background

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

BENJAMIN FULFORD - "ATUALIZAÇÃO SEMANAL"



16.09.2019 

MÁFIA KHAZARIANA TOMA ÚLTIMO IMPULSO PARA O FALSO ARMAGEDOM COM ÄTAQUE DO IRÃ" À ARÁBIA SAUDITA

A máfia khazariana, confrontada com a iminente falência da Washington DC Corporation, encenou um “ataque” contra a produção de petróleo da Arábia Saudita, numa desesperada tentativa de iniciar sua tão planejada Terceira Guerra Mundial, concordaram várias fontes.

O ataque teria um duplo objetivo:

1. Evitar a falência dos EUA aumentando o preço do petróleo, forçando países como a China a comprar petróleo dos EUA e,

2. Enganar as forças armadas iranianas e americanas para iniciar uma Terceira Guerra Mundial, dando início ao "Armageddon" e abrindo o caminho para Jared Kushner como  “Messias”.

A primeira coisa a se entender é que o “Líder Supremo” do Irã, Ali Khamenei e o Presidente dos EUA Donald Trump são funcionários da família Rothschild (Escudos Vermelhos satânicos ).

Aqueles de vocês que ainda estão bebendo o Kool-Aid da mídia corporativa, por favor, façam uma verificação independente dos fatos. Muitos de vocês sabem que é uma questão de conhecimento público que toda vez que Donald Trump falhou como empresário, foi salvo pelos Rothschilds. Por acaso, vocês sabiam que o aiatolá Khomeini, líder da revolução iraniana, na verdade era de origem britânico-indiana e filho de um funcionário da British Petroleum? Que BP de propriedade de Rothschild, então, era conhecida como Anglo-Iranian Oil? 


Aqui está o que um dissidente iraniano tem a dizer sobre o sucessor de Khomeini: “Todos os iranianos conhecem e odeiam Ali Rothschild (Khamenei)”.


Então, agora, temos o Presidente Trump, escravo de Rothschild, tuitando que: “A produção de petróleo da Arábia Saudita foi atacada. Há razões para acreditar que conhecemos o culpado, estão bloqueados e incriminados, com base na verificação”.

Depois, temos um líder iraniano, escravo de Rothschild, Khamenei, ordenando ao comandante da Guarda Republicana, Amir Ali Hajizadeh que diga que o Irã estava “pronto para uma guerra de pleno direito” e ameace que “as bases militares e porta-aviões dos EUA, que estão estacionados a 1.243 milhas ao redor Irã, estavam ao alcance dos mísseis iranianos”.


Parece  também que os principais líderes iranianos e norte-americanos estão em campanha pela reeleição, em 17 de Setembro do criminoso de guerra e assassino em massa, Benjamin Netanyahu, antes que o povo judeu acorde e o coloque na cadeia, lugar onde deveria estar.

Muitos membros da comunidade militar/de inteligência dos EUA ainda se apegam à esperança de que Trump esteja apenas seguindo os Sionistas como parte de um plano elaborado para removê-los do controle dos EUA.

Fontes do Pentágono dizem assim que Trump “estabeleceu Bibi [Netanyahu] para derrotá-lo com um tratado de defesa mútua”. As fontes dizem que “o controverso tratado de defesa mútua com Israel é contestado pelas Forças de defesa israelenses e pelo Departamento de Defesa dos EUA e pode nunca ser ratificado pelo Senado, uma vez que nem mesmo o a lei sobre os direitos do mar da ONU seria uma vez que apenas 34 senadores são suficientes para bloqueá-lo”

Além disso, “mesmo que ratificado, Israel não pode implementá-lo, porque os militares dos EUA não derramarão nem uma gota de sangue pelos Sionistas, quando estiverem cercados por mísseis S400, bombas nucleares submarinas, mísseis e drones avançados da Rússia, Irã e Hezbollah”, dizem as fontes.

Na semana passada, o ministro criminoso israelense, Netanyahu, visitou a Rússia em nome de seus chefes Rothschild, na esperança de obter apoio para os ataques israelenses contra o Irã. Em vez disso, o Presidente russo Vladimir Putin “leu para ele a lei anti-motim motim” e ameaçou abater qualquer aeronave israelense atacante, dizem as fontes do Pentágono.

Em vez disso, escreve Gordon Duff do Veterans Today (que tem amplos contatos com as forças aéreas dos EUA), realmente, foram os israelenses que atacaram a Arábia Saudita na tentativa de culpar o Irã.


Apesar de tudo isso, algumas de nossas fontes do Pentágono ainda parecem ter esperança de que Trump esteja trabalhando secretamente contra os Sionistas, mesmo que pretenda se dar bem com tudo o que eles querem. Dizem que Trump enviou “um aviso ameaçador a Israel, demitindo John Bolton, na véspera do 11 de Setembro e expondo a espionagem israelense na Casa Branca e no Congresso”. A negação pública de Trump da espionagem israelense foi apenas uma cobertura, parece acreditar a fonte. 


De qualquer forma, fontes do Pentágono dizem que a demissão de Bolton e uma vitória de Houthi sobre a Arábia Saudita “pode levar” a numa reunião “produtiva” entre Trump e o presidente iraniano Hassan Rouhani, na reunião da Assembleia Geral da ONU a ser realizada no dia 17 de Setembro. Trump “pode ser forçado a suspender as sanções ao Irã com o petróleo saudita offline para conseguir um encontro com Khamenei”, acrescentou a fonte. 

Além disso, o líder fantoche israelense “Mohammed bin Salman pode ser deposto, depois que os Sauditas foram derrotados com o ataque às instalações de petróleo perto de Riade”, disse a fonte. Isso “deve eliminar o IPO da Aramco, enquanto expõe os mísseis de defesa aérea Patriot como inúteis, desferindo um duro golpe na Raytheon e no Complexo Industrial Militar”, acrescenta. 

De qualquer forma, o ataque, aparentemente exagerado, às instalações petrolíferas Sauditas oferece benefícios de curto prazo para o governo corporativo dos EUA. Trump tuitou, “Autorizei a liberação de petróleo da Reserva Estratégica de Petróleo, se necessário, numa quantidade a ser determinada suficiente para manter os mercados bem abastecidos. Também informei todas as agências apropriadas para acelerar as aprovações dos oleodutos atualmente em processo de licenciamento no Texas e em outros Estados. 

Traduzindo: “Evitaremos a falência em 30 de Setembro vendendo mais petróleo”. .

Num sinal que esta medida foi planejada com antecedência, fontes da Sociedade Secreta Asiática e do CSIS, nos dizem que os ex-primeiros-ministros japoneses Junichiro Koizumi e Yasuhiro Nakasone foram presos, como relatado em 02 de Setembro, por agentes que trabalhavam para um servo dos Rothschilds, Michael Greenberg. Foram liberados depois de prometerem fazer lobby contra a energia nuclear e pressionar o Japão a comprar mais petróleo da Corporação dos EUA, dizem as fontes. 

Estes esforços para evitar a falência acontecem, na medida em que a Commonwealth Britânica, os chineses, os russos e a maioria do resto do mundo estão tentando convencer o Complexo Industrial Militar dos EUA a permitir que o governo corporativo dos EUA fracasse. 

A Corporação dos EUA, que tomou o lugar da República dos Estados Unidos da América em 1871, tem sido um desastre para o povo americano, especialmente nos últimos anos. Para 90% dos americanos, os padrões de vida reais vêm caindo desde 1972; os EUA têm a maior taxa de encarceramento em prisões do mundo; as despesas médicas são as mais altas do mundo, mesmo com a queda da expectativa de vida; os padrões de educação são sombrios e os fanáticos sionistas controlam um Congresso que 90% dos americanos não apoiam.

O plano em discussão é substituir a Corporação dos EUA por um Estados Unidos Democrático da América do Norte. Nesse plano, a elite invicta das Forças Armadas do Canadá se juntaria com as Forças Armadas dos EUA. Enquanto isso, os americanos obteriam uma boa governança, melhores cuidados de saúde, padrões de vida mais elevados, menores taxas de criminalidade, etc. Este  plano não planeja colocar os americanos sob o controle do filho Castro e  provável assassino  de seu irmão, Justin Trudeau, prometem fontes do MI6.

Para aqueles que pensam que Trump ainda é seu salvador, pensem no seguinte. Atualmente existem mais de 120.000 acusações seladas, todavia, Trump está impedindo que elas sejam abertas; a verdade do 11 de Setembro não foi revelada como havia prometido; “QAnon” foi encerrado e o genro de Trump Jared Kushner fica na“666 Fifth Avenue”. Fontes do Pentágono acrescentam que Trump está fazendo tudo ao seu alcance para interromper os tribunais militares e encobrir as revelações sobre Jeffrey Epstein.

Realmente, esperamos que Trump esteja apenas brincando com os Sionistas como muitos acreditam, mas até agora suas ações mostram o contrário. Por favor, puxem o plugue e salvem a América dos loucos fanáticos messiânicos que tomaram o poder. 

De qualquer forma, mesmo que o governo corporativo dos EUA consiga chutar a lata um pouco mais adiante, ele está matematicamente condenado. O lendário investidor Jim Rogers, falando na semana passada no Foreign Correspondents Club of Japan, prevê que o atual sistema financeiro “entrará em colapso nos próximos 2 a 3 anos” e que o Federal Reserve Board dos EUA “desaparecerá”. 


Como a maioria dos financiadores veteranos, Rogers sabe que o atual sistema de taxas de juros negativas serva para injetar dinheiro nas empresas zumbis – está condenado. Conforme apontado pelo Bank of America, os ativos financeiros dos EUA estão avaliados bem acima de cinco vezes o PIB. 


Em outras palavras, os ativos teriam de cair 80% em valor para se adaptarem à economia real. Rogers, que nasceu em 1942, espera “o pior [colapso do mercado] da sua vida”. 

Se o Complexo Industrial Militar dos EUA não for acompanhado com uma falência ordenada do Capítulo 11 e pelo reinício do governo dos EUA, haverá caos. “Muitos governos  entrarão em colapso e desaparecerão”, prevê Rogers. 

Em vez de anarquia, seria melhor reiniciar o sistema financeiro mundial começando com um jubileu e uma campanha de vários trilhões de dólares para acabar com a pobreza e interromper a destruição ambiental. Os chineses, a Commonwealth Britânica, os russos, o Vaticano e muitos outros apoiam este plano. São apenas os fanáticos Sionistas messiânicos e delirantes que estão fazendo tudo o que podem para evitar que isso aconteça. E ainda querem matar 90% da população mundial e escravizar o resto. 

Os militares dos EUA devem prender Jared Kushner e colocá-lo sob vigilância. Garanto que não demorará muito até que ele mostre sinais de possessão satânica. Também deveriam ler o ato de motim para Trump.

Numa nota final, nossas fontes russas dizem que estão verificando porque nos enviaram uma foto da atriz americana Janet Leigh como sendo a avó de Melania Trump, insistindo que era a Tenente Olga Orlif do Exército Soviético.


Autor: Benjamin Fulford 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui