Saul – “A intensa necessidade de se estar certo e dos outros estarem errados é um fenômeno egoísta humano muito comum”

Compartilhe esse artigo

Atualmente, enquanto a maioria das pessoas se concentra ou se distrai com o fluxo contínuo de notícias constantemente atualizadas da pandemia mundial, muitos estão muito preocupados e inquietos, uma vez seus governos exigem que fiquem em casa ou isolados, enquanto o Coronavírus grassa pelo mundo, levando doenças e mais ansiedade para muitos. 


Como sempre acontece com as epidemias e pandemias, isso vai passar. No entanto, enquanto estiver presente, vocês precisam tomar cuidados extras, cientes de quaisquer mensagens com as quais seus corpos apresentem para, em seguida, sintonizar e descobrir o significado delas. 


Seus corpos são capazes de sintonizar os reinos não físicos para acessar informações que não consigam acessar por meio de seus processos racionais de pensamentos intelectuais. Portanto, dedicar algum tempo um sossego solitário para meditar, ou apenas relaxar calmamente, pelo menos uma vez por dia, é essencial para o bem-estar e, fazendo isso, serão capazes de obterem acesso a esse lugar de paz e calma interior, seus santos santuários internos, onde reside o Amor. 


Ele está sempre lá, esperando para se revelar a vocês por meio de um abraço caloroso que podem sentir, sempre que relaxarem ou aquietarem seus temíveis processos de pensamentos “e se?”  e abram seus corações para recebê-Lo.


O Amor é a natureza de todos, portanto, durante esse período de confinamento geral, façam uso pleno e frequente da quantidade incomum de tempo livre que tem disponível para se conectar a Ele. Fazer exatamente isso é uma inatividade muito eficaz!  


A inatividade desse tipo permite que a consciência de suas Unidades com Deus e com todos os seres sencientes se intensifique e, na medida em que milhões de humanos estabelecem a intenção de fazerem isso, o senso coletivo de interconexão inseparável se torna cada vez mais consciente. Pessoas que nunca foram capazes de sentir a presença de entes queridos, familiares ou amigos que não estavam fisicamente presentes com elas, agora, estão começando a fazê-lo. 
No início, isso pode ser chocante ou perturbador, porque a grande maioria das pessoas acredita que essa habilidade seja um presente especial disponível, apenas, para alguns que sejam paranormais e médiuns. Definitivamente, não é esse o caso. Todo ser senciente tem essa capacidade, mas apenas alguns humanos permitiram que ela crescesse e se desenvolvesse dentro deles. 

Muitos que experimentaram isso na infância, antes dos sete anos de idade e conversaram sobre isso com seus pais ou irmãos mais velhos, lhes foram dito que estavam imaginando coisas, que era uma ilusão e, portanto, precisando de aprovação dos outros para não ser ridicularizados, se fecharam.


Mas é claro que a ilusão é o que a maioria dos humanos experimenta o dia inteiro, todos os dias no mundo físico material da forma em que vivem suas vidas diárias como seres humanos. Isso não é realidade! Realidade é Amor, é Unidade, é Mãe/Pai/Deus, que é o que todos buscam quando ficam desiludidos e desapontados com a vida na forma e com o estresse e a tensão quase constante que a vida na fisicalidade implica.


A vida na forma sempre foi difícil, porque a forma limita muito suas habilidades criativas, ao mesmo tempo em que os leva a acreditar que têm apenas uma vida na fisicalidade forma e que essa seja a única vida disponível para vocês. 


A vida, como a Realidade, é eterna, no entanto, a vida na forma é temporária e, se acreditam, como muitas pessoas, que realmente seja a única vida disponível, isso também contribui enormemente para o estresse e a ansiedade. 


Tanto que leva muitos a uma necessidade intensa e interminável de cuidarem apenas de si mesmos, o eu separado que acreditam ser, independentemente das consequências que as atitudes e comportamentos resultantes possam ter sobre os outros ou no planeta. 


A história da humanidade está repleta de demonstrações das consequências dessa crença, enquanto homens se atacam uns aos outros ao longo da história registrada, fazendo com que um grande número de pessoas passe por enorme sofrimento totalmente desnecessário. 


Ao longo dos tempos, muitos sábios tentaram convencer as pessoas a honrar e respeitar todos os outros, todavia, geralmente falharam em fazê-lo, simplesmente porque o medo entusiasticamente incentivou as pessoas a rejeitar, desdenhar e frequentemente atacar fisicamente aqueles que têm diferentes visões políticas, cores, cultura, ou, principalmente, até muito recentemente, por causa de suas diferentes crenças ou persuasões religiosas. 


No entanto, nos últimos anos, a insanidade desse modo de vida tornou-se inevitavelmente aparente para quase todos e, no entanto, parece que não há maneira possível de criar ou estabelecer uma vontade coletiva que reconheça, respeite e honre sua interdependência coletiva. 


Sim, muitos grupos se formaram e muitos grupos de reflexão surgiram para discutir e considerar maneiras de ir além dessa insanidade atual, todavia, as ideias diferentes sobre como seguir adiante tendem a ser muito divisórias. Isso ocorre porque, muitas vezes, as pessoas são polarizadas por causa do método “ou” pensamento racional que está arraigado em quase todas as suas culturas.

A intensa necessidade de se estar certo e os outros errados é um fenômeno egoísta humano muito comum e, como estão lendo ou ouvindo, sabem muito bem que esse fenômeno amoroso e extremamente divisivo é especialmente notável naqueles que buscam cargos políticos de qualquer tipo e naqueles que são as principais figuras de autoridade em grandes organizações, de governos a industriais/empresariais e, também, educacionais e religiosas. 


Em qualquer lugar, nenhuma organização fica sem sua parcela de indivíduos egoístas, absolutamente convencidos de que estão sempre certos!


Durante os próximos meses, as principais mudanças que ocorrerão, na medida em que as pessoas tiverem mais tempo disponível para olhar e realmente observar suas próprias atitudes egocêntricas e crenças autogovernadas – atitudes e crenças que podem e facilmente veem e identificam em outros, mas que desconhecem ou não querem reconhecer por si mesmos – são as mudanças essenciais que levarão a uma experiência generalizada que o Cristianismo tem, em inúmeras ocasiões, procurado, mas nunca encontrado e que chamou de “Céu na Terra”! 


Deus é Amor e, cada um de vocês – todo ser humano e todo ser senciente – é UM com Deus. Não existe separação. A separação da Fonte é impossível, porque a Fonte, Mãe/Pai/Deus, a Inteligência Suprema, a Sabedoria Divina, a Aceitação infinitamente amorosa, compassiva e incondicional de tudo o que existe é Tudo o Que Existe, vivendo num estado de perfeita, harmonia consigo mesmo. Isto é o Céu! Não existe outro lugar.


Mas por eras, por causa da escolha coletiva de experimentar a separação, uma escolha que a Fonte honrou – porque tudo o que é criado é criado completa e totalmente livre para ser o que escolhe ser – vocês experimentaram a si mesmos como separados do Céu. No entanto, estão no Céu em todos os momentos de suas existências eternas. Mas, por causa dessa escolha, parece que não estão e onde o ambiente em que parece estarem vivendo apoia totalmente essa escolha.


Portanto, este é um momento de CELEBRAR, porque, coletivamente, a Humanidade, finalmente mudou de ideia e inverteu sua escolha de experimentar estar separada da Fonte, Amor, Mãe/Pai/Deus. 


Portanto, estão prestes a se lembrar e saber que, de fato, estão em um estado de “Céu na Terra”, pois a paz e a harmonia são abraçadas por todos e cada um de vocês e a aparente necessidade de conflito e divisão competitiva, que o estado de aparentemente separação exigiu por eras, simplesmente desapareceu, permitindo que cada indivíduo reconhecesse em todos os outros o Amor infinito que é Tudo o Que Existe.


Com muito Amor, Saul. 

Canal: John Smallman 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge

Veja mais mensagens do Saul Aqui

Compartilhe esse artigo

About Author