background

domingo, 19 de julho de 2020

Stela de Morais - "Minha opinião sobre o Coronavírus"



Ninguém me perguntou. E eu quero falar. Então sou grata ao papel que aceita minhas palavras incondicionalmente.

Devo preveni-lo querido leitor. Há 50% de chance de você não gostar do que vai ler.

Na literatura médica, a opinião do especialista não traz robustez para as escolhas de nossas condutas, mas todo bom e humilde médico já seguiu a opinião de um outro colega especialista.

O que trago aqui será menos do que a opinião de um especialista. Trago a opinião da experiência. A minha própria experiência com os pacientes com COVID-19. Não sou especialista. Sou clínica geral há mais de 3 meses atendendo pacientes internados com esse diagnóstico.

Vimos de tudo. Jovens que morreram. Octagenários que receberam alta.

Quando tudo começou, meus conhecimentos em Medicina Oriental me prepararam para observar uma questão: a tristeza vulnerabiliza os pulmões. Então a busquei em cada paciente que admiti na enfermaria ou passei visita durante sua estadia lá.

Meu amigo leitor…. ela estava lá, com suas múltiplas faces.

Eu recebo quase todo dia um vídeo de algum colega falando sobre alguma medicação. Então queria falar disso aqui também.

Às vezes eu sinto uma necessidade das pessoas pela pílula mágica.

Eu sinto muito se isso vai te ferir, mas dessa vez isso não vai acontecer.

E aqui sinto necessidade de trazer uma história. Do nosso amado Chico Xavier. Conta-se que uma vez um homem o buscou com uma receita para uma doença pulmonar. “Chico, eu não tenho dinheiro para esses remédios”. Chico então picou a receita em vários pedacinhos e pediu que tomasse um pedacinho por dia ate o último deles. Você já sabe o que aconteceu… tudo deu certo no final.

Então, querido: se você quiser tomar própolis, vermífugo, dipirona, hidroxicloroquina, chá de alho, floral, seja o que for eu vou te apoiar. Você vai sentir o que faz sentido para você e vai se respeitar seguindo o seu coração.

O meu coração me diz que a cura vem de dentro para fora. Nada do que eu tomar será salvador. Lembra do nosso Mestre do Amor dizendo que não é o que entra pela boca que mata, mas sim o que sai dela? Ouso fazer a mesma correlação quanto a medicações para essa doença.

Quando ligo para as famílias dos que interno e pergunto quantos moram com o paciente. Já deixei de me surpreender. Das dez pessoas que moram, só ele teve sintoma sério. 

Alguns tiveram dor de garganta, outros diarreia. Só ele precisou internar.

Isso não te chama a atenção?

Isso pra mim é onde está o grande chamado.

Há tristeza, há medo. “Tenho medo de morrer”. Meu querido, isso um dia será inevitável. Por que você sente medo de olhar para isso como uma possibilidade hoje? Quais condutas mudariam face a isso? Quais revisões internas você teria que fazer para encarar com paz essa possibilidade?

Já escutei você gritar ai do lado: hei! Você está falando pra eu me entregar ao vírus sem lutar?

Não… não estou falando para você sair lambendo o corrimão do metrô.

Estou falando para você olhar para dentro e entender o modo que você lida com uma fatalidade: a finitude do seu corpo biológico.

E claro: siga seu coração.

Você precisa abrir a sua loja porque você precisa trabalhar para sobreviver. Sinta em seu coração o melhor modo de fazer isso, ache seu “caminho do meio”. Eu não sei como ele é para você. Esse trabalho de descobrir é seu, querido.

No dia das mães encontrei minha mãe e minha avó materna que mora sozinha. Conversamos antes e acordamos: morreremos juntos ou ficaremos tristes e separados. Escolhemos a primeira alternativa. E para nós aquele foi o nosso caminho do meio. Se minha avó falecesse de COVID-19 depois daquele encontro, lembraríamos sempre daquele encontro cheio de amor e alegria.

Mas cuidado… respeite as escolhas do outro.

Eu admiti no hospital uma senhora idosa que acusou a nora de tê-la visitado do meio da pandemia. “Tenho certeza que foi ela que me adoeceu”. Aquelas palavras foram um tapa na minha cara naquele dia. Minha senhora, queria poder te dizer que ninguém adoece ninguém. Quem está bem consigo mesmo e quem não tem necessidade de nenhuma revisão interna poderá lamber o corrimão do metrô que não vai adoecer. Assim eu vejo.

Precisamos respeitar a escolha dos outros.

Há muitas pessoas com medo. Então, se você acredita que a máscara facial te impossibilita de respirar o Prana que te ajuda a ter saúde, por favor, use a máscara quando entrar numa loja pois a recepcionista acredita que sem a máscara você poderá prejudicá-la.

Quanto ao tapa na cara lá de cima. Eu me assustei com o rancor da vozinha. Principalmente porque foi a nora dela que me pediu para fazer uma ligação pelo meu celular para ela. Eu espero que essas duas almas se entendam logo. Graças a Deus que a vozinha teve alta dias depois. Elas ainda terão tempo para seus ajustes interpessoais.

Quando eu pegar COVID-19 – sim, eu concordo com o prefeito de Limeira. Acredito que todos nós teremos contato com o vírus, e que a imensa maioria não sentirá nada. Eu vou usar florais, própolis, e tomar antibióticos se necessário. E buscar em minha alma de onde veio a tristeza. E se eu sentir medo, vou lá no fundo entender de onde ele nasceu.

Então vou dividir aqui outra coisa.

Lá no começo do caos, antes de um dos meus primeiros plantões, eu tive uma crise de choro antes de trabalhar. E senti muito medo. Medo do desconhecido, medo do que mudaria em nossa vida. E no meio da dor, eu senti meu mentor espiritual me explicando que isso que eu sentia era o que todas as almas que eu mandei para batalhas em outras vidas sentiram também. Eu fiz uma oração a todas elas, e pedi o perdão de cada uma. Senti paz depois disso, busquei minha fé de que não cai uma folha de uma árvore sem a permissão divina e fui trabalhar.

Se você chegou até aqui, gratidão por sua atenção. Confie na ordem divina, e se entregue aos seus afazeres com responsabilidade. E tome tudo aquilo que seu coração pedir. E não tome aquilo que te pedirem para tomar. Cada um responde a seu próprio remédio.

E não venha falar mal de efeito placebo. Porque ele por si só já prova que a sua própria energia, sua fé, sua confiança já são curadores.

Tá tudo certo.

E agora, quero dizer que eu sinto muito.

Sinto muito pelas pessoas que não puderam velar seus familiares e descobriram dias depois que o teste veio negativo. Isso aconteceu muito quando o teste demorava dez dias para ficar pronto. Por favor, não se entreguem a raiva e revolta. Falo em meu nome e por aqueles que trabalham comigo: não houve intenção nenhuma de lucrar com a dor de nenhuma família. E se em algum outro lugar houve algum ganho com isso, eu sinto muito por quem articulou isso. E sinto muito por todos aqueles que lucraram de outras formas com a dor e sofrimento dos outros. Nada deixa de ser registrado em nossa própria consciência.

Também sinto muito por todos que tiveram que internar seus pais e avós e ficaram semanas sem poder visitá-los. Há sempre um aprendizado em tudo, busquemos também nessas situações algum crescimento.

Finalmente, meu respeito profundo a todos os profissionais dos hospitais, inclusive à equipe da limpeza. O medo está sendo encarado e todo mundo pôde crescer um pouco mais como ser humano com toda essa experiência.

Tá tudo certo.

Tudo segue sempre na perfeita Ordem Divina.

Gratidão.


Autor: Stela Cezarino de Morais (Médica, integrante da Equipe Sementes das Estrelas)
Fonte: https://dividindoajornada.blogspot.com
Para mais artigos clique aqui