Mãe Maria - "A estrela diferenciada que tornará a apontar pela manhã, dar-vos-á o sinal que o meu amor por vós é infinito" - 27.12.2013


Gabriel: Queridos, leiam escutando essa melodia: Aqui

Que as bênçãos do amor tragam paz aos vossos corpos, mentes e corações.

Amados filhos, nesta hora, Eu, como vossa Mãe, venho trazer-vos as boas novas resultantes da vossa boa vontade nestes tempos. A boa nova que traz a libertação das amarras da dor e do descontentamento, para dar lugar a algo que não podeis imaginar agora como seres humanos. A boa nova, onde as promessas de Deus fazem-se cumprir, através dos homens do espaço que se desdobram para colocar o plano maior em ação, nutridos pela Luz de Deus e pelo desejo do vosso coração que é liberdade e paz.

Bem amados, vejam que o tempo da Nova Terra é chegado e está manifestando-se pouco a pouco em vosso ser, produzindo sensações nunca antes sentidas por vós na Terra. Estais a testemunhar o retorno do Cristo em vossos corações e as sensações que muitos de vós tiveram e estão tendo neste final de ano não pode ser comparada a energias sentidas em anos anteriores por este mesmo tempo.

Saibais, amados filhos, que as sementes que foram plantadas em vós estão sim a tomar forma, que o vosso sagrado está se tornando SAGRADO DENTRO de vós e não em uma imagem externa a vós próprios. Ao abrirem os vossos corações para a alvorada, ireis sentir naturalmente o que ela está a trazer-vos, elevando o vosso ser aos estados mais sublimes e libertadores.

Como programadores do vosso destino, estais a testemunhar com os vossos próprios olhos agora os lampejos das mudanças físicas, as quais os seus antepassados planearam e, agora, vós estais a dar mais força ao que eles começaram. 

O regresso do Cristo não pode ser completado até que todos os homens na Terra estejam cientes do poder da Unidade, e esse processo está em andamento e sendo provocado por até mesmo aqueles que considerais não despertos, porque a Luz de Deus está a brilhar sobre todos. Mesmo os que não entendem o que está a se passar estão colaborando com o plano maior.

Aqueles de vós que não conseguem ainda ver o mundo novo que está a manifestar-se, convido a um momento de silêncio, convido a me chamarem como a vossa mãe, convido a estenderem a vossa mão para mim, para que eu possa mostrar, com o meu amor, o amor adormecido em seu interior e, como mãe, chamá-lo ao despertar, podendo ver que, na verdade, era apenas uma questão de silenciar-se para ver e ouvir o soar do novo.

Permitam-se, nestes tempos, o acalmar do vosso ser, permitam-se sentir a paz que está bem aí, no mais íntimo de vós. Permitais que o não julgamento seja fixado na parte consciente do vosso ser. Permitais que o amor preencha-vos plenamente e não assusteis-vos com os sentimentos nobres que estão a preencher-vos lentamente como uma suave brisa.

No seu meio familiar, muitos de vós estão tendo a oportunidade de exercitar a paz e o amor, movendo-vos para fora de conflitos inerentes a mentes perturbadas pela dor e pelo descontentamento. Vós, filhos amados, levai a vossa plenitude de seres amorosos, cortando os laços que unem-vos a dor, libertando de qualquer ideia de culpa e medo que vos prenderam por muito tempo ao meio familiar caótico controlado pelos ensinamentos religiosos, deturpados por aqueles desejosos de poder e glórias terrenas. Permitais que o vosso amor liberte esses seres transtornados, movidos pela dor e desespero, dando a eles a chance de cura pelo poder do vosso coração amoroso. Mostrai, pois, queridos, que o amor é a chave para toda e qualquer cura.

Os laços familiares são apertados nestes tempos festivos, onde os homens festejam o nascimento do vosso irmão, o testemunho da Verdade. Nestes tempos, queridos, é o momento propício, para que possais desatar os nós que vos prendem aos vossos familiares de uma forma dolorosa, onde ressentimentos são trazidos e entram em conflito e negação, quando deparadas com a energia apaziguadora do Cristo amado. Bem amados, deixai, pois que o Cristo nascente em vós dissolva os ressentimentos, dores e tristezas relacionadas a quaisquer entes queridos vossos que, por algum momento tenham vos deixado tristes. Enquanto esses tempos são tempos de comunhão, ao mesmo tempo são tempos de absolvição, onde a proximidade com os vossos familiares dá a oportunidade de resolverem pelo poder do amor quaisquer situações não resolvidas anteriormente.

Deixai partirem-se os laços de responsabilidades centralizadas construídos ao longo das eras, nas quais a família sanguínea era tudo que tinham e os demais homens da humanidade não representavam a sua verdadeira família.  Amados, o tempo é de união com todos os seres da criação, de todos os reinos e sois responsáveis pelo bem estar uns dos outros, sem distinção. Permiti que Eu, a vossa Mãe, vos envolva no meu amor e paz, para que saibais que podeis libertar-vos de qualquer dor e ressentimento, de qualquer sentimento de culpa que tenhais guardado em vós, apenas deixai que o meu amor vos envolva, apenas permiti que o Cristo renasça em vós.

A estrela diferenciada que tornará a apontar pela manhã, dar-vos-á o sinal que o meu amor por vós é infinito e que os tempos são chegados onde o véu será erguido, onde tudo que estiver oculto vem a ser revelado, onde tudo que estiver em baixo será visto em cima e tudo que estiver em cima será visto em baixo, onde tudo que estiver fora será visto dentro e tudo que estiver dentro será visto por fora, onde quem é ela reconhecer-se-á também como ele, e quem é ele reconhecer-se-á também como ela. Nisso sabereis que a Unidade está sendo retomada.

Eu estou a abençoar todas as almas na Terra e a envolvê-los sempre no meu amor. Reforçando a minha promessa de que sempre estarei convosco, e, a um simples chamado vosso, sereis atendidos por mim, que sou a vossa Mãe em Cristo.

Bem amados, Eu vos deixo agora derramando sobre todos vós as minhas bênçãos e envolvendo a todos no meu manto de proteção, porque Eu Sou Maria, vossa Mãe.

Gabriel: Obrigado, Mãe.