background

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Jennifer Hoffman - "Ciclos de cura, rejeição e redenção"



Você tem notado a quantidade de pessoas que despertam, reivindicam o seu poder, possuem sua soberania energética? É uma coisa maravilhosa de se ver e está acontecendo graças ao trabalho árduo que muitos fizeram nas últimas décadas, bem como ao compromisso que cada um de vocês tem de resplandecer a sua luz como fonte de inspiração para os outros. São tempos difíceis e exigem resiliência, determinação, intenção e fortes limites de energia.

É por isso que o tópico do boletim desta semana é importante porque envolve algo pelo qual muitos estão passando agora, fazendo escolhas difíceis sobre relacionamentos que são drenos de tempo e energia, geralmente são tóxicos e representam fortes ciclos cármicos que agora devem terminar. Existem escolhas difíceis a serem feitas, mas elas giram em torno de uma única pergunta - a pessoa pode precisar de sua ajuda, cura e energia, mas elas querem e estão prontas para isso? Esse é o tópico do boletim desta semana.

Acreditamos que o dom da cura é a melhor coisa que podemos dar àqueles que precisam e é, desde que seja algo que eles desejem e estejam prontos. Mas muitas vezes vemos e temos consciência da necessidade de cura nos outros, e isso é especialmente verdade para aqueles que são fortemente empáticos e assumem automaticamente que desejam ser curados.

Então, nós os banhamos em nossa luz de cura, apenas para descobrir que somos rejeitados em todos os níveis. Por quê?

Porque antes de estendermos a cura àqueles que acreditamos que precisam de cura, devemos perguntar se é o que eles querem, porque por mais blasfêmia que isso possa parecer, todos não querem a cura ou serem curados, e eles brigarão com você com tudo o que eles têm se você tentar curá-los para o que eles não estão preparados.

Por mais que estendamos a cura àqueles que sabemos que estão  sofrendo e cujas vidas são limitadas pela presença de seu medo e dor, com a melhor das intenções, é o equivalente à arrogância espiritual e manipulação energética para dar às pessoas a cura que elas não pediram, não querem e não estão prontas.

Sim, mesmo se você souber que eles estão no chão, se você tentar levantá-los antes que eles estejam prontos para se levantar, eles darão um tapa na sua mão e pedirão para deixá-los em paz. Por quê?

Porque não é da cura que eles têm medo, mas do que acontece com eles uma vez que sejam curados. Eles se sentem mais poderosos em seu estado de não cura, que é sua zona de conforto, do que em serem curados, que não é apenas sua zona de desconforto, é também totalmente desconhecido e bastante assustador. 


Algumas pessoas são fortalecidas por sua dor, mesmo que isso não faça sentido para você, e são ancoradas através da dor e do caos com que escolhem conviver. Se você tentar mudar isso, eles estarão perdidos, sem ancoragem, confusos e em território desconhecido e assustador.

Antes que alguém possa aceitar a cura, ele precisa encontrar uma nova fonte de poder para substituir a fonte cheia de dor que ele está usando atualmente. Mesmo que isso não lhe traga a paz e a alegria, ainda é com o que eles se sentem confortáveis ​​e não querem desistir até que estejam prontos.

Isto não precisa fazer sentido ou ser lógico, pois faz parte da aceitação e do não julgamento que devemos estar dispostos a estender aos outros ao concluir nossa própria jornada de cura. Uma das razões pelas quais queremos que certas pessoas sejam curadas envolve nosso próprio karma e acreditamos que curá-las nos dá um encerramento e podemos seguir em frente, sem karmas.

Mas essa é a nossa agenda e é construída sobre várias suposições falsas:

Que todos precisam ter cura e fechamento de uma maneira específica para o Karma acabar,

Que somos responsáveis ​​pela cura dos outros,

Que só porque sabemos que alguém está sofrendo, assumimos que eles querem ser curados,

Que devemos ser seu curador e é por isso que estamos no caminho dele, e que todos os parceiros cármicos devem ser curados da mesma maneira para que o encerramento Kármico aconteça.

Como escrevi em Ascendendo aos Milagres - O Caminho da Mestria Espiritual , "Karma é como uma dança e quando um dos parceiros para de dançar, a dança cármica termina." E, às vezes, a dança termina quando percebemos que nosso parceiro está dançando com uma melodia diferente, não é um dançarino muito bom e tem pisado em nosso pé durante toda a dança, encontrou outro parceiro com quem ele preferia dançar, ou está muito cansado de continuar a dança.

Agora temos a oportunidade de acabar com o karma, que tem sido o objetivo deste ciclo da alma e estamos no ponto crítico agora. A dança cármica termina quando escolhemos nos afastar, não quando finalmente alcançamos nossa missão de cura total desejada. Então a outra pessoa encontrará um novo parceiro cármico ou decidirá parar de dançar também. Não somos responsáveis ​​por essa escolha, nem temos controle sobre ela.

Estamos prontos para liberar a nossa necessidade de cura e deixar todos curarem no seu próprio tempo, no seu próprio ritmo e quando estiverem preparados? Podemos ser os Faróis de Luz e brilhar o potencial de cura no caminho da humanidade para que eles possam vê-lo quando estiverem prontos, ou continuaremos a ser os Trabalhadores da Luz, esforçando-nos para curar um mundo, através do nosso próprio medo da presença contínua do karma, estendendo a cura às pessoas que sabemos que podem precisar, mas que não querem ou não estão prontas para isso.

É hora de deixar o karma ser uma coisa do passado a que pertence e nos prepararmos para os novos paradigmas a que todos tenham acesso, quando estiverem prontos para a cura, sendo um exemplo de alegria e cura e toda a vida, para que eles possam fazer essa escolha por si próprios, quando estiverem prontos para serem capacitados por uma nova maneira de ser sem dor.


Autor: Jennifer Hoffman 
Facebook: Jennifer Hoffman
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui