domingo, 2 de julho de 2017

BENJAMIN FULFORD - "RELATÓRIO ESPECIAL: O CAMUNDONGO QUE RUGIU OU COMO AS PESSOAS DE BOUGAINVILLE DERROTARAM OS ROTHSCHILDS" - 26.06.2017



A Ilha de Bougainville, no Pacífico Sul, tem sido o palco de uma luta épica de décadas, que resultou em que nativos armados apenas com machados e arcos, derrotando tropas armadas com o último armamento de classe mundial. A batalha colocou os nativos lutando para manter suas casas ancestrais contra uma multinacional Rothschild, lutando para roubar os maiores depósitos de ouro dos mundos na mina de Panguna. Como resultado de sua vitória, o povo Nasioi, de Bougainville Central se tornou o primeiro povo indígena do mundo a forçar uma multinacional de mineração global a desistir de um dos seus empreendimentos mais ricos.

Esse não é apenas um assunto local, uma vez  existe tanto ouro naquela Ilha, que poderia afetar o futuro do sistema financeiro global. Os banqueiros internacionais dizem que existem apenas algumas dezenas de bilhões de dólares em ouro e cobre, mas, se usarmos os métodos de reserva fracionada empregados pelo Conselho da Reserva Federal em 2008 para preço do ouro (700 toneladas de ouro foram transformadas em 750,000 toneladas de títulos suportados de ouro), então essa riqueza vale milhares de trilhões de dólares.

Além disso, os moradores dizem que a mina estava acolhendo uma maciça operação de lavagem de dinheiro sob a alegação de que o ouro seria  cobre, ou seja, a mina e outras seis reservas de ouro rico conhecidas na ilha, potencialmente valem centenas de trilhões de dólares, mesmo sem magia de reserva fracionada. "Eles tirariam o ouro à noite para escondê-lo em cavernas", de acordo com as fontes do Exército Revolucionário de Bougainville.

A mina foi operada pela Rio Tinto Zinc de 1972 até 1989, antes que os habitantes locais as fechassem, emergindo vitorioso depois de uma década de guerra que resultou na morte de cerca de 30 mil pessoas ou mais de 10% da população, de acordo com fontes do BRA. Um general do BRA, "Joel" descreve como os rebeldes desarmados conseguiram derrotar um moderno exercito. "Quando os atacamos pela primeira vez, nós só tínhamos machados e lanças e sabíamos que muitos de nós morreriam", diz ele. "Usamos táticas de guerrilha, atacamos um soldado e pegamos sua arma, com essa arma poderíamos matar 3 ou 4 outros soldados e pegar suas armas e assim por diante; Foi assim que nos armamos ", diz ele.

Funcionários da Cruz Vermelha que trabalham na ilha também dizem que até hoje há assassinatos não investigados e muitas "pessoas desaparecidas", como resultado do conflito na ilha.  Além disso, o exército de resistência ganhou a guerra apenas para enfrentar um bloqueio que, até certo ponto, continua até hoje.

A Rio Tinto Zinc afirma ter entregue o controle da mina a Bougainville Copper Limited (BCL) que é de propriedade principal do governo autônomo de Bougainville (ABG). A Rio Tinto também afirma que não ser responsável pelos enormes danos ambientais causados pelo derramamento de mercúrio e outras emissões venenosas de mineração num rio local, porque respeitavam as leis locais na época. No entanto, se você olhar para Bougainville Island no Google Earth, você ainda pode ver claramente, décadas após a mina fechada, as cicatrizes na paisagem causadas por ela. Eles não devem ser autorizados a fugir com a destruição do meio ambiente tão grande que se verifica em fotos de satélite.

O Reino Gêmeo de Meekamui e Papala, o nome dos habitantes locais para a ilha, é liderado pelo rei David Peii II, que quer acusar os proprietários de Rio Tinto de crimes de guerra e processá-los por destruição ambiental no Tribunal Internacional de Justiça em Haia.

As pessoas do BCL, por sua vez, estão tentando reabrir a mina e prometer ser amáveis com o meio ambiente desta vez, mas os habitantes locais são tão amargos com o assassinato em massa e a destruição ambiental que eles não querem que a BCL ou a ABG tenham algum papel de controle da mina. 

É assim que o rei David vê a situação: ... 

... ABG (governo autônomo de Bougainville) é simplesmente um agente do governo de Papua Nova Guiné. Sua sede está localizada em Waigani, PNG. Quem controla a PNG também controla o ABG. Como sabem, a Austrália concedeu independência à PNG em 1975. No entanto, a Austrália ainda de fato controla PNG. De acordo com as estatísticas de 2011, a Austrália ocupou cerca de K19,8 bilhões de PGK [Papua Nova Guiné Kina, 1 kina = 0,31 dólares] de suas empresas na PNG, mas apenas deu cerca de K450 milhões de PGK na forma de AusAid. Isso é cerca de 3% apenas; 97% é mantido na Austrália. O mutuário é um escravo do credor. PNGeans estão felizes em receber fundos da AusAid para seus projetos, todavia  não conhecem a história real.

ABG, foi estabelecido porque a liderança de Bougainville se separou imediatamente após vencer a guerra de 10 anos contra PNG e BCL/Rio Tinto. O vice-presidente Joseph Kabui decidiu negociar com o governo da PNG devido à falta de fundos para serviços, etc., enquanto o presidente Francis Ona não achou certo negociar. Embora ambos tenham morrido, seus sucessores ainda estão vivos e ativos. Eu sou o sucessor do falecido Francis Ona sob o Acordo Twin Kingdom.

O ABG está no extremo inferior da cadeia alimentar internacional desse antigo sistema de controle e, portanto, não pode dizer nada para a BCL, Rio Tinto, PNG, Austrália ou suas hierarquias ou controladores porque "é um escravo dos seus credores".

BCL (B'ville Copper Ltd) ainda é de propriedade de estrangeiros (não Bougainvilleanos). As ações que eles afirmam ter dado ao ABG ainda são controladas por estrangeiros, porque o próprio ABG é um agente estrangeiro em Bougainville. O ABG foi estabelecido por seus financiadores (PNG e Austrália, etc.) para servir seus próprios interesses em nossa nação soberana.

O que o rei Davi descreve é verdadeiro em grande parte do mundo em desenvolvimento, onde implacáveis multinacionais saqueiam a terra com a ajuda de mercenários e "líderes" contratados e subornados localmente. Estima-se que as multinacionais saqueiam a África sozinha no valor de US $ 60 bilhões por ano.


Nesse sentido, a batalha pelo ouro de Bougainville poderia marcar um ponto de viragem global, porque o rei David promete usar os vastos fundos da mina para ajudar outros países em desenvolvimento. Os países da África e outras partes em desenvolvimento do mundo fariam muito melhor em pagar um preço justo pelos recursos do que recebendo "ajuda externa" inútil dos países que os saqueiam.

De qualquer forma, é claro que alguém poderoso teve muitos problemas para tentar evitar que este escritor visitasse o Rei David. Em primeiro lugar, todos os vôos para dentro e fora de Port Moresby em Papua Nova Guiné foram cancelados no dia seguinte à nossa chegada por razões não especificadas. O resultado foi atrasar a chegada do representante do rei Davi, Mealagan Krishnan. Além disso, mesmo que houvesse vôos diários para a cidade de Arawa, a duas horas e meia da capital do Reino, esses voos foram misteriosamente cancelados durante a semana da nossa visita. Nós fomos obrigados a fazer um vôo para a cidade de Boka, depois, uma excitante 7 horas de carro do Reino e quando chegamos lá vimos que a estrada principal foi bloqueada por "um grande acidente" nos forçando a ir de barco e estradas secundarias.

Um último obstáculo literal foi levantado por bandidos da BCL que exigiram um suborno de US $ 1000 que nos permitisse passar. Quando eu disse a seu chefe "você não pode espremer sangue de uma pedra", ele respondeu: "Posso espremer o sangue de uma pedra". Depois de muito pechinchar, pagamos um suborno de dinheiro de $ 100 dólares e fomos autorizados a continuar no nosso caminho. No geral, nossa chegada foi adiada por 4 dias.

Finalmente, depois de conhecer o Rei, nos foi oferecido um passeio pela mina de Panguna no dia seguinte. No entanto, em vez disso, fomos despertados no meio da noite com um aviso de que 10 caminhões de mercenários e policiais corruptos estavam a caminho de tentar forçar os proprietários da mina Panguna a assinar os direitos da mina no BCL . Também nos disseram que tentariam nos matar.

Os moradores derrubaram árvores do outro lado da estrada e montaram bloqueios de estrada para impedir que os mercenários nos perseguissem depois que saímos. O conflito armado foi evitado no último minuto, mas o BRA nos disse que foi nossa chegada que levou ao envio dos mercenários.

Em qualquer caso, como resultado da nossa visita, nos tornamos atraentes para a ajuda internacional para permitir que os locais desenvolvam a mina por conta própria de forma ambientalmente amigável. O Rei promete que bilhões ou trilhões de dólares que fluirão da mina serão usados para ajudar as pessoas de Bougainville e do mundo.

Embora muitos dos Bougainevillianos que conhecemos andassem, descalços, eles carregavam telefones inteligentes e sabiam mais sobre a verdadeira natureza do sistema financeiro internacional do que um repórter médio do Wall Street Journal parece (eu conheci muitos deles ao longo dos anos). Prefiro que o rei David seja responsável pelo ouro de Bougainville do que os implacáveis e incompetentes gângsteres do banco central dos khazarianos que causaram tanto mal a este planeta e ao seu povo.

Tanto Rio Tinto Zinc quanto a BCL ignoraram várias tentativas desse escritor para contatá-los.


Autor: Benjamin Fulford 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...