Contatados

Depoimento real de contatados. 

Boa leitura,

Gabriel


Eu e minha esposa Bianca, esposa na época, viajávamos de carro do Rio de Janeiro, onde morávamos, para Belo Horizonte, Minas Gerais. Quando estávamos distantes cerca de 300 km do Rio de Janeiro, em Matias Barbosa, eu senti muito sono, um sono estranho, comecei a bocejar muito e não conseguia mais dirigir o carro, avisei a Bianca que ia parar no acostamento nem que fosse para dormir uns 15 minutos. Parei e dormi pesadamente. Bianca ficou acordada, pois se os dois dormissem não chegaríamos pela manha em Belo Horizonte, o que era nossa finalidade. Momentos depois, segundo Bianca, ela avistou uma luz, embora o céu estivesse escuro e sem estrelas, havia chovido na Serra do Mar, ela entendeu que aquela luz era um balão em um primeiro momento, e a mesma foi se aproximando do local onde estava o nosso carro, de repente, a luz se apagou, ela achou que o balão tinha apenas se apagado. Ela estava se distraindo com a luz que a mantinha acordada. Subitamente como se fosse um relâmpago surge uma luz azul, forte que iluminou a região, ela avistou um objeto escuro que vinha velozmente em direção ao nosso carro, como se fosse se chocar conosco, ela deu um grito de terror dizendo “Acorda Hermínio! O avião vai bater, vai cair sobre o carro!”. Acordei, e com aquele susto quis sair do carro, mas não consegui, da maneira que despertei fiquei totalmente enrijecido. Não conseguia mais falar, mexer o pescoço, os braços, aqueles momentos foram de muito pânico para mim, eu achava que tivéssemos morrido, os pensamentos ali vão a mil por hora e o coração também, fiquei envolvido pelo medo, por uma sensação estranha, como se estivesse sendo sugado ou andando em um elevador em grande velocidade.

De repente senti meu corpo voltar ao normal e já não estávamos mais na estrada, e sim dentro de uma sala toda iluminada. Ali não havia focos de iluminação, a sala resplandecia, era como se as paredes emitissem luz, clara como a luz do Sol. Tudo era muito estranho e nos dois em pânico, o carro também estava nesta sala e comecei a me perguntar, o que aconteceu? Nos morremos? Se morremos, como o carro pode estar aqui? Que lugar e este? Eu tentava acalmar Bianca, porem também estava muito nervoso, tentei passar para ela que talvez estivéssemos participando de uma experiência de americanos ou dos russos, já que, naquela época existia a conhecida guerra fria entre eles. Na nossa frente havia uma escada em forma de espiral que terminava no teto, mais nada. Quando subitamente abriu-se um tampão no topo da escada, começamos a ouvir vozes e ficamos felizes, já que esperávamos por pessoas para nos ajudar a entender e explicar o que estava acontecendo. Naquele momento ficamos conhecendo dois personagens que foram muito importantes para nos, devido a nossa expectativa. Eram pessoas iguais a nos seres humanos, fisicamente idênticos, porem, ficamos admirados, pois eles eram muito altos (mais de dois metros de altura), bonitos com um tom de pele bronzeada, os olhos eram verdes.

Eles desceram a escada, nos ficamos surpresos e admirados sem saber se olhávamos para a roupa que era um tipo de macacão resplandecente ou se para eles que possuíam uma beleza incomum, era diferente de tudo que já tínhamos visto. Um deles passou ao meu lado e foi para a traseira do carro e o outro foi para o lado que estava Bianca e começou a fazer gestos pedindo para que ela saísse. Quando ela saiu, em seguida sai também, a pessoa que estava na traseira do carro veio ate mim e me segurou pelo braço, eu batia na Mao dele para que ele me soltasse, dizendo-lhe: Me solte! Quem são vocês? O que vocês querem? Daquele lugar fomos conduzidos para outro local, abriu-se outro tampão, agora no solo daquele ambiente e descemos por uma escada e ali estávamos diante de um grande hangar. Naquele lugar havia inúmeros aparelhos idênticos a aquele que nos havíamos saído. Eram como duas bacias emborcadas. Ficamos sabendo que era um disco voador, não porque tínhamos conhecimento sobre isso, nem vontade de ver, porque eu era um líder religioso e não acreditava na possibilidade de existir vida em outros planetas, pra mim, a vida começava na Terra, se desenvolvia na Terra e ficava na Terra.

No interior da nave eles nos levaram para uma sala grande, com aparelhos totalmente desconhecidos por nos, onde fizeram vários exames em nosso corpo, não tiraram nossa roupa, apenas colocaram alguns aparelhos em nossos olhos, na pele, no braço e na região peitoral. Após terminarem os exames, nos colocaram em uma caixa transparente onde uma luz de cor alaranjada muito forte iluminou todo nosso corpo, os pelos do corpo nesta hora ficaram arrepiados, sentimos um formigamento muito forte e sensações diferentes.

Posteriormente ficamos sabendo que estes estranhos efeitos produzidos pela ação da luz em nosso corpo, foram para a retirada de tudo aquilo que poderia contaminá-los, porque quando fomos conduzidos de volta para o carro voltamos novamente para a mesma caixa transparente, para que fosse devolvido para o nosso corpo tudo aquilo que havia sido retirado.

Após estes exames fomos levados para outro lugar muito mais amplo e também repleto de aparelhos estranhos, onde fomos acomodados em poltronas redondas que se moldavam ao nosso corpo, os dois seres que nos acompanhavam também se acomodaram em poltronas semelhantes. Surgiu naquele ambiente outra pessoa que colocou capacetes em nossas cabeças, e também nos outros dois seres. Esses capacetes continham vários cabos, que foram ligados a uma maquina e a partir daí um dos seres começou a falar conosco em seu idioma próprio, sempre olhando para nos.

Bianca começou a responder e a conversar com ele e eu pensava como ela o esta entendendo? Neste momento escutei Bianca fazer alguns agradecimentos, responder a algumas perguntas e ele apontou para mim e a sua voz começou a ressoar dentro da minha cabeça, não era no sistema auditivo, ele dizia “seja bem vindo” eu fiquei sem palavras.


Comecei a lhe perguntar quem eram? De que nação vieram? O que queriam conosco? Ele me respondeu dizendo que seu nome era Karran, e que não eram de nenhuma nação, eles eram de um ponto distante ainda desconhecido dos seres da Terra, me assustei muito e entrei em um conflito com minha religião, com minha crença e minha Fe, eu entendia que estava diante de Satanás, que aquilo tudo era obra do diabo, comecei a fazer uma pratica, como a de exorcismo e gritar chamando a Jesus e a Jeova, para que, aquilo desaparecesse. Assim que acabei de falar tudo, nada desapareceu, eles continuavam ali e nos também, o ambiente continuou o mesmo e nada mudou, Karran queria saber de mim porque eu falava tanto em Deus e eu dizia que era um servo de Deus e ele me respondeu “o Criador Supremo de todo o Universo não precisa de escravos, não necessita de servos e sim de filhos”, ele também queria saber de onde eu tinha adquirido estes conhecimentos, então eu disse a ele que eram ensinamentos da Bíblia, que a Bíblia era a palavra de Deus, foi quando, novamente ele me disse “o Criador Supremo de todo o Universo não e conhecido por livros ou coisas semelhantes, mas sim, pela terra que você pisa, pelo ar que você respira, pelo alimento, pela visão, pelos sentidos e pelas coisas que estão criadas e não através daquilo que esta em um livro”. Isso fez com que minha Fe fosse caindo cada vez mais. Não conversávamos por telepatia, aquele aparelho que estava na minha cabeça, fazia as traduções do meu idioma para o dele e vice-versa, porem, ele não entendia algumas palavras que eu dizia e pedia que eu explicasse, imagine uma pessoa que tem uma capacidade cerebral e mental muito avançada, querer explicar a mim coisas sobre o Universo, sendo que, eu só sabia coisas da Bíblia, ficava difícil. O interessante e que ele conseguia chamar a atenção para pequenos detalhes, que não se percebe, que acaba mudando o ponto de vista em relação a Deus, em relação aos ensinamentos de Deus. O conhecimento de Deus se amplia não fica limitado a um livro, a uma religião, desperta um sentimento de amor a tudo, não apenas pelo Brasil, você passa a ver o planeta Terra como um todo não como nações e sim como uma coisa só, você volta transformado de uma experiência desta.