background

domingo, 18 de outubro de 2020

Ataque de raiva



Nosso sistema imunológico leva seis horas para recuperar-se, quando temos um “ataque de raiva”.

Aí você deve pensar: então devo engolir a raiva. Não. Tanto no caso da raiva colocada para fora, como daquela guardada, o efeito de um minuto em seis horas é o mesmo.

O que precisamos é aprender a cultivar hábitos que equilibrem mais nossas reações frente aos acontecimentos e nos conhecer bem para saber o que nos tira do sério, o que nos magoa… Tendo esse conhecimento, podemos ir mudando nossas reações, buscando exercícios que fortaleçam mais nosso sistema nervoso, cultivando novas circuitarias que nos tragam mais harmonia e saúde.

O que podemos fazer para prevenir ou amenizar esses ataques que trazem tanto desequilíbrio ao nosso corpo?

Algumas dicas:

Como nosso cérebro não distingue real de imaginário, na mesma hora em que estivermos com alguma emoção negativa em alta, não nos sentindo bem, coloquemos lembranças de cenas e momentos muito bons em nossa vida. O cérebro interpreta que eles estão acontecendo novamente e nos traz toda a química cerebral boa dos momentos passados para o presente.

Apenas 12 segundos contemplando algo belo são suficientes, segundo o neurocientista Rick Hanson, para nos trazer sensação de bem-estar.

Devemos diminuir ao máximo situações de estresse, dentro do possível. Planejamento e prevenção ajudam muito.

Exercitar as emoções positivas, como empatia, gentileza, amor, compaixão, otimismo, cultivando em seu cérebro e no das pessoas ao seu redor um jardim cheio de flores. Ao não cultivar medo, reclamação, raiva, negativismo etc., impedimos que ervas daninhas tomem conta desse jardim.

Viver plenamente o presente. O passado vem normalmente carregado de culpas e o futuro traz ansiedade, preocupação. O importante é tomar o passado para análise e para ter um futuro melhor.

Assim como a natureza, que preserva diferentes ciclos, estações, é a nossa vida. Quando aprendemos a compreender e a respeitar isso dentro de nós, não com uma aceitação submissa, mas como atitude geradora de resultados concretos, tudo muda em nós e ao nosso redor.

Nós vamos apagar a luz do nosso palco, e é muito importante que, ao olharmos para trás, tenhamos orgulho do trajeto. Podemos ser empáticos, gentis, extremamente solidários, mas nunca nos esquecer de que a pessoa mais importante da nossa vida somos nós mesmos.


Autor: Isabel Rios Pineiro
Para mais Artigos Clique Aqui