vocês conheceram a “forma”? De repente vocês se transformaram em um “você”, distinto e separado dos outros que estavam à sua volta, e vocês experienciaram o milagre de ser um indivíduo. Vocês ainda estavam tão próximos da fonte de luz divina, que foram preenchidos com amor, transbordando alegria e criatividade. Havia um desejo incrível em vocês de experimentar, de saber, de sentir e de criar. Por favor, voltem-se para dentro de si mesmos por um instante, e vejam se podem sentir a verdade disto: que cada um de vocês é um anjo, no mais profundo do seu ser...

Agora vou dar um salto grande no tempo, pois só posso descrever-lhes esta história extensa em linhas gerais. Levo-os ao começo do planeta Terra. Vocês estavam presentes ali, vocês são mais antigos do que a existência da Terra como um planeta físico. O seu nascimento como consciência individual imaculada aconteceu muito antes da origem da Terra.

Agora imaginem que vocês estavam contribuindo para o desenvolvimento da vida na Terra. Lentamente, a vida evoluía na Terra, através da presença de elementos materiais que ofereciam uma ampla variedade de possibilidades para a consciência encarnar em formas ou corpos materiais: minerais, plantas e, mais tarde, animais. E vocês estavam profundamente envolvidos nesse processo de criação. Como?

Vocês eram os anjos e devas que sustentavam e alimentavam o reino vegetal, que conheciam intimamente a “rede da vida” na Terra e gostavam muito dela. Vocês inclusive sustentaram as formas animais com amor, cuidados e nutrição etérica.

As lembranças que vocês carregam dentro de si do “paraíso” ou Jardim do Éden, de uma natureza perfeitamente equilibrada na qual vocês participaram cuidando e mantendo a vida, vêm de uma era muito antiga. Vocês ainda não estavam encarnados então, mas estavam pairando entre os reinos etérico e físico. Vocês estavam prestes a nascer na matéria.

Lembrem-se da inocência daquela época, lembrem-se como era ser uma consciência-anjo-deva e como vocês amavam profundamente a Terra e todas as manifestações de vida que existiam aqui. Sintam o aspecto infantil da sua consciência naqueles tempos. Vocês eram como crianças brincando no paraíso, sempre prontos para a aventura, divertindo-se por ali, rindo, vivenciando a alegria e expressando-se livremente num ambiente seguro. Apesar do seu espírito brincalhão, vocês tinham uma grande admiração pelas leis que regiam a vida e jamais pensariam em tratar as formas de vida com nada menos do que um profundo carinho e respeito.

Então, num certo sentido, vocês foram os pais da vida na Terra. Isto explica porque vocês podem ficar totalmente chocados com os distúrbios causados à natureza pelas tecnologias modernas, e com o abuso em geral das forças da natureza. Por que isso os atinge? Porque vocês cuidaram com carinho e alimentaram estas energias desde o começo. Na sua essência, vocês estão conectados com elas, com a Terra e suas diversas formas de vida, como um pai ou uma mãe está conectado com seu filho, e como o criador com a sua criação. E naqueles tempos, quando vocês eram anjos nutrindo a vida na Terra, vocês não sabiam porque estavam fazendo isso. Vocês agiam como crianças que se sentiam atraídas pelo chamado de mais uma aventura, pela emoção da novidade, e vocês se deixavam simplesmente guiar por aquilo que os fizesse sentir alegria e empolgação. Vocês colocavam sua energia onde quer que ela se sentisse bem vinda.

Assim, vocês ajudaram a criar o paraíso na Terra: o esplendor da vida, a abundância dos reinos animal e vegetal, a diversidade das formas de vida e o desenvolvimento irrestrito de tudo isso.

Por favor, mantenham esta imagem por um momento… lembrem-se quem vocês são.

Mesmo que lhes pareça grandioso demais, quando eu lhes digo isto, simplesmente permitam-se fantasiar que vocês foram parte disso, que vocês estavam presentes como anjos no Jardim da Vida, brincalhões, inocentes, nutrindo e cuidando com carinho da vida.

FORA DO PARAÍSO – A PRIMEIRA QUEDA PARA DENTRO DA EXPERIÊNCIA

Muitos acontecimentos foram se desenvolvendo na Terra durante milhões de anos, que são difíceis de serem descritos em um resumo. Mas, num certo momento, a sua maravilhosa aventura no Jardim do Éden foi perturbada por influências externas, que podem ser classificadas como “ruins” ou “escuras”.

Alguns seres de outras dimensões do universo começaram a se intrometer na Terra. Seu propósito era exercer poder e influência sobre a vida na Terra. Este acontecimento – esta interferência de energias escuras e poderosas que, do seu ponto de vista, surgiram do nada – chocou profundamente os seus seres angélicos. Vocês não estavam preparados. Este era o seu primeiro contato com o “mal” e sacudiu seu mundo nas suas bases. Pela primeira vez, vocês experimentaram o que é não mais se sentir seguro. Vocês ficaram conhecendo as “emoções humanas”: medo, choque, raiva, frustração, tristeza, indignação: “O que é isto? O que está acontecendo aqui?!”

Sintam como as sombras caíram sobre vocês nesse primeiro encontro com a escuridão, com o lado escuro da dualidade. Lentamente, o intenso desejo de poder, que tanto os havia chocado e horrorizado, começou a tomar posse de vocês próprios. Isto porque vocês começaram a sentir indignação e revolta contra os atacantes e queriam se defender e proteger a Terra contra essa estranha invasão.

Estou falando de uma influência extraterrestre, de uma certa raça, por assim dizer, cuja origem não importa muito para a nossa estória. O que importa é que vocês absorveram parcialmente a energia desses seres e assim criaram a queda. Não estou falando da Queda bíblica, já que esta está associada a pecado e culpa, mas da queda para dentro da experiência, para dentro da escuridão, a qual, num certo sentido, estava “predestinada” a acontecer, pois vocês faziam parte da dualidade. Ao se tornarem um “Eu”, ao experienciarem a separação do todo, as sementes da dualidade foram criadas dentro de vocês. Faz parte da lógica da criação que vocês explorem todos os extremos da dualidade, uma vez que estejam nela.

Aos poucos vocês mesmos foram se tornando guerreiros, pois desejavam o poder para proteger o seu “território”. Seguiu-se, então, um novo estágio na sua história, no qual vocês se envolveram em várias guerras e lutas galácticas. Por favor, parem um minuto para sentir este acontecimento, a queda do anjo-criança na energia ríspida e zangada do guerreiro galáctico. Estamos falando de longos períodos de tempo. O fato de vocês terem passado por tudo isso pode lhes parecer grandioso e insondável, mas eu lhes peço que permitam que a sua imaginação viaje comigo um pouco.

Vocês se envolveram numa batalha grande e violenta. Parte da literatura de ficção científica, que lhes é familiar, descreve tudo isto e, na verdade, foi inspirada em acontecimentos reais de um passado distante. Não é mera ficção. Muitas dessas coisas realmente aconteceram e vocês se envolveram profundamente nisso. Vocês se perderam numa luta de poder durante esse estágio da sua história e experienciaram totalmente a energia do ego.

Já falei sobre isto antes na série Trabalhadores da Luz (Veja aqui a série: http://www.sementesdasestrelas.com.br/2014/12/jeshua-trabalhadores-da-luz-parte-1.html) e agora quero dar mais um salto enorme e contar-lhes qual foi o estágio importante que se seguiu.

Depois de muito tempo, vocês se cansaram de lutar. Vocês já tinham tido o suficiente. Estavam ficando tristes e enjoados de batalhas, e uma espécie de saudades de casa começou a entrar furtivamente em seus corações. Já fazia muito tempo que vocês viviam obcecados pelas guerras e conflitos nos quais se envolveram. A ilusão do poder pode exercer uma influência hipnótica sobre uma mente ingênua e inexperiente. Vocês eram ingênuos e inexperientes quando vivenciaram sua primeira queda para dentro da escuridão.

Mas então, num certo momento, houve um despertar dentro de vocês. Uma vaga lembrança dos antigos dias no Paraíso agitou-se em suas mentes e corações, relembrando-os da alegria e inocência que uma vez vocês conheceram. Então desejaram voltar para lá e não quiseram mais lutar. Pode-se dizer que vocês experimentaram tão completamente as energias do ego, que elas se esgotaram em vocês. Vocês tinham conhecido todos os lados da batalha, toda a gama de emoções ligadas à vitória e à perda, ao controle e à entrega, ao assassínio e à escravidão. Vocês tinham ficado desiludidos com o poder e tinham descoberto que ele não lhes dava o que havia lhes prometido: amor, felicidade, satisfação. Vocês acordaram do seu sono hipnótico e ansiavam por algo novo.

Quando vocês tentaram se elevar acima da energia da luta e conectar-se com a energia do coração, vocês se tornaram novamente ingênuos e “inexperientes”. Eram como crianças que espiavam por cima do muro de um novo país, no qual nem o poder nem a luta eram as forças dominantes, mas sim o amor e a conexão. Vocês seguiram o chamado da sua alma e pularam o muro. E começaram a se encontrar novamente e a reconhecer uns aos outros como almas afins, membros da mesma família. Uma vez vocês haviam brincado juntos como anjos no Jardim do Éden.

Os membros da família de trabalhadores da luz, que faziam parte da mesma onda de nascimento de almas, olharam uns para os outros novamente e sentiram-se atraídos para um chamado comum, uma missão compartilhada. Vocês sabiam que tinham que fazer alguma coisa para dar o passo principal em direção à consciência do coração, para que a volta ao Paraíso realmente se concretizasse para vocês. Sentiram que tinham que lidar com Terra de novo mas, desta vez, como seres humanos, encarnados em corpos humanos, para experienciar de dentro o que havia acontecido com a Terra devido às guerras galácticas e ao abuso do poder.

Na sua luta pelo poder, a Terra tinha sempre sido o ponto focal de atenção. Muitos partidos galácticos batalharam pelo domínio da Terra e isto afetou negativamente não só a Terra, mas também toda a vida que nela existia e a alma coletiva da humanidade em evolução. O motivo de a Terra ser um alvo tão importante para todos esses partidos guerreiros não é tão fácil de explicar. Colocando-se de uma forma bem resumida, a Terra é o ponto de partida para algo novo: é um lugar que reúne muitas dimensões e realidades e, portanto, constitui um ponto de encontro de estradas que levam ao futuro. Inúmeras energias se encontram e se misturam na Terra – dentro dos reinos vegetal, animal e, principalmente, humano. Isto é algo muito especial. Quando essas energias puderem coexistir em paz, isso criará uma enorme explosão de luz através de todo o cosmos. É por isso que a Terra está desempenhando um papel chave e foi por isso que ela esteve no centro de uma grande Batalha.

Uma vez vocês tomaram parte nessa batalha, como atacantes, tentando manipular a vida e a consciência na Terra de uma forma bastante agressiva. Isto causou danos ao desenvolvimento do ser humano. Naquela época, a humanidade estava no seu estágio infantil, no “estágio da inocência”. A humanidade era “habitada” por almas de uma onda de nascimentos diferente da de vocês. Nós as chamamos de “almas terrestres”, na Série Trabalhadores da Luz. Era um grupo de almas mais jovens que vocês, que haviam se manifestado na Terra havia pouco tempo e tiveram que lidar com as manipulações extraterrestres, que reduziram as capacidades do ser humano. As forças extraterrestres projetaram energias de medo e inferioridade na jovem consciência do homem, o que permitiu que elas adquirissem controle sobre ela.

Volto agora à sua decisão de encarnar na Terra como seres humanos. Vocês tinham dois motivos. Primeiro, sentiam que estavam prontos para mudança e transformação internas. Vocês desejavam se libertar da atitude batalhadora do ego e crescer em direção a uma nova forma de “ser”. Vocês não sabiam o que isso significava exatamente; ainda não podiam entender isso totalmente, mas sentiam que a encarnação na Terra lhes ofereceria justamente os desafios e possibilidades que vocês precisavam.

Em segundo lugar, vocês sabiam que precisavam compensar as coisas que aconteceram na Terra, em parte devido à sua ação. De alguma forma, sentiam que originalmente vocês tinham uma profunda ligação com a Terra, baseada no amor e respeito mútuo, e que isso se corrompeu quando vocês se deixaram enredar pela guerra e batalhas por esta mesma Terra. Os seus dois extremos – o anjo-criança e o guerreiro endurecido – tinham que ser unidos e transformados. E que lugar poderia ser mais adequado para isso do que a Terra? Vocês sentiam uma grande conexão com este planeta e, inclusive, uma “obrigação cármica” de melhorar as condições na Terra. Desejavam mudar e elevar o estado de consciência na Terra. Então vocês se transformaram em “trabalhadores da luz”.

Vocês encarnaram na Terra no tempo da Atlântida

ATLÂNTIDA – A SEGUNDA QUEDA PARA DENTRO DA EXPERIÊNCIA.

A Atlântida foi uma civilização situada num tempo muito anterior às eras históricas que vocês conhecem. Ela tomou forma gradualmente por volta de 100.000 anos atrás e terminou cerca de 10.000 anos atrás. Os seus primórdios são até anteriores a 100.000 anos. A Atlântida evoluiu gradualmente quando as raças extraterrestres começaram a “invadir” a Terra, encarnando em corpos humanos. Essas almas geralmente tinham um alto nível de desenvolvimento mental. Naquele tempo, as sociedades e comunidades da Terra eram amplamente constituídas de almas terrestres, e eram “sociedades primitivas”, como vocês as chamam.

Mesmo antes da Atlântida, havia muitas influências extraterrestres na Terra, de reinos galácticos que enviavam formas-pensamento para a Terra de diferentes maneiras. Formas-pensamento são energias que se conectam aos humanos no nível etérico ou áurico, e assim influenciam os pensamentos e emoções das pessoas. Isto acontece constantemente, quando vocês absorvem idéias e crenças da sua educação e sociedade. Elas os envolvem como uma teia infecciosa. Mas isto também acontece com os “níveis astrais” que os rodeiam. As formas-pensamento que foram projetadas em vocês pelos guerreiros galácticos eram, em geral, controladoras e manipuladores, mas também existiam influências de luz e delicadeza. É o próprio ser humano que decide o que ele vai e o que ele não vai permitir que entre nele. Em um certo momento, os partidos galácticos desejaram ter uma influência mais profunda sobre a Terra e houve a oportunidade para eles verdadeiramente habitarem corpos humanos ou, em resumo, para encarnar na Terra. O Espírito ou a Luz abriu essa possibilidade para eles, porque era apropriada para o seu caminho interior de desenvolvimento. Vocês estavam nesses partidos. Na sua literatura espiritual, os povos que provêm desses reinos galácticos são, com freqüência, chamados de “povo das estrelas” ou “sementes estelares”.


A Atlântida foi o resultado de uma união, uma mistura entre as sociedades de nativos da Terra e o influxo de almas que vieram “de fora”. Vocês, da onda de almas de trabalhadores da luz, encarnaram na Terra porque desejavam criar mudança e progresso e porque vocês mesmos queriam evoluir de uma consciência baseada no ego para uma consciência baseada no coração. 

Quando vocês chegaram, no começo lhes pareceu constrangedor e desconfortável estar dentro de corpos humanos. Viver dentro de uma matéria tão densa dava-lhes uma sensação de opressão e aprisionamento, pois estavam acostumados com corpos muito mais fluidos e voláteis, que possuíam mais poder psíquico. Nas freqüências ou dimensões mais elevadas (menos materiais ou densas), a sua psique tem uma influência muito maior no ambiente material. Nesses planos, vocês podem criar ou atrair as coisas que querem para vocês, simplesmente pensando nelas ou desejando-as. A mente de vocês estava acostumada a criar muito mais rápido do que era possível na Terra. Pode-se dizer que o tempo de reação na Terra é muito mais lento. Então, quando vocês vêm aqui pela primeira vez, vocês têm a impressão de que estão trancados dentro de um corpo sólido e inflexível e sentem-se inseguros, pois o que vocês desejam e aspiram não se materializa mais com tanta facilidade, e o seu domínio sobre a vida e as circunstâncias parece muito limitado.

Então, vocês ficaram confusos quando chegaram aqui. Ao mesmo tempo, tinham habilidades mentais altamente treinadas, que vocês haviam desenvolvido durante as suas vidas galácticas passadas. Enviar formas-pensamento e projetá-las dentro de outros seres vivos requer bastante poder psíquico. A mente de vocês era como um conjunto de facas afiadas, que precisava provar o seu valor em um ambiente totalmente diferente. Suas capacidades mentais treinadas eram uma antiga aquisição e, devido à sensação de alienação e opressão que vocês experimentavam na Terra, vocês tentavam instintivamente adaptar-se aqui usando essa sua aquisição antiga. Assim, vocês começaram a usar seus poderes mentais na Terra. Originalmente, a sua intenção era conectar com a realidade da Terra a partir do coração. Antes de encarnar, vocês sabiam que, apesar dos seus formidáveis poderes analíticos e psíquicos, os terrenos dos seus corações estavam sem cultivo e precisavam de sementes, de pequenos brotos de luz. Mas, vocês se esqueceram disso quando mergulharam na realidade da Terra e a sua consciência ficou velada.

Na Terra, vocês tinham que lidar com almas terrenas, que viviam aqui como seres humanos, e vocês não os entendiam muito bem. Vocês achavam que eles eram seres instintivos e bárbaros. Vocês não entendiam a sua forma espontânea, direta, de expressar suas emoções. Eles eram primitivos aos seus olhos, eles viviam sintonizados com suas emoções e instintos mais do que às suas mentes. Vocês tinham habilidades e talentos diferentes da índole natural do povo da Terra.

Embora vocês freqüentemente nascessem de pais que eram almas terrenas, e fossem criados por eles, aos poucos acabava se desenvolvendo uma divisão social entre vocês e eles. Devido às suas capacidades mentais superiores, vocês desenvolveram tecnologias que eram desconhecidas anteriormente. Tudo isto aconteceu devagar e naturalmente. Estamos falando de um período de mais de mil anos, de até dez mil anos.

Sem entrar em detalhes desse processo, eu gostaria de lhes pedir que sentissem a essência do que aconteceu nesse período. Vocês podem imaginar que fizeram parte disso? Podem imaginar como deve ter sido chegar num lugar onde vocês não se sentiam verdadeiramente à vontade, sabendo que havia algo que vocês tinham planejado fazer ali, mas não sabiam o que era? – “Vamos ver…” – vocês diziam a si mesmos – “Eu tenho certas habilidades e poderes à minha disposição… isso me diferencia dos outros do meu ambiente… Vou usar esses talentos para me impor.” Vocês reconhecem este tipo de orgulho e ambição dentro de vocês? Vocês se lembram que eles eram seus? Esta é uma energia tipicamente atlante.

Pouco a pouco, uma nova cultura nasceu na Terra – uma civilização que criou um desenvolvimento tecnológico sem precedentes, que afetou todas as porções da sociedade. Gostaria de falar um pouco mais sobre o tipo de tecnologia que evoluiu na Atlântida. O que vocês, como ‘pessoas das estrelas’, ainda lembravam claramente apesar do véu do esquecimento, era que vocês podiam influenciar a realidade material usando o poder da sua mente, especificamente do terceiro olho. O terceiro olho é o centro de energia (chacra) da intuição e da consciência psíquica, e localiza-se atrás dos seus dois olhos físicos.

O poder do terceiro olho ainda lhes era muito familiar naquelas primeiras encarnações, como se fosse uma segunda natureza da sua alma. Vocês sabiam “como ele funcionava”. Sabiam que a matéria (realidade física) tem uma forma de consciência, é consciência em um determinado estado de ser. Através desta percepção essencial da unidade entre consciência e matéria, vocês podiam afetar e formar matéria, fazendo um contato interno com a consciência que existe em um pedaço de matéria. Desta forma, vocês podiam literalmente mover e manipular a matéria com a mente. Vocês conheciam um segredo que foi esquecido nas épocas mais recentes.

Atualmente, vocês vêem a matéria (realidade física) como separada da consciência (a mente). Por influência da ciência moderna, vocês se esqueceram que todos os seres têm alma; tudo o que existe tem uma forma de consciência com a qual vocês podem se conectar e cooperar de um modo criativo. Esse conhecimento era incontestável para vocês, naqueles tempos antigos. Mas, durante a época da Atlântida, quando o centro dos seus corações ainda não estava totalmente aberto, o seu terceiro olho era controlado predominantemente pelo seu centro da vontade ou ego (o plexo solar ou terceiro chacra). Vocês estavam no limiar de uma nova realidade, a realidade da consciência baseada no coração, mas devido ao choque de terem submergido na realidade densa da Terra, suas inspirações sensíveis e puras ficaram temporariamente perdidas. Vocês se deixaram levar pelo uso excessivo da vontade misturada com o poder do terceiro olho. Vocês aspiravam a melhorar as coisas em larga escala (fazer o “trabalho da luz”), mas faziam isso de uma forma autocentrada, com uma atitude autoritária em relação às almas e às naturezas da Terra.

No apogeu da Atlântida, havia inúmeras possibilidades e a tecnologia era muito avançada, até mais avançada do que a sua tecnologia atual em algumas áreas, porque o poder da telepatia e da manipulação psíquica era compreendido e usado muito melhor. Podia haver uma comunicação telepática instantânea entre pessoas que estavam a grandes distâncias umas das outras. Era possível deixar conscientemente o corpo e viajar por aí. A comunicação com civilizações extraterrestres era buscada e alcançada.

Muitas coisas se tornaram possíveis no tempo da Atlântida, mas muitas coisas deram errado também. Geralmente havia uma divisão entre a elite político-espiritual e as “pessoas comuns”, constituídas predominantemente por almas terrenas. Elas eram vistas como seres inferiores, meios para um fim, e eram realmente usadas para experimentos genéticos que faziam parte da ambição atlante de manipular a vida no nível biológico, para que se pudessem criar mais formas de vida superior.

Um aspecto positivo da sociedade atlante era a igualdade entre homens e mulheres durante essa época. A luta pelo poder entre o homem e a mulher, na qual a mulher foi terrivelmente oprimida durante o último período, não foi parte da Atlântida. A energia feminina era totalmente respeitada, no mínimo por ela estar diretamente relacionada com o poder do terceiro olho (intuição, clarividência, poder espiritual).

Agora quero levá-los à queda da Atlântida. Nessa época havia energias em ação, com as quais vocês ainda estão tentando lidar. Vocês se envolveram profundamente com o que deu errado naquele estágio.

Na Atlântida, vocês viviam a partir do centro da vontade e do terceiro olho. A energia do seu coração não se abriu significativamente. Em um certo ponto, vocês se apaixonaram pelas possibilidades da sua própria tecnologia e pela ambição de criar novas formas de vida superior. Vocês aplicaram a engenharia genética e criaram inúmeras formas de vida, e eram incapazes de entender, de sentir, que com isso estavam desrespeitando a Vida. As pessoas que vocês usavam para suas experiências não podiam contar com a sua empatia nem compaixão.

A energia presente nesse estágio de perversão, especificamente na civilização atlante, voltou no século XX como o regime nazista na Alemanha. Experimentos cruéis e uma atitude geral de frieza clínica para com as “formas inferiores de vida” foram partes substanciais desse regime. A falta de compaixão e empatia demonstradas para com os assassinados, a falta de emoção e o modo mecânico de “lidar” com as vítimas, eram semelhantes à atitude dos atlantes. Isto os enche de um profundo horror agora. Vocês viram e sentiram o outro lado disso, o lado da vítima, em encarnações que vieram depois da Atlântida.

Mas, na época da Atlântida, vocês foram os agressores. Foi daí que resultou um determinado “carma”. A Atlântida é a chave para as suas “encarnações infratoras”, o seu lado escuro. Estou lhes contando isto, não para fazê-los se sentirem envergonhados ou culpados. De jeito nenhum! Nós todos somos parte desta história, assumindo vários papéis e disfarces, pois isto é que é viver na dualidade. É vivenciar e assumir todos os papéis imagináveis, desde os mais luminosos até os mais sombrios. Se vocês se permitirem conhecer o seu lado sombrio, se puderem aceitar que também fizeram o papel de agressores, vocês ficarão mais equilibrados, livres e contentes. É por isso que eu lhes estou contando isto.

Num certo ponto, o desenvolvimento tecnológico que vocês – e outros grupos de almas – alcançaram teve um impacto tão grande sobre a natureza, que os sistemas ecológicos da Terra se romperam.. A queda da Atlântida não aconteceu de uma só vez. Houve muitos sinais de aviso – sinais da natureza – mas como eles não foram levados em conta, aconteceram enormes desastres naturais, através dos quais a civilização atlante foi inundada e destruída.

Como isto afetou vocês, no nível interno? Foi uma experiência chocante, uma experiência traumática; foi uma outra Queda, a segunda Queda da Experiência para dentro das profundezas.

Durante as suas encarnações na Terra, vocês acabaram perdendo a conexão que buscavam com o coração. Depois da queda da Atlântida, vocês perceberam – mais intensamente do que nunca – que a verdade não era para ser encontrada no controle da vida, mesmo que o propósito parecesse nobre. Então vocês realmente começaram a se abrir para a silenciosa voz do coração, que lhes diz que existe uma sabedoria trabalhando através da própria Vida, que não precisa de nenhuma manipulação nem controle. No fluxo da própria vida, no fluxo do coração e dos sentimentos, existe uma sabedoria com a qual vocês podem se sintonizar, ou se alinhar, ouvindo e se entregando. Não é uma sabedoria criada pela cabeça nem pela vontade; é uma sabedoria que vem de aceitar a voz do amor, de uma perspectiva mais elevada.

Aos poucos vocês começaram a sentir este conhecimento místico, que vinha de dentro de vocês e que era acompanhado por um sentido de humildade e entrega. Mas, mesmo assim, o tempo ainda não estava maduro para um alegre despertar das energias do coração. Uma sombra havia caído sobre vocês durante a época da Atlântida, a sombra de terem afetado negativamente outros seres. Vocês teriam que sentir e experienciar profundamente os efeitos disso, antes que o despertar pudesse acontecer.

Mais uma vez vou dar um passo enorme na história antiga, e vou levá-los ao momento em que vocês voltam à Terra, depois da Atlântida ter desaparecido, arrastada pelas ondas do oceano. Mais uma vez vocês encarnaram em corpos humanos, com a lembrança da Atlântida enterrada profundamente na memória das suas almas, ligada a uma sensação de vergonha e falta de confiança em si mesmos. A queda da Atlântida havia chocado-os e deixado-os perplexos, mas também tinha aberto um pouco mais os seus corações.

Que desenvolvimento imenso teve lugar nesse enorme intervalo de tempo!

REJEIÇÃO COMO TRABALHADOR DA LUZ – A TERCEIRA QUEDA PARA DENTRO DA EXPERIÊNCIA.

O próximo período importante começou com a vinda da energia de Cristo à Terra, mais visivelmente representada por mim. Muitos de vocês estavam presentes naquela época ou por volta desse tempo. Poucos séculos antes do meu nascimento, vocês começaram a encarnar outra vez em grande número. Uma voz, que vinha dos seus corações, atraia-os, convocava-os. Vocês sentiam que “tinham que estar lá”, que era o momento de darem mais um passo na sua jornada espiritual, que estava tão entrelaçada com a Terra.

A vinda da energia de Cristo, a minha vinda à Terra, foi parcialmente preparada por vocês. Eu não poderia ter vindo sem uma camada de energia presente na Terra para me receber, para me “acolher”, por assim dizer. A sua energia providenciou o canal através do qual eu poderia ancorar a energia Crística na Terra. Foi verdadeiramente um esforço conjunto. Seus corações se abriram para mim, para aquilo que eu representava. Naquela época, vocês eram a parte da humanidade que estava mais aberta para receber o amor e a sabedoria a partir do coração.

Dentro de vocês havia surgido uma certa humildade, no melhor sentido da palavra: uma entrega ao não-saber, sem querer controlar ou “manipular” as coisas, e uma abertura genuína para algo novo, algo que não fazia parte do poder nem do controle, algo diferente. E por causa dessa confiança e abertura em seus corações, vocês puderam me receber.

Eu fui como um raio de luz caindo sobre a Terra, fazendo com que aqueles que estavam prontos se lembrassem da sua natureza angélica, da sua essência divina. Vocês se comoveram comigo, com aquilo que eu expressava e irradiava para vocês a partir da minha essência interna, e assim a energia Crística afetou-os profundamente naquela encarnação ao redor do Cristo e nas encarnações seguintes, até hoje. Em todas essas vidas, vocês tentaram trazer a energia Crística para a Terra, e disseminá-la através de várias formas de ensinar e curar. Vocês foram trabalhadores da luz inspirados e apaixonados, que trabalharam duro para trazer mais justiça, lealdade e amor para este planeta.

Naquela época, na era do despertar da energia Crística, vocês foram aqueles que se opuseram às religiões muito rigidamente organizadas, às formas autoritárias de subjugar as pessoas. Vocês lutaram pela liberdade, pela emancipação da energia feminina, por valores baseados no coração, numa época em que as pessoas mal tinham consciência disso tudo. Nos últimos 200 anos, vocês foram os que lutaram pela liberdade e foram rejeitados e perseguidos por causa disso. Foram castigados e torturados por causa do que vocês eram, e freqüentemente acabavam na fogueira ou na forca. Vocês carregam muitos traumas emocionais dessa fase da história.

Nas lutas e resistência que vocês enfrentaram, estava agindo o carma atlante (e galáctico). Os papéis tinham se invertido. Vocês tornaram-se vítimas e passaram pelas profundezas da solidão, do medo e do desespero. Ficaram intimamente familiarizados com a profunda dor emocional da rejeição. Esta foi a sua terceira Queda, a terceira Queda para dentro da Experiência, e aquela que os levou para o âmago da sua missão: compreender a unidade subjacente tanto à Luz quanto à Escuridão, aprender o que o Amor realmente significa. Esta terceira Queda trouxe-os para o presente, para aquele que vocês são hoje.

Hoje, às beiras de um novo ciclo, nestes tempos transformadores, vocês estão verdadeiramente abertos para a energia Crística. Nos seus corações está brotando uma sabedoria que abraça e transcende os opostos e reconhece o fluxo divino único em todas as diferentes manifestações. Seu amor não é um mero conhecimento abstrato, mas um fluxo real, puro e sincero que vem do coração e se estende para os outros e para a Terra. Agora vocês se reconhecem no semblante dos outros, sejam eles “luz” ou “escuridão”, ricos ou pobres, trabalhadores da luz ou almas terrenas, homem, animal ou planta. O amor embutido na consciência Crística forma a ponte sobre o abismo entre os opostos e lhes dá um sentido palpável da interconexão entre tudo que existe.

Uma vez, quando vocês eram anjos, vocês vigiavam e cuidavam do paraíso na Terra. Vocês se desprenderam desse estado de inocência, quando se engajaram na dança pelo poder com as energias que queriam roubar o paraíso de vocês. Desta forma, vocês abandonaram o reino espiritual e encarnaram mais profundamente na realidade material de forma e ilusão. De anjos, vocês se transformaram em guerreiros. Quando encarnaram na Terra e foram experimentar como era ser um humano, vocês foram novamente tentados pelo desejo de controlar as coisas e isso os levou à queda da Atlântida e de vocês mesmos como guerreiros. Vocês voltaram à Terra para experienciar o outro lado do jogo do poder, para sentir como era ser uma presa da agressão e da violência. As conseqüências desta última parte do ciclo ainda estão claramente presentes na forma em que vocês experienciam as coisas, e todos vocês estão trabalhando duro para superar o trauma da rejeição que existe no seu íntimo. Com isto, vocês estão fechando o ciclo no ponto onde ele começou. Vocês voltaram à sua verdadeira natureza como anjos, mas agora como anjos totalmente encarnados, com um conhecimento real e vivo dos extremos da luz e das trevas, do amor e do medo. Cada um de vocês é um anjo sábio e compreensivo, um anjo humano…

Tenho um grande respeito por vocês, pela incrível jornada que vocês empreenderam. Eu me coloco diante de vocês agora, como um igual. Estou aqui como um professor e guia, mas também como um irmão e amigo. Eu gostaria de lhes oferecer o meu amor e amizade, não de uma forma abstrata, mas como uma energia tangível de companheirismo e compreensão. Eu sei quem vocês são. Agora, reconheçam-se no meu semblante.

Vocês estão no final de um grande ciclo de eras, no qual passaram por muitas experiências. Hoje eu quis falar sobre a Atlântida, porque o reconhecimento das energias que vocês incorporaram lá pode ajudá-los a alcançar um estado de integridade e paz consigo mesmos. A energia atlante é uma energia de grande poder mental, combinada com um orgulho e arrogância característicos. Ousem reconhecer esta “energia sombria” dentro de vocês, ousem aceitar que vocês experimentaram e viveram isto uma vez. Sintam que vocês foram infratores e agressores assim como vítimas. Ao permitirem que este fato faça parte da sua consciência, vocês abrem o portal para a maior sabedoria que vocês podem abraçar na sua vida: a sabedoria do não-julgamento. Ao se conscientizarem do seu lado “escuro”, vocês deixam de julgar se os outros estão certos ou errados, ou até de julgar a si mesmos. Todos os motivos para julgamento caem por terra. O julgamento dá lugar à compreensão e à compaixão. Então vocês realmente começam a entender o que é o amor, e o que significa “trabalho da luz”. De fato o termo “trabalho da luz” sugere que existe algum tipo de luta entre a luz e as trevas, e que o trabalhador da luz é aquele que está lutando contra as trevas. Mas o verdadeiro trabalho da luz não é nada disso. O verdadeiro trabalho da luz implica em ser capaz de reconhecer a luz do amor e da consciência em tudo o que existe, mesmo que isso esteja escondido atrás de máscaras de ódio e agressão.

Freqüentemente vocês ainda ficam tentados a fazer julgamentos sobre a realidade da Terra, como por exemplo, sobre a forma em que os políticos trabalham ou em que as pessoas estão tratando o meio ambiente. É fácil dizer que tudo está errado e se sentir um estranho no planeta Terra, alienado e sem lar. Quando isso acontecer, tentem fazer contato com a energia do infrator dentro de vocês. Permitam-se acessar a energia atlante que ainda existe na memória das suas almas, e sintam que vocês também já foram isso, e inclusive que isso estava bem. Todas as suas “quedas para dentro da experiência” finalmente fizeram com que vocês fechassem um círculo e abrissem seus corações para a essência da criação de Deus: amor, criatividade e inocência. Você, que experienciou os extremos das trevas e da luz, foi, durante toda a sua jornada, nada menos do que a criança inocente do paraíso, partindo com um espírito de sinceridade, arrojada curiosidade e entusiasmo pela vida. Nessa jornada, você só podia aprender pela experiência. As “quedas para dentro da experiência” não poderiam ter sido evitadas, pois eram os meios para que você alcançasse algo novo, que trouxesse mais satisfação. A essência da sua jornada é que você alcança a sabedoria através da experiência. Portanto, por favor reconheça e respeite a coragem desse anjo-criança que você foi. Veja a vitalidade, coragem e perseverança que você mostrou ao se aventurar no desconhecido, e então sinta a sua própria inocência, mesmo no seu lado mais sombrio.

Eu lhe peço para respeitar a si mesmo, inclusive o seu lado escuro. Sinta apenas o poder e a autoconsciência da energia atlante por alguns instantes. Existe um lado positivo nela também. Você foi talentoso de muitas formas. Convide esta energia para entrar, aqui e agora. Permita que a sensação de auto-estima e autodomínio voltem a você e perdoe-se pelas atrocidades que aconteceram no passado. Sim, você infligiu dor aos outros, você foi o agressor lá… mas sinta também como você veio a se arrepender profundamente disso, e o quanto você se abriu agora para o respeito genuíno por tudo o que vive. Quando você perdoa a si mesmo, você se abre para a alegria de se liberar o julgamento. Veja que a conseqüência é esta: se você reconhece a sua parte sombria e é capaz de se perdoar por isso, você não precisa mais julgar nem a si mesmo nem aos outros. Isto é um grande prazer para a sua alma!

Com muita freqüência vocês ainda se atormentam com os seus julgamentos. Vocês dizem a si mesmos que ainda têm muitas coisas para realizar. Hoje, eu lhes peço que olhem para trás e vejam tudo que já realizaram. Tomem consciência da profundidade da sua jornada através desses grandes ciclos de eras. E não me olhem mais de baixo para cima, como se eu fosse um mestre. Eu fiz esse papel há dois mil anos atrás, mas esse tempo passou. Vocês são os Cristos desta nova era, vocês trarão paz para um mundo de dualidade e polaridade, irradiando a paz que está dentro dos seus próprios corações. Sintam como vocês estão prontos para esse papel e deixem-me simplesmente oferecer- lhes algum apoio e encorajamento como seu amigo e irmão. Nós somos um.


Canal: Pamela Kribbe           
Tradução: Vera Corrêa - veracorrea46@gmail.com
Veja mais mensagens de Jeshua Aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...