background

domingo, 26 de abril de 2020

Plutão Retrógrado


Já aviso que este texto será longo, porque não tem como falar de Plutão de maneira breve, sem se aprofundar na sua energia. Logo vocês entenderão o por quê.

A frase “Se não for para causar, eu nem vou” nunca foi tão perfeita para Plutão em 2020. Ele está sendo um grande protagonista desde o ano novo astrológico e continuará causando muitas transformações, tanto internas quanto coletivas, ao longo do ano.

Do ponto de vista astronômico, Plutão foi motivo de muitos debates devido ao seu pequeno tamanho quando comparado aos outros planetas do nosso Sistema Solar e, hoje, está rebaixado na categoria de planeta-anão. Mas, astrologicamente falando, seu impacto energético na Terra não tem nada de pequeno.

Plutão é o planeta mais profundo e intenso do zodíaco. Com ele, não existe meio termo. É sempre 8 ou 80. Ele traz à tona tudo o que é superficial, falso ou oculto para que seja enxergado com clareza. Após essa exposição - que geralmente acontece de forma brusca e repentina - ele oferece duas opções: ou transforme-o em algo mais profundo ou será destruído, doa o que doer. Simples e complicado assim.

Seu trânsito pelas constelações dos signos é o mais longo, permanecendo de 15 a 25 anos em cada signo. Na Astrologia, quanto mais longo o trânsito do planeta, menos ele afeta o nosso consciente, ou seja, o nosso dia-a-dia. Dessa forma, a energia de Plutão acaba reverberando diretamente no INCONSCIENTE COLETIVO e é por isso que tantas transformações e finais de ciclos estão acontecendo mundialmente em 2020.

Por ser o planeta das transformações profundas (sejam elas por meio de doenças, curas, mortes ou renascimentos), Plutão causa cortes repentinos e resgates coletivos para que a humanidade eleve sua consciência e compreenda que, do jeito que está, não dá mais para ficar. Quando entra em retrogradação - período em que o planeta parece “girar para o lado contrário” de sua rotação (do ponto de vista da Terra) e emana a energia contrária da que rege em seu movimento normal -  Plutão traz à tona tudo o que precisa ser REVISADO para que ocorra transformações, curas e desapegos emocionais.

Neste ano, Plutão entra em retrogradação no signo de Capricórnio a partir de 25 de abril e volta ao seu movimento normal em 05 de outubro. Como Capricórnio corresponde ao elemento terra e é voltado às estruturas materiais, carreiras profissionais e tradicionalismo, muitas transformações e rupturas podem acontecer no sistema financeiro. Plutão mostrará o que precisa ser repensado, cortado e destruído nas grandes corporações, bem como a necessidade da humanidade de desapegar dos bens materiais e do dinheiro para descobrir o que realmente tem valor.

Já na Astrologia Mundial, Capricórnio é o signo que representa o governo. Então, Plutão retrógrado tem cerca de 5 meses para expor tudo o que é superficial e exigir transformações profundas na política (reparem que isso já está acontecendo). Toda a verdade vai aparecer e as sombras que estavam “debaixo do tapete” serão expostas para serem transformadas. Mas, isso não quer dizer que será fácil, e muito menos que não vai doer. Porém, a dor é necessária para mostrar que há algo a ser curado. O Brasil, como muitos outros países, passará por diversos processos políticos e situações de “caos” para que as mudanças realmente aconteçam de maneira profunda e com um propósito maior. Sem futilidades ou falsos interesses. Chegou o momento o famoso “ou vai, ou racha”.

Individualmente, Plutão afeta o nosso subconsciente. Ele nos permite entrar em um processo de introspecção para refletirmos o que precisa ser mudado dentro de nós e, assim, desapegarmos de tudo o que está bloqueando o nosso crescimento pessoal. O único porém é que ele não é nada delicado... ele cutuca aquela ferida que está guardada lá dentro, há muitos anos, e faz com que a dor seja um gatilho para que tenhamos coragem de curá-la, de uma vez por todas.

Plutão retrógrado, portanto, mostra o nosso lado mais sombrio. Todos nós temos um lado tóxico composto por medos, traumas, ressentimentos e dores, tanto desta vida quanto de outras. Faz parte de ser humano e estar encarnado em um planeta dual. E está tudo bem! O importante é, primeiramente, aceitarmos que existe esse lado sombrio para, então, aprendermos com ele.

Nesse período, Plutão despertará aquele monstro adormecido que, muitas vezes esquecemos que ainda está ali. Ele deixará bem claro que o seu maior inimigo é você mesmo, e causará, propositalmente, duelos internos para colocar à prova seu lado mais forte: luz ou sombra? Amor ou dor? Cura ou destruição? Renascimento ou morte? Mas, caso continuemos no padrão do autoengano, da fuga da realidade e do medo de olhar para dentro e enxergar o que de fato tem lá, aquele monstro pode parecer muito maior do que realmente é.

E qual a finalidade de mexer tanto no subconsciente a ponto de causar incômodo e dor? É mostrar que tudo o que foi sendo guardado e acumulado ainda está lá. E pesa. Pesa muito. Então, que tal desapegar e deixar ir? Que tal curar o que ainda dói? Que tal perdoar quem te feriu? Que tal transformar o que pode ser ainda melhor? Plutão busca, na verdade, acabar com o que densifica a sua vibração para que nada mais te destrua, pois, a partir do momento em que enxerga e enfrenta seu monstro interno, você tem o total PODER e CONTROLE sobre você mesmo. E essa é a sua energia mais alta e fluente.

A minha dica para esses meses de Plutão retrógrado é: acolha as suas sombras com muito amor, porque elas fazem parte de você. Procure mergulhar dentro da sua alma e descobrir a causa daquele vazio. Repare quais padrões inconscientes de autodestruição e autossabotagem podem estar estagnando a sua vida e o seu processo de evolução. Por mais que doa, traga-os para o consciente e lide com eles. Olhe para eles. Sorria para eles. Procure as ferramentas profundas que possam reprogramá-los. Cure-os! Ame-os! Cavuque lá no fundo e lembre-se que, onde está o seu maior medo, está também o seu maior aprendizado.

O fundo do poço não tem fim, mas tem nome: Plutão. Quem for entrar lá para acender a luz, enxergar tudo o que há e enfrentar o mostro, consegue voltar à superfície. E voltará muito mais forte, poderoso e com o CONTROLE em mãos. Porém, quem não quer nem entrar, poderá ser jogado à força - aí só a queda já vai doer. Se não acender a luz por medo de ver a bagunça, cuidado, pois têm chances de você não retornar. E é por isso que Plutão é tão associado à autodestruição: se você não enfrenta o seu monstro, ele te consome - não pelo fato de ser mais forte que você, mas por você ter dado o poder a ele.

O que eu posso te garantir é que, se decidir pular no fundo do poço nesse período de Plutão retrógrado, acender a luz, descobrir o real tamanho do seu monstro e escolher curá-lo em vez de fugir dele, você RENASCERÁ como uma Fênix. E nada mais te impedirá de seguir a sua jornada. Nem você mesmo.

Gratidão pela oportunidade de compartilhar mais um momento astrológico tão profundo e influente nesta transição planetária!

Com Amor,

Natalia Faria
Astróloga do Nastrologia.
Astróloga do Nastrologia
A Linha de Hebah: 
Veja mais mensagens do Nastrologia Clicando Aqui