Jennifer Hoffman – “Obtendo os sinais e a confirmação do espírito”

Compartilhe esse artigo
É outra grande semana, pois temos o Equinócio no dia 22, o dia em que temos uma quantidade igual de escuridão e luz. Lembra do equinócio da primavera em Março? Certamente já passamos por muitos e a quarentena e o isolamento afetaram a todos de maneiras imprevistas e inesperadas. Podemos nos recuperar e ressurgir, e o faremos. Também podemos usar essa experiência como um trampolim para uma maior autoconsciência e empoderamento.
Não é útil perder o tempo lamentando o passado. O passado é “imutável” e é sua própria realidade, onde podemos passar o resto de nossa vida em intermináveis ​​ciclos de traumas ou podemos usá-lo como um trampolim para uma realidade nova, mais fortalecida e expandida. O fator decisivo é se vamos “mover a agulha” ou mudar o registro. Você entenderá melhor  essas frases se lembrar dos discos de vinil e do toca-disco.
Lembro-me dos dias em que a única maneira de ouvir música era no rádio ou em seu toca-discos. Eu tinha um pequeno que ganhei de Natal um ano e uma coleção estimada de 45 discos. Toquei tanto os meus favoritos que alguns deles se arranharam e quando os tocava a agulha ficava presa em alguns lugares. Eu teria que mover a agulha para terminar de tocar a música ou mudar o disco.
Mover a agulha nos tira do lugar e avançamos novamente. Mudar o registro explora novos potenciais. O que é melhor para você e o que é certo para você agora? Você pode escolher e fará a escolha certa.
O passado é a sua própria realidade em que permanecemos por meio de um ciclo interminável de traumas, o que repete nosso trauma indefinidamente.
A única maneira de interromper o ciclo é mover a agulha ou mudar o registro.

Temos que aprender com o passado, não viver no passado.
Os ecos da energia do passado ressoam em nossas vidas até que decidamos mover a agulha ou mudar o registro.
O passado não pode ser “mudado” de forma alguma – devemos aceitar isso.

Podemos viver no passado ou no presente, mas não em ambos ao mesmo tempo.
O passado não tem poder para nós e seu propósito é ser um trampolim para um presente mais fortalecido, expandido e iluminado. Mas não é assim que o usamos.
Não é o passado que é o problema, é como nos lembramos do passado e o que lembramos dele. Lembra-se do meu comentário sobre ecos de energia? Este é o passado revisto e revivido.
Podemos reviver o passado em nosso presente ou podemos criar um novo paradigma de altas vibrações para o presente usando o passado como referência.
O que eu quero relembrar em minha realidade atual?
O que eu quero liberar do meu campo de energia?
Eu quero apenas mover a agulha ou é hora de mudar o registro?
O que colhemos do passado que é útil e relevante para hoje e o que deixamos que é o que não queremos ou não precisamos mais?
Mas, para não precisarmos disso, também devemos estar longe dos ecos de energia. Impressões e da finalidade a que serve.
Por quanto tempo queremos ficar com raiva, chateados e frustrados com o passado?
Você tem o poder sobre as escolhas e esta decisão. Faça a escolha certa para si mesmo.
Autor: Jennifer Hoffman 
Facebook: Jennifer Hoffman
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui
Compartilhe esse artigo

About Author