background

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Jennifer Hoffman - "Perdão - Liberação, vingança ou redenção?"



Estão todos ainda aqui? Às vezes, sinto como se tivéssemos passado por um tornado, ou uma grande tempestade.como na última semana. Tivemos um eclipse, o terceiro desta série, e eles podem ser difíceis E estamos ainda no Mercúrio retrógrado, o que contribui com o caos.  Tem sido uma montanha-russa bem difícil nestes últimos meses, e a energia se estabilizará, eventualmente, mas como estivemos sendo atingidos pelas ondas de transmissões de energias, estamos também liberando, elevando, e renovando os nossos próprios níveis de energia. Há muito acontecendo agora, tanto acima, quanto abaixo,dentro de cada um de nós e no mundo.

Nesta semana, tivemos o rescaldo do Eclipse de 5 de Julho e finalmente obtivemos algum alívio desta série de eclipses. Temos também Marte em Áries por 6 meses, o que não acontecia desde 1988, quando Marte esteve em Áries de 14 de Julho de 1988 até o início de Janeiro de 1989. Lembro-me de que em Julho eu fui demitida do meu emprego, por ter dito a verdade sobre o meu chefe - foi a única vez que fui demitida de um emprego. Há algo acontecendo em sua vida agora que está trazendo à tona o passado?

Temos muitos ciclos de longo prazo se encerrando agora e uma de nossas decisões é sobre perdão e as várias formas que ele pode assumir - liberação, vingança e redenção. Esse é o título do boletim desta semana.

O último passo  para qualquer trabalho de cura, a ponte para a totalidade que leva à congruência e harmonia divina, é o perdão. Mas não o perdão relutante e forçado que dizemos com os dedos cruzados nas costas, porque secretamente ainda estamos bravos, chateados e irritados com essa pessoa. É uma escolha que temos que fazer que nos libertará das energias que nos ligam a outra pessoa em ciclos cármicos que agitam a raiva. A verdadeira escolha do perdão não se trata de perdoar, é se nos libertaremos dos laços energéticos que nos unem, ou buscaremos vingança ou redenção.

Nossa falta de vontade de perdoar acontece porque pensamos que o perdão é um perdão geral. Não é. Como ensinamos, o perdão é um processo energético que usamos para nos libertar das energias que nos ligam a intermináveis ciclos cármicos de dor. E mesmo sendo tão libertador, ainda não gera a satisfação emocional que queremos.

Queremos saber que alguém realmente se arrepende do que fez, de como nos magoou, do que nos aconteceu por causa de suas ações. Queremos a redenção, saber que nossos esforços foram importantes e foram notados. Queremos ser ouvidos e reconhecidos. E podemos nos apegar a nossa raiva e irritação por um longo tempo. Mesmo quando sabemos que isso não irá acontecer, ou pelo menos não da maneira que queremos.

Talvez queiramos a vingança - queremos magoá-los tanto quanto eles nos magoaram. Queremos que eles sintam nossa dor e conheçam nosso sofrimento.

Queremos saber que eles entendam o que fizeram conosco. E isso também não irá funcionar. De fato, é mais provável que a vingança o machuque mais do que a outra pessoa, porque o mantém em um ciclo cármico de raiva, dor e sofrimento.

Qual é a solução? Você precisa dar carta branca à outra pessoa para machucá-la repetidamente? Não, e para ir além da raiva e atravessar a ponte do perdão, você precisa compreender duas coisas:

Não importa o quanto você queira, o que quer que obtenha deles em termos de pedido de desculpas, reconhecimento ou acordo, provavelmente não será satisfatório ou o fará  se sentir melhor, e provavelmente nunca o conseguirá.

A outra pessoa provavelmente não sabe quanta dor você sente e provavelmente não se importa, porque o comportamento dela e como ela se sente não se trata de você. Na verdade, você pode até ser uma ameaça para ela e é por isso que ela o mirou. Ou você faz com que ela se sinta mal consigo mesma e ela queira derrubá-lo algumas vezes.

A única maneira de sair dos ciclos de cura e atravessar a ponte para a totalidade energética é o perdão, que é a liberação energética que damos a nós mesmos. Sim, temos que desistir da idéia de redenção e vingança, mas essas são substituídas por recompensas muito maiores de congruência e de mudança para as Prioridades de Energia da Alma, para que vivamos nossas vidas através das lentes da mestria da alma, em vez de ciclos cármicos.

E com plenitude e congruência energética,  colocamo-nos em uma frequência mais alta e em um espaço energético onde ninguém pode bloquear nosso fluxo de energia e nos enviar para o buraco negro da dor e do sofrimento. Nós nos tornamos soberanos energeticamente, auto-conscientes e auto-confiantes com autocontrole fortalecido que nos permite evitar a dor, porque criamos fortes limites de energia para que saibamos quem somos e permanecemos em nosso próprio campo energético, onde estamos sempre no controle da frequência da energia, vibração e fluxo.


Autor: Jennifer Hoffman 
Facebook: Jennifer Hoffman
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui