Como funciona a nossa mente, segundo o Budismo?

Como funciona a nossa mente, segundo o Budismo?

Compartilhe esse artigo

Em tempos de mudanças, devemos todos estar atentos a condicionamentos cristalizados no nosso cérebro/mente. Abrir uma brecha na nossa e entrar mais profundamente em contacto com a consciência do momento presente, requer uma atitude decisiva e bastante difícil para todos nós: o desapego.

Segundo o Budismo Tibetano, a mente é considerada como a base universal da experiência, criadora da felicidade e do sofrimento. Nessa filosofia, a mente divide-se em muitos aspectos, mas, especialmente em dois: a mente ordinária chamada sem, que na teosofia seria o corpo mental inferior e rigpa a consciência primordial ou corpo mental superior. Sem é dualista, discursiva, pensante, precisa de um ponto de referência externo para funcionar. Através dela pensamos, planeamos, manipulamos, expressamos as avalanches de emoções que nos absorvem e também os pensamentos negativos que acumulamos e que continuamos alimentando a partir da fragmentação e conceitualização das nossas experiências. É através dela que criamos e alimentamos nossa instabilidade, pois ela está, o tempo todo, presa às influências externas, aos nossos maus hábitos e condicionamentos.

Os mestres dizem que sem é como a chama de uma vela em meio a uma corrente de vento, instável e vulnerável. A sua energia é consumida e lançada aos acontecimentos exteriores. É dentro desse ambiente mental que passamos pelas experiências de dor, pelas mudanças e transformações.

Já a essência mais profunda da mente é de natureza absoluta e intocável pelas mudanças e crises a que todos nós estamos sujeitos e vulneráveis. A outra qualidade da mente, rigpa,  está obscurecida pela correria do dia a dia e pelos nossos pensamentos e emoções. Mas, da mesma maneira que uma rajada de vento pode dissipar as nuvens e revelar a luz do sol, algumas práticas específicas ou algum instante de inspiração podem nos revelar vislumbres dessa mente superior. É claro que esses vislumbres possuem diferentes graus e profundidade, mas, por menor que seja a nossa experiência, ela sempre trará, a qualquer um de nós, maior entendimento, significado e sensação de liberdade. Rigpa é a consciência primordial pura e ao mesmo tempo é inteligente, criativa, cognitiva e desperta. Ela é a própria consciência do conhecimento.

A prática diária da meditação possibilita, depois de algum tempo, o controlo da mente inferior e o contacto mais efectivo com a mente superior, possibilitando assim a expansão das nossas consciências, bem como um estado de equilíbrio e bem estar nas nossas vidas.

Fonte: https://portaldobudismo.com/

Compartilhe esse artigo

About Author