background

terça-feira, 14 de julho de 2020

Benjamin Fulford - "Atualização Semanal: Como os EUA se tornaram um estado escravo babilônico"



13.07.2020

Como os EUA se tornaram um estado escravo babilônico

Nota aos leitores: As próximas três edições deste boletim serão pré-escritas para que eu possa tirar meu período sabático anual. Se algo realmente importante acontecer, irei informa-los com uma atualização.

Minha batalha contra a máfia khazariana começou no Japão, onde durante mais de 30 anos como jornalista de linha de frente, vi o primeiro-ministro depois que o primeiro-ministro foi assassinado e um sistema econômico bem-sucedido foi desmontado. 

Em 1985, quando comecei a trabalhar no Japão, este país tinha a maior renda per capita do mundo e a menor diferença entre ricos e pobres entre aqueles desenvolvidos. Esse foi o resultado de décadas de crescimento econômico de dois dígitos: o chamado milagre japonês. Agora, o Japão é governado por fundos de hedge de gângsteres khazarianos e seus escravos. O país agora tem a segunda maior lacuna entre os ricos e os pobres da OCDE (depois dos EUA) e os japoneses médios mal conseguem se equilibrar.

Foi a raiva pelo que havia sido feito aos japoneses que me colocou no caminho da libertação este país, tentando convencê-los a parar de homenagear seus opressores. Isso foi algo pessoal, porque muitos jornalistas japoneses, banqueiros centrais e políticos que eu conhecia e respeitava haviam sido assassinados por essas pessoas. Descobri isso dos chefes japoneses da Yakuza que me disseram que eram subcontratados da máfia khazariana.

Quando as sociedades secretas asiáticas concordaram em ajudar a libertar o Japão e o resto do mundo do domínio khazariano, todo tipo de pessoa de todos os tipos de sociedades secretas saíram, do esconderijo para conversar conosco.

Uma fonte particularmente influente foi um veterano agente britânico, Dr. Michael Van de Meer, também conhecido como Michael Meiring. Ele me deu algumas tarefas de leitura para que eu soubesse exatamente com o que estava lidando. Van de Meer lutava contra os khazarianos por décadas e pagou um preço alto. Ele teve as duas pernas arrancadas por uma bomba, segundo ele, por agentes de George Bush Pai e David Rockefeller.

As informações que ele forneceu me fizeram perceber que o que testemunhei em primeira mão no Japão foi um processo gradual de escravização que já estava completo nos Estados Unidos. Essas foram as pessoas que assassinaram Abraham Lincoln, John F. Kennedy, Martin Luther King e muitos outros.

É interessante notar que, embora, documentos oficiais sobre o assassinato de Kennedy tenham sido divulgados com grande expectativa, nenhum meio de comunicação informou quem ordenou seu assassinato pelo, então, o Primeiro Ministro israelense David Ben Gurion. Por sua vez, Ben Gurion,  estava recebendo ordens da máfia khazariana, como parte de seu plano de matar 90% da humanidade,  escravizar o restante e governar o mundo a partir de Jerusalém.

Antes de entrarmos em citações-chave dessas matérias de leitura, permitam-me explicar por que eles estão errados quando culpam os judeus em geral pelos acontecimentos a elas imputados. A resposta é porque essas pessoas que simplesmente se chamam de judias, na realidade são adoradoras de Satanás.

Minha própria família é judia. Familiares de minha mãe, originalmente eram Horstein, que significa cavalareiro das pedras ou cavalareiro das montanhas. Eram descendentes de cavaleiros khazarianos, derrotados pelos russos e mongóis. Minha avó tinha tanto medo de ser identificada como judia que carregava um documento declarando que havia sido batizada como anglicana. A mãe de meu pai, também era judia e não contou isso a meu pai até que estivesse no leito de morte. Meu pai também não me contou até morrer.

Eles tinham muito medo de alguma coisa e, essa coisa era os satanistas khazarianos. Eles haviam escapado da escravidão e relutavam em voltar a ela, sendo por isso que mantinham em segredo os seus ancestrais, mesmo dos parentes mais próximos. A maioria dos judeus religiosos ainda são seus escravos. Aquele que estudar a história real da Babilônia, saberá que a circuncisão era uma castração ritual para identificar homens de tribos derrotadas como escravos.

De qualquer forma, meus ancestrais anglo-saxões eram descendentes dos invictos reis guerreiros do planeta Terra, e não estávamos dispostos a deixar que as mulheres de uma tribo derrotada nos dissessem o que fazer e não fomos circuncidados ou escravizados.

A outra coisa a saber é que vivemos pela regra de ouro: "Faça aos outros o que gostaria que outros fizessem a você". Éramos morais, não porque tínhamos medo do inferno ou tentados por subornos prometidos do céu, mas porque era do nosso interesse ser moral. Não roubar nem matar para poder viver numa sociedade em que não é assaltado ou assassinado.

Não éramos cristãos porque Jesus Cristo havia sido torturado até a morte e seus assassinos ainda estavam no poder. Além disso, não podíamos acreditar que um Deus justo permitiria tanta miséria e sofrimento na Terra. Então, éramos ateus, o tipo de judeu mais perseguido que existia.

Pessoalmente, sei que não nos criamos espontaneamente, então deve haver um criador. Para respeitar o criador, devemos respeitar a criação, em outras palavras, respeitar outras pessoas e todos os seres vivos.

De qualquer forma, vamos citar três importantes pessoas sobre os "judeus", com a condição de que estão falando sobre a Sinagoga de Satanás e não sobre os verdadeiros judeus.

Vamos começar com um aviso do pai fundador, Benjamin Franklin:

Concordo plenamente com o General Washington em que devemos proteger esta jovem nação ... de influência e intrusão insidiosas.

A ameaça, senhores, são os Judeus.

Em todos os países onde os Judeus se estabeleceram em grande número, reduziram o tom moral e diminuíram sua integridade comercial. Segregaram e não assimilaram a religião cristã, na qual esta nação é fundada, zombam e tentam miná-las desafiando suas limitações pela resistência, construíram um estado dentro de um estado e, tentam estrangular financeiramente este país, como no caso da Espanha e Portugal.

Se não forem expulsos desses Estados Unidos, estarão nesta Constituição em menos de 200 anos, os EUA estarão repletos de pessoas em números tão grandes que dominarão e devorarão terras e mudarão nossa forma de governo, para a qual nós “Os Americanos” derramamos nosso sangue, damos nossas vidas, substância e liberdade ameaçada.

Se não forem descartados, em menos de 200 anos nossos descendentes trabalharão nos campos para ganhar a vida, enquanto eles estarão no... Estarão esfregando suas mãos nas casas de contagem. Eu os aviso, senhores, se permitirem que os judeus fiquem, que seus filhos os amaldiçoem em seus túmulos.

Franklin estava muito certo. Agora, confirmamos isso com uma citação exata de Harold Wallace Rosenthal, ex-assistente administrativo chefe do ex-senador Jacob Javits:

A maioria dos judeus não gosta de admitir, mas nosso Deus é Lúcifer. Rosenthal, que mais tarde foi assassinado por ter revelado muitas coisas, também, disse que a maioria dos judeus não gosta de admitir isso, mas nosso Deus é Lúcifer:

Nós, judeus, apresentamos ao povo americano questões após questões. Depois, promovemos os dois lados do problema para criar confusão. Com sua fixação nos problemas em seus olhos, eles não veem quem está por trás de cada cena.

Nós judeus brincamos com o público americano como um gato brinca com um rato. O sangue das massas fluirá enquanto esperamos nosso dia de vitória mundial. Dinheiro é mais importante que moralidade.

Com dinheiro, podemos fazer qualquer coisa.

Nosso poder foi criado através da manipulação do sistema monetário nacional.

E criamos a citação.

Dinheiro é poder. Conforme declarado em nosso plano diretor, para nós era essencial estabelecer um banco nacional privado.

O Federal Reserve System se encaixa bem em nosso plano, pois está em nossa posse, embora, o nome implique que seja uma instituição estatal.

Desde o início, nosso objetivo era confiscar todo o ouro e prata e substituí-lo por notas inúteis e irremediáveis para troca. Adquirimos um monopólio completo da indústria cinematográfica, das redes de transmissão e da mídia televisiva em desenvolvimento.

A indústria gráfica, os jornais, as revistas e os jornais comerciais já haviam caído em nossas mãos. A ameixa mais rica viria quando assumimos a publicação de todos os materiais escolares. Com a ajuda deste veículo, fomos capazes de moldar a opinião pública de acordo com nossas próprias ideias.

As pessoas são apenas porcos estúpidos que ouvem as músicas que damos a elas, seja verdade ou mentira, grunhindo e gritando.

O texto completo da entrevista pode ser lido aqui:


Em seguida, temos o aviso do importante Sionista, Benjamin Freedman (um homem que foi libertado da khazariaion = escravidão Sionista).

Os Sionistas e seus comparsas religiosos governam os Estados Unidos como se fossem monarcas absolutos deste país.

Os [Sionistas] disseram à Inglaterra: Bem, garantimos que os Estados Unidos entrarão na guerra como seu aliado e que lutarão do seu lado se vocês nos prometerem a Palestina depois de sua vitória.

O que estamos enfrentando agora? Se começarmos uma guerra mundial nuclear, a humanidade estará destruída. E por que isso acontecerá?

Será sobre o terceiro ato.

A cortina sobe no terceiro ato.

O primeiro ato foi a Primeira Guerra Mundial.

O segundo ato foi a Segunda Guerra Mundial.

O terceiro ato seria a Terceira Guerra Mundial.

Os Judeus do mundo, os Sionistas e seus companheiros de fé, em todos os lugares estão determinados a novamente usarem os Estados Unidos para ajudá-los a tornar a Palestina uma base permanente para o governo mundial que receberiam.

Como os Estados Unidos - cerca de cinco por cento do mundo - vão e fazem de oitenta a noventa por cento do mundo em seus países de origem?

Como podemos fazer isso... Enviando nossos meninos lá para serem massacrados?

Para quê? Para que os judeus possam ter a Palestina como sua comunidade?

Eles os enganam tanto que vocês nem sabem se estão indo ou vindo.

Eu não os chamo de Judeus.

Eu os chamo de, assim chamados  Judeus, porque sei o que eles são [Satanistas].

Ok, então os Estados Unidos agora estão numa luta desesperada de libertação, depois de serem lentamente escravizados nos últimos 200 anos ou mais.

Os julgamentos estão a todo vapor.

Uma grande parte da liderança da máfia khazariana nos EUA foi morta ou presa.

No entanto, a inteligência militar japonesa estima que haja cerca de um milhão de mafiosos khazarianos dominando os Estados Unidos.

Eles fingem ser judeus, muçulmanos, cristãos etc., mas adoram Satanás.

Agora, eles estão lutando por suas vidas. Ativistas da Antifa e da Black Lives Matter, que têm atuado de tumultos e ações de sabotagem, segundo fontes da NSA, são agentes khazarianos ou seus agentes.

Por exemplo, uma análise da Pew, mostra que apenas um em cada seis ativistas, chamados Black Lives Matter é afro-americano.

Em outras palavras, são agentes khazarianos.

O mesmo pode ser dito sobre a Antifa.


Se os Estados Unidos desejam se retirar do sistema babilônico de escravidão por dívida, isto é  livre dos Satanistas khazarianos, essas pessoas devem ser neutralizadas.

Na próxima semana, continuemos a olhar para quem está lutando contra eles e como não combatê-los, não apenas nos Estados Unidos, e libertar o mundo inteiro desse horror.

Os baluartes mais importantes a serem conquistados são os meios corporativos, tais como: A indústria farmacêutica, os monopólios de alta tecnologia, os mega bancos, a elite política de Washington, a burocracia da saúde e muitas das empresas de energia.

Fim.


Autor: Benjamin Fulford 
Tradução: Sementes das Estrelas / Candido Pedro Jorge
Veja mais artigos do Benjamim Fulford Aqui