background

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

OS ARCTURIANOS – “HISTÓRIAS DE INICIAÇÃO: MENSAGEM DE RAHOTEP, O INICIADO - PARTE 1” – 22.09.2018


Nós somos os Arcturianos. Gostaríamos de falar sobre a Iniciação, incluindo a Iniciação Secreta e Sagrada do Amor Humano. O conceito de Iniciação pode ser bastante confuso, especialmente a Iniciação do Amor Humano. Portanto, desejamos compartilhar a história de dois iniciados com você.

Um deles é um homem, RaHoTep, que falará de sua iniciação no antigo Egito e o outro é uma mulher, Matia, que falará de sua iniciação em Delfos. Como as histórias deles são bem longas, RaHoTep compartilhará sua mensagem nesta reunião e Matia compartilhará a dela na próxima reunião.

Todos vocês têm realidades passadas / paralelas nas quais vocês passaram suas iniciações e serviram à Gaia como um grande Iniciado. Apresentamos essas histórias para ajudá-los a compreender melhor o processo de iniciação, bem como para acionar a sua memória de suas próprias "vidas de iniciação".

Sabemos que vocês tiveram essas vidas de iniciação porque vemos sua aura e porque vocês encontraram o seu caminho para o nosso Corredor. Enquanto RaHoTep e Matia contam suas histórias, permitam que suas próprias histórias de iniciação cheguem à superfície de sua consciência.

Neste encontro, apresentamos RaHoTep:

“Queridos, estou feliz em compartilhar minha história com vocês. Quando olho para todos os que estão no Corredor, meu coração se enche de alegria ao ver tantos iniciados. Espero que minha história seja de alguma ajuda e / ou conforto em seu próprio processo de ser seu verdadeiro EU Multidimensional na vida diária.

Discernir entre as ilusões dos nossos medos e a Verdade do nosso EU é um desafio que é mais difícil do que poderíamos imaginar. Sua tarefa é ainda mais desafiadora, pois vocês devem encontrar e completar suas grandes iniciações enquanto também são chamados a completar suas tarefas diárias de sobrevivência na terceira dimensão.

“Eu vivi em uma realidade onde aqueles que mostraram a promessa de alcançar a iniciação foram enviados ao Templo para estudar. Quando meus pais tiveram meu mapa de nascimento feito, eles aprenderam que meu destino não estava com eles, mas com o Templo. Talvez seja por isso que nunca senti o amor deles nos primeiros anos.

Não foi até eu entrar no Templo aos cinco anos de idade que vivenciei o amor que uma família pode oferecer. Estudei e servi quando era criança e era um jovem adulto. Minha juventude no templo estava repleta de instruções amorosas e maravilhosos amigos. Eu sabia que alguns no Templo não compartilhavam os meus sentimentos, mas eu adorava cada minuto disso. Senti como se finalmente tivesse voltado para casa.

“Comecei minha Iniciação Final com meu primeiro Retorno de Saturno quando tinha 28 anos de idade. Eu sei que com esta idade poderia parecer muito jovem para vocês, mas eu estive no Templo desde que tinha 7 anos. Meus professores me disseram que me consideravam pronto para a Iniciação Final, mas eu teria que esperar até receber minhas  instruções internas.

Disseram-me para informá-los quando meu Guia Interior, Radula, instruísse que era a hora. Essa instrução veio pouco depois que meus professores deram sua permissão. Quantas vidas eu tive que preparar para este momento? Uma onda de imagens vagas dessas vidas passou pela minha mente. No meu íntimo, senti um chamado do destino ainda não manifestado. Eu estava animado, assim como assustado.

“Eu sabia que os três resultados possíveis dessa Iniciação eram o sucesso, a insanidade ou a morte. Duas escolhas não eram aceitáveis ​​para mim. Embora eu não tivesse medo da morte, como eu sabia que era apenas um recesso, senti que ainda não havia cumprido meu propósito de encarnação.

Eu não queria que todos os anos de estudo e trabalho fossem para meu ganho pessoal apenas. Talvez quando minhas iniciações terminassem, eu saberia melhor qual seria o meu serviço.

“Finalmente chegou o dia. A lua estava cheia e eu estava pronto. Eu estava hospedado nos alojamentos localizados abaixo da Esfinge, construídos especialmente para aqueles que esperavam a iniciação. Desses aposentos, era apenas uma curta caminhada pelo deserto até a Grande Pirâmide, onde cada iniciado passava sete dias e sete noites nas profundezas da Pirâmide. Esses sete dias e noites eram usados ​​para rever vidas e lições passadas. Se eu passasse pela primeira parte, sabia que haveria mais, mas o segredo do resto da iniciação era estritamente guardado.

“Como o esperado, não consegui dormir na noite anterior. Ao amanhecer, três sacerdotes encapuzados chegaram à minha porta justamente quando os primeiros raios do Sol iluminavam o horizonte. Nenhuma palavra foi trocada. Os sacerdotes me levaram do meu quarto para o deserto. Eu sempre amei o deserto ao amanhecer e ao pôr-do-sol, justamente quando o Sol se elevava  ou desaparecia no horizonte. Os horizontes no Egito eram infinitos - infinitos como o Espírito.

“Enquanto seguia os sacerdotes até a Grande Pirâmide, refleti sobre o brilho dourado e suave da luz. Enquanto o deserto acolhia um novo dia, gostaria de receber uma nova vida. Senti um entusiasmo caloroso que combinava com o calor que se aproximava rapidamente do deserto. Eu estava em sintonia com toda a natureza. As vastas vistas do meu mundo exterior cutucavam minhas visões interiores para me preparar para o despertar. O deserto estava tranquilo, como minha mente, e uma brisa quente e suave acariciava meu rosto como se dissesse: "Boa sorte!"

“Sorri em resposta e silenciosamente segui os Sacerdotes quando entramos na Pirâmide. Embora o Sol estivesse pouco acima do horizonte quando os Sacerdotes e eu entramos na Grande Pirâmide, eu não estava preparado para a escuridão total que nos rodeava. Um dos sacerdotes levava uma pequena lamparina a óleo.

Foi a única coisa que eu pude entender quando penetramos mais e mais na Grande Pirâmide. Eu aprendi com minhas lições que a escuridão total na pirâmide era para nos preparar a enfrentar a escuridão dentro de nós mesmos.


“Finalmente, chegamos a uma pequena porta de madeira, de um estilo muito simples. Do brilho da única lâmpada, eu podia ver os grãos na madeira, uma trava dourada e um trinco aberto. Os sacerdotes me trancaram nesta sala por sete dias e sete noites - totalmente sozinho.

Eles abriram a porta,  e me instruíram a sentar em um simples tapete de papiro no chão de pedra. A lamparina de óleo foi colocada em uma saliência à minha direita junto com uma pequena vasilha de água.

“Esta lâmpada queimará por apenas três dias e noites. Depois disso, você estará em total escuridão.

“Estas foram as primeiras palavras proferidas pelos sacerdotes. Eles não disseram mais nada. Eu ouvi a porta se fechar e, com um som suave, o trinco foi fechado. Fechei meus olhos e comecei a meditar. Nesses sete dias, revi minhas lições desta vida e de todas as outras.

Eu fui para a terra dos mortos inúmeras vezes para dar penitência por qualquer coisa que eu tivesse errado. Eu revi todas as lições que eu já recebera em qualquer vida que eu pudesse acessar. Não me lembrei da lamparina a óleo e nem da água. Eu só me lembro do clique suave da trava. Este primeiro som externo ouvido em sete dias me levou de volta ao meu corpo físico.

“Quando os sacerdotes entraram na sala, vi seus rostos encapuzados por cima de outra lamparina a óleo, que um dos sacerdotes segurava. Eu lentamente acenei para eles para mostrar que eu ainda estava vivo e consciente. Eles balançaram a cabeça levemente em resposta e fizeram um sinal para eu me juntar a eles.

Levei um tempo para me levantar e, quando o fiz, não consegui andar. Eu me encostei na parede e pretendi que a força vital voltasse para as minhas pernas que tinham sido cruzadas em uma posição por sete dias. Os Sacerdotes pegaram minha lamparina a óleo, agora vazia, e a vasilha de água e esperaram pacientemente. Quando consegui andar, eles me levaram da sala.

“Eu não sabia para onde estava indo, mas sabia que, desde que sobrevivi à primeira parte da iniciação, eu teria permissão para fazer a próxima. Os corredores da pirâmide estavam tão escuros quanto antes, mas agora meus olhos estavam acostumados a isso. A pequena lamparina dos meus três guias brilhava como uma estrela para eu seguir. Os guias caminhavam devagar a princípio para me permitir me acostumar com o meu corpo, mas aceleraram o ritmo assim que souberam que eu poderia continuar. Nós avançamos para baixo, para baixo e para baixo.

“Eu compreendi que a Sala de Iniciação Final estava em algum lugar bem abaixo da superfície do deserto, exatamente abaixo do ápice da Grande Pirâmide. Finalmente, chegamos ao que parecia ser um beco sem saída. Um muro de pedra estava diante de nós. Os sacerdotes não pareciam desanimados com esta mudança de eventos e formaram um semicírculo em frente à parede. Enquanto eu ficava de pé ao lado esperando o que aconteceria a seguir, cada um dos Sacerdotes começou a emitir um tom, que eu pensei que certamente surgiria do núcleo de suas Almas.

“No começo, o tom deles parecia aleatório. Mas gradualmente, um padrão pôde ser discernido até que finalmente, houve um crescendo de belos tons harmoniosos. Quando o canto se desvaneceu na escuridão circundante, foi substituído por um estrondo baixo. Gradualmente, a parede começou a se mover para a direita. Atrás dessa barreira de pedra simples havia um par de portas douradas magníficas e ricamente esculpidas. Quando as portas foram lentamente reveladas, eu sabia que já tinha visto essas portas antes em minhas meditações.

Um dos Sacerdotes se aproximou das portas douradas e colocou uma mão em cada porta. As portas estavam tão equilibradas que, com o menor empurrão, elas se abriram para uma sala enorme. Os Sacerdotes gesticularam para eu entrar. As portas rapidamente se fecharam atrás de mim. Mais uma vez, ouvi o estrondo baixo da parede cobrindo todos os vestígios da sala de iniciação sagrada.

“O brilho da sala me cegou. Eu nunca tinha experimentado essa iluminação enquanto estava em uma forma física. Lentamente, lentamente, meus olhos se acostumaram com a luz e comecei a examinar a sala. Esta sala não era do meu Egito. Havia cúpulas e pilares cravejados de esmeraldas, rubis, diamantes, ametistas e jóias que eu não conseguia identificar.

Cores que eu nunca tinha visto estavam pintadas em muitas esculturas, estátuas e estatuetas que pareciam se mover como se estivessem vivas. De alguma forma eu sabia que tudo dentro da sala era muito antigo e tinha uma força vital maior do que qualquer coisa que eu já tinha conhecido. Essa era a arquitetura que eu só vira em minhas viagens internas à Atlântida.

“A grande cúpula central abrigava uma pirâmide menor que era uma vibração de luz e não uma estrutura física. Anubis e Thoth, os antigos deuses egípcios da Iniciação, estavam dentro da pirâmide de cada lado de um grande sarcófago. O sarcófago foi montado em um suporte de ouro puro com degraus prateados que levavam ao lado direito.

O sarcófago era feito de uma substância que eu não havia visto antes. Eu soube instintivamente que esta substância não era deste planeta e tinha sido dada à Terra milênios atrás por seus primeiros habitantes.

“O sarcófago foi esculpido de forma rudimentar e não egípcia, como as paredes ao meu redor. Senti que, embora o sarcófago fosse opaco, ele poderia se tornar translúcido se as alterações apropriadas fossem feitas pela mente do observador. Anubis fez sinal para eu entrar no sarcófago e Thoth assentiu em concordância.

Mais uma vez, não houve comunicação verbal. A jornada da porta para as escadas de prata foi a mais longa jornada da minha vida. Ao subir os poucos degraus, percebi que, se de fato eu vivesse para descê-los não seria a mesma pessoa de antes.

“Eu me deitei dentro do sarcófago. A substância era dura como pedra e ainda lisa e quente como a pele. Eu senti como se estivesse entrando novamente no útero. As paredes planas e ásperas pareciam se moldar lentamente ao redor da minha forma enquanto eu me acomodava no sarcófago. Eu não acho que eu poderia ter  mudado mesmo se tivesse escolhido.

Então Thoth inclinou a cabeça sobre a borda do sarcófago e fez três perguntas para mim em uma língua desconhecida. Eu não sabia quais eram as perguntas, mas sabia intuitivamente que elas eram de fato perguntas e que minha sobrevivência dependia da minha resposta a elas.

Enviei um chamado para o meu Guia Interior, Radula, quando vi a tampa do sarcófago me encerrar lentamente no meu túmulo. Silenciosamente, a tampa foi bem fechada para significar minha transição. Mais uma vez, eu estava sozinho.

“Se eu ficasse no túmulo por muito tempo, morreria. Havia pouco oxigênio interiormente, então, se eu mantivesse meu eu físico vivo, teria que elevar minha consciência para as dimensões superiores, de modo que eu pudesse alimentá-lo com o Espírito.

Eu sabia que não seria capaz de deixar meu corpo através do meu terceiro olho como havia feito muitas vezes antes. Eu procurei dentro de mim por um portal para libertar meu Espírito do confinamento de sua forma física. Comecei a sentir um medo profundo surgir dentro de mim, mas eu o afastei. Não devo permitir-me experimentar uma emoção que deixasse cair a minha consciência!

"Onde fica o portal para o seu EU Superior?"

“Agora eu entendi a primeira pergunta. Lembrei-me do canto dos sacerdotes do lado de fora da porta de pedra. Eu não podia usar minha voz, pois havia muito pouco oxigênio para desperdiçar, mas senti a vibração da tonalidade, assim como fiz com os três Sacerdotes. Como minha consciência não estava limitada a uma voz humana, eu fui capaz de cantar as três partes ao mesmo tempo.

A melodia e a frequência acalmaram meu medo e elevaram ainda mais minha consciência. Eu me encontrei me concentrando em uma porta dentro da minha cabeça, no centro do meu cérebro. Enquanto eu continuava a entoar, algo sólido, como a porta de pedra, começou a se abrir, e atrás dela estavam as mesmas portas douradas que eu tinha visto ao entrar nesta sala.

Essas portas se abriram para dentro. Mais uma vez eu as atravessei e senti-as rapidamente se fechando atrás de mim. De início, não vi nada além da luz dourada, que envolvia todas as células e átomos de minha forma e consciência.

“Então, lentamente, ao longe, vi um vórtice começando a se formar. Ele começou a girar, devagar a princípio, e depois mais e mais rápido. Era dourado, prateado, azul, violeta e as outras cores que eu tinha visto pela primeira vez na sala do lado de fora do sarcófago.

Senti um impulso para entrar no vórtice, e com a minha decisão de fazê-lo, ele ficou de repente diante de mim. Eu caí no centro e me encontrei girando cada vez mais rápido através do espaço atemporal.

De início, fiquei tonto, mas depois o giro tornou-se tão intenso que me senti totalmente imóvel, mas, ao mesmo tempo, senti como se cada célula e átomo tivessem acelerado sua vibração em resposta ao giro. Então, com um estalo, meu giro parou e eu me vi no meio de um grande vazio. Eu me tornara da quinta dimensão e tudo estava calmo.

"Onde fica a Cidade de Cristal?"

“Com a segunda pergunta, havia uma luz dourada diante de mim que se tornou uma forma dourada - o meu Complemento Divino. Ela veio na forma de uma mulher desde que eu encarnara como um homem. Nós nos abraçamos em profunda reunião e amor. Ela olhou nos meus olhos e sussurrou: "Eu vou levá-lo para o Lar agora".

“Então nós estávamos em Vênus. Ela se espalhou diante de nós com toda a beleza e harmonia que eu tinha lembrado do fundo da minha alma por todas as minhas vidas. Meu coração se abriu em uma explosão de Luz e Amor que teria explodido meu corpo de terra se eu estivesse em minha consciência tridimensional.

A 2ª parte será publicada em breve.


Canal: Suzanne Lie PhD 
Tradução: Regina Drumond - reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Os Arcturianos Aqui

Poderá também gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...