background

sexta-feira, 13 de março de 2020

Jennifer Hoffman - "Energia e vícios"



Uma vez eu conheci alguém que era viciada em compras. Gastava milhares de dólares em roupas, sapatos e jóias em suas viagens diárias de compras. Quando ela esgotava os seus cartões de crédito, recebia novos sob nomes diferentes. Ela alugava uma caixa postal e mandava enviar para lá os extratos do cartão de crédito para que o marido não os encontrasse.

Seus armários estavam cheios de roupas novas e não usadas com etiquetas e ela ainda comprava mais. Às vezes, ela mantinha as roupas no porta-malas do carro e, às vezes, deixava os amigos guardarem para ela. Naquela época, ela era chamada de "viciada em compras". O que motivava o seu comportamento era uma profunda necessidade de atenção, de se sentir especial, amada e valorizada. Ela ficava feliz quando comprava coisas novas - isso lhe dava uma sensação de controle e poder. Mas assim que ela trazia os itens para casa, a felicidade desaparecia e ela precisava ir às compras novamente.

Isso parou quando o marido decidiu abrir uma linha de crédito para seus negócios e foi recusado porque tinha quase US $ 500.000 em dívidas com o vício em compras de sua esposa - ele achava que eles não tinham dívida com cartão de crédito.Isto quase terminou o casamento.

Qualquer dependência é um poderoso impulso para se envolver em comportamentos que não entendemos ou não podemos controlar, mas é a combinação de uma necessidade emocional, juntamente com a dor energética não resolvida das feridas da alma, que cria uma abertura para o comportamento viciante.

Eu sempre ensinei que as Feridas da Alma no segundo centro de energia, no segundo chacra, criam um potencial para vícios e comportamentos viciantes. Esse centro de energia controla nossa criatividade e também determina como nos valorizamos. Quando somos marginalizados, rejeitados, abandonados, abusados ​​ou ignorados pelas pessoas com quem contamos para construir nossa auto-estima, como pais e familiares, é criado um buraco negro emocional que usaremos de qualquer maneira para preencher. A auto-estima é a medida do quanto nos valorizamos e, se não tiver fundamento, iremos nos envolver em qualquer coisa que nos faça sentir que o vazio é preenchido, mesmo que por pouco tempo.

E se esse buraco negro emocional começa na primeira infância, quando somos adultos, ficamos desesperados para criar maneiras de sentir que temos o direito de existir, de nos sentirmos valorizados e de sermos validados, interiorizando a nossa energia criativa para preencher nossa necessidade dolorosa de totalidade emocional.

Quando nossa energia criativa é invadida para curar nossos próprios sentimentos de inferioridade, nossa dor se torna um ímã para qualquer coisa que esperamos que nos ajude a nos sentir melhor. Por isso, tentamos acabar com a dor, alimentando-a e isso rapidamente se torna um vício, porque a dor é um poço sem fundo que precisa de um reajuste energético, e não de outra refeição.

Os viciados não são apenas usuários de drogas, são pessoas que buscam qualquer tipo de distração de sua dor e se envolvem em uma variedade de comportamentos, como esportes radicais, exercícios, compras, bebidas, dieta, alimentação, trabalho, drogas, pílulas e muito mais.

O tipo de dependência não importa, porque tudo é direcionado para o mesmo objetivo - queremos nos sentir inteiros, completos, sem dor e felizes. Estamos energeticamente incompletos e precisamos resolver o problema da maneira que pudermos.

As feridas da alma resultam do trauma energético que experimentamos nesta e em outras vidas. Elas são criadas quando vivenciamos circunstâncias desafiadoras da vida, como abandono, traição, perseguição, morte,  sentimo-nos abandonados por Deus e pelas coisas que acontecem conosco e entes queridos que nos fazem sentir impotentes e desamparados, descontrolados e ineficazes.

Elas têm uma forte assinatura de energia da dor que pode dominar nossa realidade, de modo que tudo o que fazemos é focado em aliviar a dor, mesmo por um breve momento. Esse trauma cria uma impressão de dor, culpa, pesar, vergonha, traição, abandono e julgamento em nosso campo energético. Então, toda a nossa energia recebida é filtrada através dessas feridas da alma e de suas energias, limitando nossa alegria, realização, sucesso e amor.

O desejo profundo de totalidade pode nos obrigar a criar uma "falsa congruência", onde tentamos preencher as lacunas de alegria com qualquer coisa que pensemos que aliviará a dor.

O problema é que isto não cura a dor, por isso precisamos de mais para mantermos as lacunas preenchidas, e é isso o que cria vícios. A menos que entendamos que existe uma fonte dessa dor e possamos lidar com essa fonte primeiro, qualquer intenção que tivermos de nos curar não funcionará. É como se comprometer com uma dieta e comer alimentos saudáveis ​​durante o dia e depois comer salgadinhos, batatas fritas e refrigerante à noite.

A verdadeira fonte de cura é resolver a ferida da alma e curar as lacunas de energia e então podemos liberar os vícios porque não precisamos mais deles. Você quer saber mais sobre as feridas de alma e como elas afetam sua vida? O programa de cura de feridas de alma é um dos meus programas mais poderosos e populares e criou uma profunda cura e transformação para os milhares de estudantes que o concluíram. Uma vez livres da energia das feridas da alma, podem aprender a ser felizes, a experimentar a verdadeira alegria, a satisfação total e o amor verdadeiro, por si e depois pelos outros.

Curar as feridas da alma é o melhor presente que podemos dar a nós mesmos para nos libertarmos do karma, dos ciclos cármicos, grupos de almas e trauma energético.

Você tem algum vício, mesmo oculto, que o impede de viver uma vida rica, plena e feliz? Depois de entender sua conexão energética, você poderá seguir seu caminho de cura e isso o ajudará a se envolver em uma autêntica jornada de cura cujo resultado criará a vida curada, íntegra e congruente que você deseja há muito tempo.


Autor: Jennifer Hoffman 
Facebook: Jennifer Hoffman
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Jennifer Hoffman Aqui