AS NAVES DE MÃE MARIA

Compartilhe esse artigo


Desde a alta Idade Média, até os dias atuais, as
chamadas ‘aparições’ da Virgem Maria, ou ‘Nossa Senhora’ de MUITAS localidades
conhecidas por isso mesmo — como Fátima, Lourdes, Medjugorje, Guadalupe, e
atributos, como PAZ, BOM PARTO,
NAVEGANTES, ROSA MÍSTICA, APARECIDA, ACHEROPITA
e muitas outras – guardam ligações com os fenômenos atualmente classificados
como OVNI. Agraciados somos nos dias atuais pelas MENSAGENS de Mãe Maria que
nos são entregues pelos canalizadores, facilmente identificáveis pela doçura,
sabedoria, amor e preciosos ensinamentos que esse SER DE LUZ nos oferece, de
presente.

Mais recentemente sua NAVE tem sido citada mais
constantemente, na realidade uma Frota que a acompanha. Para o nosso
entendimento mais evoluído deste século XXI é simples perceber que os seres das
dimensões superiores sejam bem diferentes das imagens que as religiões cultuam
e padronizam.

É muito importante NÃO CONFUNDIR os Seres
(divindades para quem assim desejar) com as DOUTRINAS RELIGIOSAS. A história
desses Seres Iluminados USADA pelas religiões, principalmente as religiões
cristãs, não corresponde à Verdade, como muita gente já entendeu. Os dogmas das
doutrinas servem aos INTERESSES das cúpulas de cada religião, para manter o
poder sobre a consciência humana. NENHUMA das entidades cultuadas pelas
religiões TEM LIGAÇÃO com qualquer delas, assim como NÃO PERTENCE a nenhuma
delas.

Mas por maiores que sejam os esforços de ocultação
da Verdade, os detalhes que escapam ao controle nos contam a História e provam
que não existe NOVIDADE nenhuma no que está se tornando familiar para nós
nestes dias fabulosos que vivemos nesta linha do ‘tempo’.

A PRESENÇA INEGÁVEL das NAVES junto a Mãe Maria
está gravada, primeiro na arte sacra, notadamente nos séculos XIII, XIV e
notadamente no século XV. O quadro “MILAGRE DA NEVE”, do ano 1400 é a
representação mais evidente disso, mostrando Mãe Maria e Sananda à frente de
uma FROTA de naves; a obra pode ser vista até os dias de hoje na Itália. O fato
de a obra ser descrita como “Jesus e Maria em “nuvem lenticular”
só prova a tentativa de acobertamento. QUEM acredita que sejam
“nuvens”??? Digno de nota também é o detalhe de que os OVNIS, segundo
estudos ufológicos, estão muitas vezes ligados a fenômenos
meteorológicos. Vale
citar o trecho de uma resenha (sem crédito de autoria):


“O Milagre da Neve, do pintor Masolino,
supostamente retrata uma lenda que fala sobre uma queda de neve que ocorreu em
Roma em um dia de verão em agosto, no século IV. Enquanto os habitantes da
cidade investigam este clima incomum, Jesus e Maria sentam-se em uma nuvem para
observar a cena. Embora se possa argumentar que a nuvem representa o céu, há
muitas “nuvens” em forma de disco que enchem o céu atrás da nuvem de Jesus e
Maria.”” 
O Milagre da
Neve, de Masolino Da Panicali, ano 1400. Pode ser visto em Florença, Itália, na
Catedral Santa Maria Maggiori. É descrita assim: ‘Jesus e a Virgem sobre nuvens
lenticulares’.

Detalhe que mostra a evidente
frota de naves discoides, estendendo-se até o horizonte. Sobre os arcos, à
direita, é visível uma nave que apresenta cúpula.
A obra “Anunciação”, mostra claramente
uma nave dourada enviando um raio de luz, também dourada, a Maria, que recebe a
visita do Arcanjo Gabriel anunciando sua próxima maternidade.

Obra Anunciação, de Carlo
Crivelli, de 1486, está na National Gallery, Londres.

Detalhes de ‘A Anunciação’

A obra a Virgem e São Joãozinho (João Batista)
mostra uma nave provavelmente brilhante e um homem com seu cão, apontando para
a nave, às costas da Madona. 

Obra A Virgem e São Joãozinho 

Detalhes da nave e o homem com o cão

Em duas tapeçarias do século XV veem-se naves se
semelhantes ao fundo das cenas.
 


Tapeçarias da Catedral Notre Dame em Beaune Burgandy, França, século XV.
Muitas obras desse período apresentam representação
de naves, algumas explicitamente interferindo em acontecimentos, como “O
Batismo de Cristo”, do século XV. Um tema recorrente… 

O Batismo de Cristo, do século XVI, mostra uma grande nave dourada
enviando  raios diretamente para o local
onde João Batista e Jesus estão. Algumas escolas esotéricas entendem que nesse
momento do batismo, o homem Jesus de Nazaré recebe a iluminação e a conexão com
seu Eu Superior, o Cristo Cósmico 

No princípio do século XX, a mais famosa de uma
série de aparições da Virgem, atraíram uma
multidão
calculada atualmente em torno de 70 MIL pessoas
, no interior de Portugal.
As 3 crianças que estiveram em contato direto com Mãe Maria, em todos os dias
13, de maio a outubro de 1917 ficaram conhecidos como ‘pastorzinhos de
Fátima”.



Os pastorzinhos Jacinta, Francisco e
Lucia na Cova da Iria, um poço da localidade

A multidão presente na ‘Cova da Iria’,  local das aparições, em 13 de outubro de 1917


Na última aparição, em 13 de outubro, perante a multidão, ocorreu o fenômeno
que ficou conhecido como “Milagre do Sol”, assim descrito nos anais:

“A maior parte da multidão presente observou o chamado O
Milagre do Sol. A chuva que caía cessou, as nuvens entreabriram-se deixando ver
o Sol, assemelhando-se a um disco de prata fosca, podia fitar-se sem
dificuldade sem cegar. A imensa bola começou a girar vertiginosamente sobre si
mesma como uma roda de fogo. Depois, os seus bordos tornaram-se escarlates e
deslizou no céu, como um redemoinho, espargindo chamas vermelhas de fogo. Essa
luz refletia-se no solo, nas árvores, nas próprias faces das pessoas e nas
roupas, tomando tonalidades brilhantes e diferentes cores. Animado três vezes
por um movimento louco, o globo de fogo pareceu tremer, sacudir-se e
precipitar-se em zigue-zague sobre a multidão aterrorizada. Tudo durou uns dez
minutos. Finalmente, o Sol voltou em zigue-zague para o seu lugar e ficou
novamente tranquilo e brilhante. Muitas pessoas notaram que as suas roupas,
ensopadas pela chuva, tinham secado subitamente. Tal fenômeno foi testemunhado
por milhares de pessoas, até mesmo por outras que estavam a quilômetros do
lugar das aparições. O relato foi publicado na imprensa por diversos
jornalistas que ali se deslocaram e que foram também eles, testemunhas do
acontecimento.”

Os presentes observam  o “milagre do Sol” 



Algumas ‘explicações científicas’ foram aventadas,
sendo que a mais ‘aceita’ não se sustenta já do princípio onde a tese é
baseada, chega a ser engraçado:

“O
professor Auguste Meessen, do Instituto de Física da Universidade Católica da Lovaina,
afirmou que as observações relatadas foram efeitos óticos causados pela
prolongada observação direta do Sol. Meessen alega que as imagens residuais na
retina, produzidas após breves períodos de olhar fixo no Sol, são a causa
provável dos efeitos observados de dança. Semelhantemente, Meessen afirma que
as mudanças de cor testemunhadas foram provavelmente causadas pela estimulação
excessiva das células
fotossensíveis da retina.
Meessen adverte que milagres do Sol têm sido testemunhados em muitos locais
onde peregrinos cheios de religiosidade têm sido encorajados a olhar para o
Sol. Ele cita, como exemplo, as aparições em Heroldsbach
em 1949, onde os mesmos exatos efeitos óticos foram testemunhados por mais de
10 000 pessoas. O cientista descarta ainda a hipótese de, no caso de Fátima, se
ter tratado de um OVNI,
visto que este teria de ser demasiado grande para poder ser igualmente visto e
confundido com o Sol, à mesma hora, em locais situados num raio de 18 km dali. Meesen, contudo, não leva em
consideração o fato de os observadores de Fátima não terem contemplado o Sol
diretamente – premissa basilar para a sua teoria – antes de enxergarem o fenômeno.
Ainda, de acordo com os relatos da época, o céu estava encoberto por nuvens

(*), e o fenómeno começou a ser
presenciado logo que as pessoas olharam para o céu, sem nenhuma exposição
prolongada que causaria excitação na retina de quarenta mil pessoas de forma
tão sincronizada.” 

(*) chovia e as pessoas tinham as
roupas molhadas, que foram secas pela ‘luz’ emitida durante o ‘milagre’. N.do
A.  



https://pt.wikipedia.org/wiki/Milagredo_Sol

Choveu muito antes o início dos
fenômenos, não havia SOL para provocar “efeitos óticos”

As testemunhas olham para o céu, observando algo obviamente de
forte luminosidade

Fotos do dia do ‘milagre’ mostram um disco que certamente não é o
sol

A
Igreja de Roma assumiu os acontecimentos como “milagre”, e assim
permanecem até hoje. Neste ano do centenário dessa aparição de Mãe Maria as
celebrações terão uma nova conotação…
As obras de arte e os fatos que chegam ao nosso
conhecimento certamente são os poucos que ‘escaparam’ da ocultação sistemática;
é de conhecimento dos pesquisadores que os porões do Vaticano guardam obras
consideradas ‘heresia’ ou ‘proibidas’… Quanto aos fenômenos considerados
‘milagres’, já nos habituamos, durante o século XX, ao tratamento dado pelos
canais ‘fidedignos’ (cientistas, igrejas, forças armadas, etc.) aos fenômenos
inegáveis cuja ocorrência não pode ser desmentida, desqualificada ou
ridicularizada.
Neste século XXI já existe uma corrente de
pensamento, em Portugal mesmo, reconhecendo o ‘Milagre do Sol’ como um fenômeno
OVNI, surpreendentemente, para um país eminentemente católico fervoroso. Sinal
dos novos tempos,  mostra que as pessoas
estão despertando.
Nós, aqui neste blog Sementes das Estrelas, temos o
privilégio de receber as mensagens de Mãe Maria frequentemente, recebidas por
Gabriel Raio Lunar e outros canalizadores, dando inclusive detalhes e de suas
naves e do trabalho específico da frota neste planeta.
Assim, teremos o privilégio de ver chegar a Frota
Mariana, antes do que esperávamos (ao que tudo indica) e a bênção de saber o
que e quem estaremos vendo.
É um tempo fabuloso, grandioso, repleto de
‘milagres’.


GRATIDÃO, muita GRATIDÃO a MÃE MARIA e seu AMOR
INFINITO, sua dedicação à humanidade neste planeta.

VITÓRIA DA LUZ !!!

Sobre o assunto:
Texto e pesquisa: Cíntia Rabaçal

Fontes nos links – Obras e dados também na wikipédia

Copyright ©  2017 Cíntia Rabaçal

Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização do detentor dos direitos.
Em caso de autorização, citação do blog obrigatória
Direitos de reprodução: blog Sementes das Estrelas


Compartilhe esse artigo

About Author

Neva (Gabriel RL)