BENJAMIN FULFORD - "ATUALIZAÇÃO SEMANAL"



26.08.2019

PENTÁGONO PLANEJA DEPORTAR SIONISTAS, NA MEDIDA EM QUE A REDEFINIÇÃO MONETÁRIA GLOBAL SE APROXIMA.

O complexo industrial militar dos EUA está fazendo sérios movimentos contra os Sionistas, preparando-se para expulsar muitos deles para uma zona autônoma judaica na Sibéria, dizem fontes do Pentágono, enquanto o Pentágono e seus aliados estão muito ansiosos para assumirem o controle Sionista. Até mesmo os, banqueiros centrais e líderes do G7 reunidos na semana passada em Jackson Hole, Wyoming e Biarritz, na França, admitem que é necessária uma mudança de paradigma econômico. Esses movimentos estão relacionados a uma Redefinição Monetária Global que acabaria com o controle Sionista de bancos centrais privados, dizem as fontes.

Agora, toda uma enorme quantidade de figurões do establishment está publicamente pedindo por uma reinicialização financeira. Entre eles estão a chefe do FMI, Christine Lagarde, o Presidente russo Vladimir Putin, o presidente chinês Xi Jinping, economistas alinhados aos Rothschild e outros. Todos eles pedindo a substituição do dólar por uma nova moeda internacional. Tal moeda, quase por definição, ficaria fora do controle sionista uma vez que os interesses da economia mundial e os do governo corporativo dos EUA, controlado pelos Sionistas, estão em conflito.

“A guerra comercial é uma frente para a redefinição global da moeda”, confirmam fontes do Pentágono. O Presidente dos EUA, Donald Trump, chamou os diretores executivos do JPMorgan Chase Bank, do Bank of America, do Citigroup e outros para obter apoio para sua posição sobre a guerra comercial, disseram as fontes. O cancelamento, por parte do JPMorgan Chase de todas as dívidas de cartão de crédito no Canadá, a implosão do Deutsche Bank, a exposição à fraude da General Electric, a desvalorização do iuane e um dólar lastreado em ouro fazem parte do comércio contínuo do novo sistema, dizem elas.

Por mais que Trump faça alardes e chamadas, os números deixam claro que o novo sistema enfraquecerá o poder dos Estados Unidos. Atualmente, os Estados Unidos respondem por apenas 10% do comércio mundial, no entanto, mais de 70% do PIB mundial usa o dólar dos EUA como moeda âncora, segundo o Banco da Inglaterra. Isso se torna óbvio que qualquer Redefinição Monetária Global  tiraria o enorme poder da corporação dos EUA.

Na semana passada, Trump admitiu que poderia “declarar uma emergência nacional” sobre a questão porque anualmente “perdemos quase um trilhão de dólares por muitos anos”.

Isto é o mais próximo que um presidente americano em exercício chegou ao ponto de, publicamente, declarar falência. Outras declarações e ações de Trump apontam para alguma crise existencial. Ele tentou assumir a Groenlândia e seus recursos, cobrar dos aliados custos totais das bases militares dos EUA “mais 50%” e colocar tarifas sobre tudo o que é chinês, tudo por causa dessa iminente inadimplência, concordam várias fontes.

Militares dos EUA estão se preparando para grandes mudanças, colocando o Exército sob comando dos militares enquanto a Marinha assume o controle das várias agências de inteligência, disseram as fontes do Pentágono. Isso significa que o novo chefe de todas as agências de inteligência dos EUA fontes do Pentágono. Isso significa que o novo chefe de todas as agências de inteligência dos EUA é o ex-vice-almirante da Marinha, Joe Maguire, o novo Diretor da Inteligência Nacional, de acordo com fontes do Pentágono. Maguire assume o comando, após a demissão de “não apenas do ex-Senador Dan Coats, mas também do seu adjunto e [ex-Diretor da CIA John] Brennan e Sue Gordon, lacaio da CIA”, dizem. 

O governo militar, de fato, dos EUA “declarou guerra à máfia judaica no seu dia mais triste, o Tisha B’av”, dizem as fontes.

Documentos relacionados ao chantagista pedófilo Jeffrey Epstein foram abertos no dia 9 e “ele foi ‘suicidado’ em 10 de Agosto para acelerar a acusação de outros, já que todas as evidências, agora, são admissíveis sem nenhum contratempo judicial”, dizem as fontes do Pentágono.

“O primeiro templo, destruído em 586 AC, o segundo templo em 70 DC, a expulsão da Inglaterra em 1290, a expulsão da Espanha em 1492 e, agora, a máfia Sionista no Tisha B’av pode levar a transferências forçadas para a zona autônoma judaica no Extremo Oriente russo, na medida em que os judeus recebem justiça cármica por seus séculos de perfídia anti-goy”, declaram  fontes do Pentágono.

Tais fontes acrescentam que “Epstein,  aparentemente, seria um operacional militar que pode ter sido exilado para erradicar as operações de chantagem do Mossad no Ocidente, os parasitas Sionistas, o megagrupo AIPAC e toda a quinta coluna israelense”.


“Numa volta da vitória sobre satanistas e Sionistas, Epstein ‘morreu’ aos 66 anos, 6 meses, 22 dias = 66,6 anos às 6 da manhã do dia de luto judeu”, continuam as fontes.

“O dia 10 de Agosto é também o 70º aniversário do Departamento de Defesa, que varreu a Ilha Epstein com satélites multiespectrais, na investigação de pedofilia homicida e outros crimes hediondos”, dizem.

As fontes também dizem que, “Trump habilmente expôs Bibi (Primeiro-Ministro israelense, Benjamin Netanyahu) aos congressistas de bandeira Muçulmana, Ilhan Omar e Rashida Tlaib, expondo Israel como um estado opressivo, fraturando o apoio bipartidário, enquanto impulsiona o BDS [o movimento Boicote, Desinvestimento, Sanções]. Bibi, o criminoso de guerra do 11 de Setembro e 11 de Março, parece agora um lacaio de Trump que pode não ganhar a reeleição.

O fato de Trump ter declarado “inimigos” o presidente chinês Xi Jinping e o presidente do Fed, Jerome Powell, deixa bem claro que a falência dos EUA está conduzindo à reações antissionistas e anti-China. No entanto, o problema real não é tão simples.

O governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, deixou isso claro num discurso muito interessante, para seus colegas banqueiros centrais, na semana passada. De acordo com Carney, existem falhas profundas no Sistema Monetário e Financeiro Internacional (IMFS) causadas em grande parte por “uma assimetria desestabilizadora no coração do IMFS” – o dólar americano. Os Estados Unidos representam agora 10% do comércio mundial e 15% do PIB mundial, mas “o dólar serve como âncora monetária nesses países, representando mais de dois terços ou mais de 70% do PIB mundial”.

As economias de mercado emergentes (EMEs) que, em grande parte, estão excluídas da gestão do FMIS agora, representam 60% do PIB global e serão responsáveis por 75% até 2030, diz ele.

Sua exclusão do controle do sistema financeiro desacelera o crescimento econômico para “cinco sextos da economia mundial”.

Carney, também, tem como objetivo o atual regime de taxas de juros ultrabaixas, observando que “Os exemplos passados de taxas muito baixas tenderam a coincidir com eventos de alto risco, como guerras, crises financeiras e rupturas no regime monetário”. Carney conclui dizendo: “Vamos acabar com a negligência maligna do FMIS e construir um sistema digno da economia global diversicada e multipolar que está emergindo”.


Curiosamente, a análise de Carney veio quando o Departamento do Tesouro dos EUA emitiu a seguinte declaração:

“O Secretário do Tesouro… deve considerar se os países manipulam a taxa de câmbio entre sua moeda e o dólar dos Estados Unidos com a finalidade de evitar ajustes efetivos na balança de pagamentos ou ganhar vantagem competitiva injusta no comércio internacional. O Secretário Mnuchin, sob os auspícios do Presidente Trump, hoje designou a China um manipulador de moedas.


O Presidente Trump tuitou, “ao longo de muitos anos, estupidamente, nosso país perdeu trilhões de dólares com a China. Não precisamos da China e, francamente, estaríamos muito melhor sem ela”. Ele, também, tuitou, “A pergunta que está sendo feita é: Por que estamos pagando muito mais em juros do que a Alemanha e alguns outros países? A resposta, é claro, é que o dólar americano tal como existe atualmente não é bom para a economia dos EUA.

A solução proposta por Carney é substituir o dólar pela “libra”, uma moeda criptográfica, controlada por seus antigos chefes da cabala. No entanto, a solução real, é claro, é algo que seu correspondente vem dizendo há anos: Os EUA precisam emitir uma nova moeda separada do não mais dólar americano da ONU.

Uma fonte do comitê dirigente das 13 linhagens de sangue que controlam o velho sistema diz: “No grande esquema das coisas, estamos indo muito rápido; no banco de investimento chama-se aceleração”. A fonte, um membro da realeza real europeia, diz que uma futura agência de planejamento está sendo ativamente considerada. Teria uma estrutura de votação baseada na atual realidade mundial e não no mundo existente, após a Segunda Guerra Mundial, quando o sistema que agora utilizamos foi criado, diz ela.

O mundo é como um superpetroleiro gigante com tanto ímpeto que a sua recuperação demora muito tempo, mesmo que haja um novo capitão que queira mudar de rumo. É por isso que, embora a mudança esteja ocorrendo muito rapidamente, através, de medidas tradicionais, o progresso parece muito lento. No entanto, será interessante ver o que acontecerá por volta da data de 30 de Setembro, em que a corporação dos EUA terá que fazer pagamentos a credores internacionais. Este escritor não é um investidor de fundos de cobertura, mas se fosse, apostaria na volatilidade deste Outono.

Se o Ocidente não fizer nada de decisivo até lá, é uma boa aposta que os asiáticos se movimentem após o Ano Novo Chinês de 2020. Se o fizerem, lembrem-se que os chineses são muito cautelosos, mas quando se movimentam, vão com tudo.


Autor: Benjamin Fulford 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui