Kuan Yin - "Solidão, O Portal da Conexão Humana" - Sementes das Estrelas

Kuan Yin – “Solidão, O Portal da Conexão Humana”

Compartilhe esse artigo

Inegavelmente, enquanto o caminho de sua alma serpenteia e gira, sinais vibracionais integrados profundamente em seu código interno vão despertar a necessidade por silêncio; um desejo de se tornar bem familiarizado com quem você é, antes que a vibração sutil de sua verdadeira essência ainda se transforme novamente em uma versão nova e melhorada de si mesma. Esses tempos, muitas vezes deparados com tristeza e julgamento, são o ímpeto para um profundo dilema nas facetas mais elementares do eu que permaneceram não reconhecidas; um período estimado de autodescoberta através do qual valiosos insights vem à tona. Mas como você pode decifrar a diferença entre esses tempos delicados de realinhamento vibracional e a depressão e a solidão que são subprodutos dos desequilíbrios físicos e emocionais?

Se tornar melhor famializariado com o eu através de qualquer janela de desequilíbrio é a passagem pela qual ele se transmuta. Então, primeiro, devemos esclarecer que, no quadro maior, experiências vêm e vão tão perfeitamente quanto o seu plano Divino está escrito. Olhar para trás no passado para culpar as decisões que levaram a este tempo de silêncio ou colocar o julgamento sobre os outros pela situação em que você se encontra, nega a beleza de como sua alma chegou aqui.

Suas experiências humanas são os porteiros da visão do seu eu superior. Como co-criadores, a percepção humana de qualquer experiência é a encruzilhada entre sua direção não física e a manifestação física. Então, simplesmente, pedimos que você esteja em um estado de gentileza implícita consigo mesmo, especialmente em momentos de solidão ou silêncio. Não é a falta de outras pessoas em sua vida que precisa ser corrigida. Um profundo processo de transformação está bem encaminhado com o propósito distinto de reconexão e maior aceleração de seu processo co-criativo. Seu corpo físico é uma parte bastante essencial neste roteiro escrito por seu eu superior.

O corpo entende que, por meio de ciclos de tempo, a energia é reciclada e preparada para uma nova atividade. Como o movimento de uma maré vindo, as ondas vão bater mais forte e mais profundamente até que o mar resida e se acalme mais uma vez. Esse padrão da onda é fundamental para mover elementos do fundo do oceano, reorganizando nutrientes vitais e seres marinhos dentro de seus ciclos, também. O corpo apóia muito a jornada invisível da alma. Às vezes, sucumbirá à sonolência, dor, letargia e turbulência emocional, assim como o jogador de uma equipe esportiva sabe da importância de sua posição. Esta é uma das atividades mais incompreendidas na evolução de uma alma desperta, pois a propensão é julgar rapidamente o que não é puro e equilibrado, como mais uma evidência do fracasso.

Quando a mente consciente percebe o fracasso, todos os sentidos do corpo começam a olhar para isso; e como um ímã no metal, atrai para você evidências diretas dos aspectos mais fracos de sua assinatura de DNA. Os caminhos de menor resistência no corpo irão modificar as consciências deles para a sua, oferecendo uma luta que você acredita que deve superar. Mas a disposição de sua própria participação nessa luta é muitas vezes o aspecto de seu propósito que passa despercebido. Pois, integrado na luta para curar o corpo físico ou emocional, está a resistência à mudar. Qualquer alma desperta encontrará isso múltiplas vezes em uma vida, simplesmente porque é primordial que todos os humanos se lembrem de sua semelhança com a maré do oceano, dispostos a subir e descer à vontade com padrões universais.

A solidão surge não para criar uma experiência de sofrimento, mas para obter uma estabilidade tão incrível em situações desconhecidas que a alma cultiva um relacionamento verdadeiro com seu eu divino. Esse eu divino sabe, em um nível intrínseco, que a solidão é como o ego se relaciona com as mudanças imprevistas. Por meio da rápida mudança vibracional, sua alma encarnada nunca mais será o que era antes. Este é um período de luto, não muito diferente do que ocorre durante a transição entre a vida e a morte. Em certo sentido, os tempos de solidão imitam a passagem celestial de uma alma em transição, mas de uma forma muito física e terrena. É uma oportunidade de revisar de uma perspectiva mais elevada a jornada de sua vida até agora; integrando todos os aspectos de quem você era com quem você está prestes a se tornar.

A solidão, então, não é tanto um estado emocional, já que é um estado de alquimia; uma ponte entre realidades que está lhe conduzindo por uma transição do que era para o que será. É fácil se perder neste sentimento e começar a refletir externamente para todos aqueles que repelem seus avanços de conexão e os culpam como insensíveis ou inaceitáveis. Mas o seu eu espiritual vê isso como um presente, pois se esses humanos interrompessem o seu processo, não seria tão valioso quanto o seu eu superior está antecipando. Nesse redirecionamento para o eu, você pode se sentir rejeitado. Mas na realidade, você está simplesmente vendo a conexão mais importante que você é capaz de cultivar agora.

O portal da nova conexão humana se constrói sobre um solo sagrado, semeado apenas com uma auto-aceitação amorosa e compassiva. Este amor-próprio radical é o que é necessário neste exato ponto de sua evolução para atrair mais almas amorosas ao seu redor e reuni-las na terra. Você se tornou mais hábil e disponível para esta frequência superior de amor e sua alma está chamando você para colocá-la em ação. Ao fazer isso, a base de uma nova realidade que está vibrando rapidamente nos reinos etéricos começa a se ancorar na Terra física.

E o recipiente para sua manifestação se abre por meio de sua capacidade de ser compassivo, amoroso e verdadeiro consigo mesmo e com os outros neste momento.

Este processo muitas vezes se confunde com autocuidado, um termo em seu planeta que assume uma definição muito física. A forma mais verdadeira de autocuidado vem com sua capacidade de manter o amor com firmeza em momentos de separação de amigos, parceiros românticos e familiares. Isso não requer uma negação da dificuldade de sua experiência, pois a verdade é parte integrante desta passagem. É possível sentir emoções de tristeza, frustração e dor, ao mesmo tempo que ama a si mesmo apesar disso. Este domínio do Feminino Divino é necessário agora para que as almas em evolução se reintegrem não apenas a si mesmas como humanas, mas também como Deuses e Deusas capazes de alquimizar a forma mais profunda de amor próprio como um elixir mágico da revolta planetária. É este evento microcósmico de quietude pessoal que imita o silêncio sereno antes do som penetrante da terra catalisando em material, rocha e elementos à medida que nasceu no universo. O renascimento que você está experimentando agora é necessário para que toda a terra e toda a humanidade possam seguir o exemplo.

Quando você fica curioso sobre cada experiência que está passando, você deve magnetizar a semelhança dessa curiosidade dentro e sobre o planeta. Essa curiosidade é a base para a compreensão, clareza e despertar; uma expansão da percepção que depende de portais como separação e solidão para reconexão e co-criação. Do que você é capaz só pode ser visto quando janelas de oportunidade se apresentam para explorá-las e validá-las. Não considere esses tempos como uma validação de sua indignidade, mas como um pedido e uma oportunidade de seu eu coletivo que deve ser desfrutado antes que as cristas das ondas se formem novamente.

Canal / Autor: Micheila Sheldan
Fonte: https://eraoflight.com
Tradução: Sementes Das Estrelas / Giovanna Gushiken

Compartilhe esse artigo

About Author

Neva (Gabriel RL)