JULIE REDSTONE - "O IMPERATIVO DIVINO"




A chamada está vindo agora mais urgentemente para a Terra, para que haja a  separação daquelas forças que criariam conflito, divisão, inimizade e alienação, uns dos outros, e unir-se àquelas forças de luz e amor que promovem a unidade, a colaboração e o respeito pela essência Divina dentro de cada ser humano. Cada um de nós está sendo solicitado a entrar em foco agora, para esclarecer o nosso propósito de estarmos aqui e agirmos de acordo com esse propósito. Pode-se afastar deste chamado.

Pode-se prestar atenção às distrações da vida de que existem muitas, mas sempre, isto depende de cada um..

Neste tempo de aumento da violência neste país, e neste tempo de projeção do medo e perigo para os outros que são considerados diferentes de nós e que ameaçam a nossa própria segurança, estamos sendo solicitados a aceitar a todos, independentemente de suas experiências, da cor da pele, da religião, do ponto de origem ou da viabilidade econômica. Estamos sendo solicitados a aceitar a sua humanidade, a respeitar a sua  humanidade e o coração dentro deles que bate no mesmo ritmo humano-divino que o nosso próprio coração.

Não podemos nos dar ao luxo de não fazer isso. Não podemos nos dar ao luxo de acreditar que nossa capacidade de amar seja tão fraca e tão limitada que só podemos amar pessoas que se parecem conosco ou que carregam os sinais exteriores com os quais podemos mais facilmente nos identificarmos. Nós devemos reconhecer a vastidão do nosso amor que é capaz de se estender àqueles cujos meios externos e vida exterior é muito diferente da nossa, mas que merecem o mesmo respeito que desejamos para nós mesmos. Entre esse grupo estão aqueles muitos, muitos milhões que são sem-teto, que não têm posses, limitados na mente ou no corpo, temerosos e sim, mesmo aqueles que estão com raiva e não querem nos amar em troca. Estamos sendo solicitados a estender a vastidão do nosso amor até mesmo para estes.

Nosso eu menor pode se afastar de tal tarefa. Pode parecer que o perdão de certos indivíduos ou grupos não esteja no reino da possibilidade. Pode parecer que suas próprias preocupações ocupam todo o espaço disponível e energia dentro de nosso próprio coração. Nosso eu maior, conectado com nossa alma, não pensa assim. Ele não diz "Eu preciso de mais para mim e por isso está tudo bem que haja menos para você".

Nosso Eu maior deseja conceder a todos os seres igual respeito pelas suas necessidades. Ele não é possessivo, mas generoso. Não retém, mas dá. Não teme, mas confia. Nosso eu maior vive no Divino e com o imperativo Divino percorre seu sangue espiritual. Este imperativo diz: "Ama o seu próximo como a si mesmo. ”Ele diz:“ Amem todas as criaturas, pois todas elas são filhos do Um ”.

A partir deste imperativo, podemos estender nosso cuidado até onde for possível, tanto em nossa vida pessoal, como em nossa vida coletiva. Nós podemos deixar de lado nossa separação e escolher acolher o amor que procura nos acolher. Este é o Amor Divino, o amor do Um que vive dentro de cada um dos nossos corações no mais profundo nível. Que este amor apareça agora para dissipar tudo o que procura diminuir o amor, e em seu lugar possa montar a bandeira que é emblemática de uma nação que não é apenas dedicada à liberdade, mas também à unidade. Esta bandeira é: "Entre muitos, um". É o objetivo de todo coração que assumiu encarnar neste momento.

Não importa qual seja sua persuasão exterior. Que esse coração cresça dentro de nós agora, acolhendo o amor que pode se tornar a base da nossa vida juntos na Terra.

Guruji-Ma


Autor: Julie Redstone
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Julie Redstone Aqui